O instituto desconhecido pelo PT (que até a Ministra da Casa Civil conhece)

dilma-aecio-2Desde que os brasileiros tiveram acesso aos resultados das urnas no último domingo, um assunto predominou nas discussões: o insucesso dos órgãos e institutos de pesquisa. Em sua maioria, pesquisas de entidades como Ibope e Datafolha apontavam diferenças consideravelmente maiores do que a que realmente se verificou entre a candidata da situação, Dilma Rousseff, e o candidato tucano, Aécio Neves, na preferência dos eleitores.

Enquanto os números eram esses, os petistas não se enervavam. No raiar do segundo turno, eis que – sacrilégio! – surgem algumas pesquisas apontando vantagem do opositor! De acordo com o levantamento do Instituto Paraná, esta seria de 54 % a 46%. A reação do PT – e, conhecendo sua sanha censora e autoritária, não se poderia esperar nada muito diferente – foi a pior possível. Generosamente, o TSE concedeu ao partido o direito de ter acesso ao sistema interno de controle, verificação e coleta de dados da empresa. O site oficial da turma da estrela vermelha emitiu nota, da qual destacamos o seguinte:

“A 17 dias do segundo turno das eleições, dois institutos de pesquisa até então desconhecidos pela população divulgaram as primeiras sondagens sobre as intenções de voto para presidente da República. Nos levantamentos realizados pelos Institutos Paraná e Veritá, o candidato à presidência Aécio Neves (PSBD), aparece à frente da presidenta e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT).

No entanto, a transparência das pesquisas é questionável. O levantamento realizado pelo Instituto Paraná foi divulgado nesta quarta-feira (08), em primeira mão pela revista ‘Época’, da Editora Globo. Apesar disso, o registro da pesquisa junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não aponta a revista ou a editora como contratante.”

Leia também:  Tragam a mamadeira para Maia

O truque é muito claro; ao tratar os institutos como “desconhecidos”, o PT busca reduzir sua importância e depreciar sua pesquisa. Mas não é exatamente esse o adjetivo que outros usariam – mesmo algumas figuras do próprio governo…

Acerca de um dos grupos contestados, o realmente pequeno Instituto Veritá, o que se pode dizer é que acertou notoriamente nas pesquisas para o governo do Distrito Federal, apontando números muito próximos dos que se verificaram na realidade. A pesquisa, entre 29/09 e 02/10, apontava a eleição do candidato Rollemberg, do PSB, com 44,4 % dos votos. Ele venceu com 45,23 %. Sobre o Instituto Paraná, porém, temos mais a dizer.

O advogado e cientista político Pedro Henrique Ferreira, graduado em Direito pela Universidade Federal de Viçosa, chama a atenção para uma realidade incômoda – a quem está acostumado a se engrandecer apoiando-se em distorções e mentiras, é claro.  Ele nos lembra que foi exatamente o Instituto Paraná que divulgou em 2013 os resultados de uma pesquisa nacional revelando a percentagem de brasileiros que desconhecem os índices atuais da inflação (67 %), reproduzida em diversos veículos jornalísticos. Ele acrescenta: “Confio muito no apontamento de uma empresa como essa, especializada em pesquisas qualitativas. Aliás, não só eu, mas todas as grandes empresas e políticos que preferiram contratar a Paraná Pesquisas…”

Leia também:  A importância da Reforma da Previdência: uma questão de matemática e não de ideologia! – Dados de 2018 Atualizados

Quem seriam esses políticos e empresas que manifestaram sua preferência pelos dados da instituição que agora é vítima do dedo acusador do governo? No site oficial do Paraná Pesquisas, encontramos a lista de clientes do instituto. Temos algumas surpresas interessantes… Vejam alguns dos órgãos e políticos que “desconhecem” os serviços prestados por ele:

Prefeitura Municipal de Curitiba, Assembleia Legislativa do Paraná, Câmara Municipal de Curitiba, Grupo Boticário, OAB – Seção Paraná, Rede Massa de Comunicação, TV Record, Band TV de Curitiba, Grupo Boticário, Prefeitura Municipal de Petrópolis, Editora Positivo (…)

Nas reticências, inclua diversos deputados federais e órgãos de comunicação e administração regional. Que quer dizer o autor da nota no site do PT? Que todos esses clientes estão usando os serviços de uma empresa prostituída, que “venderia” pesquisas manipuladas de acordo com os interesses dos contratantes? Ora, que ousadia… No mínimo, abre-se uma brecha para que todos exijam um esclarecimento, e não somente a Paraná Pesquisas. Afinal, estão sendo indiretamente atingidos em sua honra e ética, não é verdade?

Entre esses atingidos, estariam, sim, tucanos, como o governador Beto Richa e o senador Álvaro Dias, que estão na lista de clientes. Mas estariam também, vejam só, a Prefeitura de Curitiba, governada pelo PDT (aliado do PT), bem como o próprio Partido Democrático Trabalhista; e a EX-MINISTRA DA CASA CIVIL, GLEISI HOFFMAN, DO PARTIDO DOS TRABALHADORES! O grifo não é, obviamente, por acaso.

Leia também:  Por que darem um privilégio ao Temer que não foi dado ao Lula?

Com que desfaçatez o PT despreza e alega ser “desconhecido” um instituto de pesquisas que prestou serviços a uma integrante de seu partido, e do próprio GOVERNO Dilma Rousseff?  Hoffman não é a única. Ironicamente, o ministro petista das Comunicações, Paulo Bernardo, também figura na lista de clientes. O Paraná Pesquisas introduz a relação da seguinte maneira: “alguns dos clientes que melhor podem avalizar a qualidade dos serviços da Paraná Pesquisas”. São eles que dizem.

Reforçamos então o convite deles: petistas, antes de irem ao TSE, antes de cederem a seus próprios instintos autoritários e espúrios, façam, os senhores mesmos, uma pesquisa interna. Consultem Paulo Bernardo e Gleisi Hoffman! Talvez eles tenham as informações necessárias para que os senhores não considerem “desconhecido” um Instituto com tantos clientes de destaque, inclusive entre os quadros de seu próprio governo.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Lucas Berlanza

Lucas Berlanza

Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Lucas Berlanza é editor dos sites “Sentinela Lacerdista” e “Boletim da Liberdade” e autor dos livros "Lacerda: A Virtude da Polêmica" e “Guia Bibliográfico da Nova Direita – 39 livros para compreender o fenômeno brasileiro”.