O que esperar de 2016?

Ainda que no Brasil ainda estejamos distantes da concretização do ideal democrático de “governo do povo, para o povo e pelo povo”, não há como negar que vivemos um período de efervescência democrática. Em 2014 tivemos a eleição presidencial mais disputada da história. Hoje sabemos que a vitória de Dilma Rousseff foi obtida mediante clara […]

cubosAinda que no Brasil ainda estejamos distantes da concretização do ideal democrático de “governo do povo, para o povo e pelo povo”, não há como negar que vivemos um período de efervescência democrática. Em 2014 tivemos a eleição presidencial mais disputada da história. Hoje sabemos que a vitória de Dilma Rousseff foi obtida mediante clara fraude fiscal e estelionato eleitoral. A sociedade brasileira se levantou contra estes desmandos e em 2015 tivemos as maiores manifestações populares da história do país. A vitalidade da nossa sociedade civil demonstra a maturidade democrática do país.

Leia também:  Quem é “Q”? Ou: por que somos tão sensíveis às teorias conspiratórias?

Vivemos hoje também um recorde histórico de três décadas ininterruptas de vivência democrática. Essa marca, que merece ser celebrada, é fruto de um processo de modernização da sociedade brasileira. Temos hoje uma classe média ampla, razoavelmente instruída e que parte de um consenso em relação ao binômio democracia/economia de mercado. Mas este não é o fim da história.

(…)

Para ler o artigo completo publicado no jornal Zero Hor de 12 de janeiro de 2016, clique aqui.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Fabio Ostermann no Patreon!
Leia também:  Os tipos de conservadorismo no Brasil monárquico, segundo Christian Lynch