Nova marcha da família com Deus

Como sabemos, um dos fatores desencadeadores da Revolução de 31 de março de 1964 foi a greve dos sargentos da Marinha desafiando o código de ética militar.

Outro fator foi a Marcha da Família com Deus organizada por mulheres católicas, que reuniu 200.000 pessoas só em S. Paulo.

marcha_da_familia_com_Deus_JB

Em recente discurso no Congresso, o deputado Jair Bolsonaro, falando sobre esse acontecimento histórico, disse que quem depôs o Presidente João Goulart foi o Congresso Nacional, não os militares.

Tanto que, após a deposição e antes da Revolução, tivemos um breve governo provisório em que assumiu o Presidente do Congresso.

Disse ainda que os militares jamais teriam tomado a decisão de fazer uma revolução, caso isto não atendesse aos apelos da maioria da nação.

Outro fato histórico, pois quem pediu o golpe de 1964 foi a mídia em geral, os participantes da referida Marcha e a maioria das famílias católicas sentindo-se ameaçadas pelo comunismo somente por este pregar o ateísmo e a destruição da família.

[Como se fosse somente isto!].

Há quem não aprecie as ideias de Jair Bolsonaro, mas nesse discurso no Congresso, ele se limitou a enunciar verdades históricas que andam esquecidas da maioria da população.

E, ao que tudo indica, elas tiveram um efeito ao menos sobre um grupo da população.

Abro a Folha de S. Paulo em 16 de março de 2014, e eis que me deparo com a seguinte manchete: grupo organiza nova edição de passeata anticomunista de 64.

Confesso que fiquei perplexo com essa notícia totalmente inesperada por mim. A sociedade brasileira parecia anestesiada pela propaganda do PT mostrando um Brasil-Maravilha.

Eu nunca esperaria qualquer manifestação de protesto, indo além da insatisfação de caráter difuso das marchas pacíficas de junho conspurcadas pelo insano vandalismo dos Black Blocs.

Para a maioria da população, o comunismo era coisa do passado ou mesmo algo palatável, desde que apresentando uma face democrática, com seus membros aceitando concorrer a eleições.

Mas uma nova marcha está em curso. Seu organizador é o jovem Bruno Toscano, de 40 anos. E a organização é feita pelas redes sociais, como tem sido freqüente ultimamente.

Trata-se de um movimento político suprapartidário, hostil mesmo a essa sopa de letrinhas que são as siglas dos 40 partidos existentes até agora Segundo as palavras de Toscano, “Nenhum político que está aí serve para alguma coisa”.

Embora eu não concorde com esse radicalismo e com essa generalização abusiva, compreendo suas motivações para tamanho desabafo e sou solidário com o mesmo.

Em geral, a classe política parece estar vivendo numa torre de marfim, na Ilha da Fantasia, distanciada das preocupações do povo com a segurança pública, saúde, educação, transporte coletivo, etc.

Outra líder do movimento, Cristina Peviani, afirma que “tudo o que está aí é ruim”, parafraseando o finado Brizola que vivia dizendo ser “contra tudo isso que aí está”. Mas assumindo uma posição antagônica à do antigo líder do PDT.

Segundo a matéria da Folha, Cristina não disfarça sua saudade do período militar, que ela não considera de caráter ditatorial.

Talvez pelo fato de o Congresso ter permanecido aberto num sistema bipartidário, com o partido da situação – a ARENA – e o da oposição – o MDB.

De acordo como que pude depreender da análise do mencionado movimento feita pela Folha, ele é visceralmente contrário a uma ditadura de esquerda, mas, lamentavelmente, simpático a outra de direita.

Em reação a essa Nova Marcha da Família, está se organizando outra em S. Paulo: a Marcha Antifascista. Este grupo se concentrará na Praça da Sé às 15.30h e sairá em direção à antiga sede do DOI-CODI.

Parece que está se formando uma situação semelhante à da Venezuela de Maduro, onde grupos radicalmente antagônicos se manifestam, não necessariamente de direita e esquerda radicais, mas sim radicalmente favoráveis ou desfavoráveis aos atuais governos dos dois países.

Espero sinceramente que isso não passe de protestos pacíficos e que não seja o prenúncio de uma guerra civil.

Para amenizar o clima, vou contar uma piadinha didática: durante a Batalha de Stalingrado, um pequeno comerciante judeu-russo se escondeu dentro de um buraco. Mas, para sua infelicidade, foram parar lá também um comunista e um nazista.

Antes de surgir qualquer altercação entre eles, apareceu um gênio mágico e foi logo dizendo: “Façam seus desejos, meus amos, que eu vou atendê-los”.

O comunista não teve dúvida: “Quero que morram todos os nazistas!”. Por sua vez, o nazista expressou o seu: “Quero que morram todos os comunistas!”

Aí chegou a vez do judeu: “Bem, já que o senhor vai atender aos desejos de ambos, pra mim um cafezinho está de bom tamanho”.

imagem: JB / CPDoc

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Nelson Rodrigues
Mario Guerreiro

Mario Guerreiro

Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor do Depto. de Filosofia da UFRJ. Membro Fundador da Sociedade Brasileira de Análise Filosófica. Membro Fundador da Sociedade de Economia Personalista. Membro do Instituto Liberal do Rio de Janeiro e da Sociedade de Estudos Filosóficos e Interdisciplinares da UniverCidade.

2 comentários em “Nova marcha da família com Deus

  • Avatar
    23/03/2014 em 11:15 am
    Permalink

    Parei de ler em “revolução de 64”. Qual foi a revolução? Vergonhoso.

  • Avatar
    20/03/2014 em 8:49 pm
    Permalink

    Lamento que o articulista estivesse tão desinformado sobre um assunto que vem sendo veiculado há bastante tempo na mídia e nas redes sociais. Depois que a reedição da marcha da família com Deus pela liberdade foi organizada e difundida os fascitóides petistas, pesóis e pstus da vida prometeram retaliar. Aguardemos.

Fechado para comentários.