O quadrilhão do PT e o que resta do petismo

Nós já sabemos que a cúpula do Partido dos Trabalhadores está mergulhada no mar de lama em que se transformou a República. Recentemente Lula, Dilma Rousseff, Antonio Palocci e Guido Mantega se tornaram réus no processo que investiga repasses bilionários de propina para os líderes do PT. Além deles, Gleisi Hoffmann e João Vaccari Neto também foram denunciados. A narizinho está blindada pelo foro privilegiado e deve respirar aliviada por contar com amigos no STF. A denúncia havia sido feita em 2017 por Rodrigo Janot, antecessor de Raquel Dodge no comando da Procuradoria-Geral da República, e foi aceita pelo juiz federal Vallisney Oliveira, titular da 10ª Vara Federal do Distrito Federal. O patriarca petista, sua poste e dois ex-ministros dos governos petistas passaram a integrar o rol infame dos criminosos de colarinho branco que tomaram de assalto os cofres públicos. A pergunta que podemos fazer é: o que significa o caso do quadrilhão do PT?

Na denúncia oferecida por Janot, os petistas são acusados de desviar quase um bilhão e meio de dinheiro do pagador de impostos entre os anos de 2003 e 2016. Como bem destacou o jornalista Augusto Nunes no programa Os pingos nos Is, da rádio paulista Jovem Pan, o bilhão se tornou moeda corrente nas transações espúrias entre partidos e empresas. O montante repassado aos bolsos de políticos é escandaloso e reflete a total falta de espírito republicano dos petistas. Não se trata de desvios isolados, mas sim do funcionamento pleno de um esquema sofisticado de corrupção que loteou as empresas estatais entre burocratas e empresários amigados do governo. Os resultados colhidos pela Lava Jato são amargos, mas absolutamente necessários para se levar adiante a modernização do Estado.

Outras quadrilhas, envolvendo PP e MDB, já foram desbaratadas pela força-tarefa da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. Afinal, o que o quadrilhão do PT tem de especial? Essa pergunta tem duas respostas. Primeiramente, o petismo institucionalizou a corrupção enquanto comandou o governo federal por 13 longos anos, aparelhando empresas estatais com seus nomes de confiança, loteando ministérios estratégicos entre partidos da base aliada. Todo esse processo de dilapidação do patrimônio público se fez de modo organizado e sistemático. Como o ex-ministro Antonio Palocci afirmou em delação premiada, a Odebrecht firmou um “pacto de sangue” com o PT. Esse pacto foi mantido por anos porque se mostrou bastante rentável. Segundo levantamento feito pela Folha de São Paulo, empresas ligadas à Odebrecht repassaram mais de 320 milhões aos bolsos do partido em 5 anos.

Leia também:  Gênero neutro: escola proíbe bermudas e obriga meninos a usarem saias

Além disso, o quadrilhão do PT escancara a hipocrisia de líderes petistas que insistem na narrativa delirante da “perseguição ao partido”, como se a totalidade dos juízes, delegados e agentes públicos envolvida na Lava Jato fosse, na verdade, uma enorme engrenagem antipetista. Todas as evidências colhidas pela operação indicam uma verdadeira organização criminosa capitaneada pelo ex-presidente Lula, mas a seita do petismo doutrina seus fiéis a acreditarem na inocência de seu patriarca e na ficha ilibada do partido. Para sustentar uma narrativa fantasiosa dessa natureza, é necessário que o PT seja a vítima de algozes impiedosos. Foi assim que a máquina petista inventou e difundiu a figura de Sérgio Moro como o inimigo-maior do Brasil. Por ter condenado à prisão o pai dos pobres, Moro só pode ser um agente antipetista infiltrado na Justiça Federal. Acontece que Moro já saiu do caminho de Lula, e, no entanto, o sapo barbudo continua no banco dos réus. Como explicar?

Embora a campanha Lula Livre tenha diminuído sensivelmente após a derrota de Haddad na corrida pelo Planalto, o culto à personalidade de Lula continua nos círculos sectários da extrema esquerda. O site Diário da Causa Operária, ligado ao PCO, partido que não elege nem síndico de apartamento, noticiou da seguinte maneira a aceitação da denúncia contra o quadrilhão petista: “Golpistas manobram para colocar PT na ilegalidade: mobilizar desde já pela liberdade de Lula”. O restante do texto segue na linha editorial da extrema-esquerda: todo o mundo conspira contra os pobres trabalhadores explorados pelo capitalismo.

Leia também:  Exigência de currículo mínimo para cargos políticos: será que adianta?

“Trata-se de uma das maiores e mais fraudulentas denuncias contra o PT e deixa claro que embora setores da esquerda se esforcem claramente para buscar uma política de colaboração com os golpistas, deixando para trás qualquer luta contra o golpe, defendendo “virar a página do golpe”, “sucesso para o governo Bolsonaro” e propondo que o partido se dedique a fazer “autocrítica”, a direita não está disposta a dar tréguas e, pelo contrário, segue firme na sua política de atacar o PT, toda a esquerda e as organização política dos trabalhadores, para impor sua política de aprofundamento dos ataques contra os explorados em favor dos interesses do grande capital estrangeiro e nacional”.

Essa trama conspiratória aparentemente existe apenas para emboscar o petismo na sua luta por dias melhores. Para além dos delírios ideológicos, o partido deve se reorganizar nos próximos meses para oferecer uma oposição resistente ao governo Bolsonaro. Mas os petistas não vão manter o comportamento esquizofrênico de agora: vão sutilmente mudar a narrativa e buscar os meios de manter o poder que lhes resta. A política real precede a coerência do discurso, razão pela qual o partido já havia atenuado a narrativa do golpe. Devemos lembrar que o PT ainda tem a maior bancada na Câmara, o que lhe garante recursos político-eleitorais nada desprezíveis como os milhões de dinheiro público à disposição do partido no fundão partidário. Embora as prisões de líderes do PT e de megaempresários corruptos tenham fechado a torneira da propina, ainda há muito dinheiro na mesa. E, já dizia Nelson Rodrigues, dinheiro compra até amor verdadeiro.

Se antes Lula era maior que o PT, e o partido dependia de colar-se à figura popular do ex-presidente para subsistir na corrida eleitoral, agora o cenário está alterado. A vitória de Bolsonaro desfechou um golpe violento no lulopetismo, porque, na medida em que a rejeição ao PT cresceu a reboque do bolsonarismo, um eventual governo Bolsonaro bem-sucedido deve reafirmar o sentimento antipetista na sociedade. Além disso, Lula mofa na cadeia e lentamente perde seu prestígio, tendência que deve se acentuar com as próximas decisões judiciais nos demais processos em que o patriarca petista é réu. As dificuldades do partido devem crescer, porque sua cúpula está na mira da Justiça, não apenas seu líder histórico. Há vários processos abertos e investigações em andamento – todos patrocinados pela CIA, claro. Abalado em seus quadros principais, o PT vai ter de nadar contra a correnteza da opinião pública.

Leia também:  O que é o Liberalismo de Donald Stewart Jr.

Lula está liquidado, ponto final. Mas, como o PT se dispõe a fazer até “aliança com o diabo” para não perder o poder, o partido deve assediar os demais partidos de esquerda no Congresso. Embora líderes de PSB, PCdoB e PDT se articulem no sentido de criar uma oposição de esquerda a Bolsonaro sem a liderança do PT, o petismo não deve ser totalmente isolado nas fileiras oposicionistas. Os socialistas, comunistas e pedetistas, juntos, detêm 69 assentos na Câmara, número insuficiente para sustentar em médio prazo uma oposição consistente. Por isso a união com o PT é previsível, mas provavelmente o partido terá perdido a condição de líder da esquerda em Brasília.

Os próximos quatro anos serão decisivos não só para o futuro do Brasil, mas também para o petismo. A organização criminosa que saqueou os cofres públicos por tantos anos finalmente sofre as consequências merecidas de seus crimes e, ao lado de tucanos e emedebistas, deve amargar longos anos de cadeia.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!