Não houve golpe e o PT deveria se sentir grato pelo impeachment

Recentemente uma fala do ex-presidente Michel Temer em entrevista para o Roda Viva em que ele supostamente admite o “golpe” causou grande repercussão. Analisando o contexto em que o ex-presidente falou o que falou, fica claro, como ele mesmo afirma em retrospecto, que sua fala foi tirada do contexto e que ele nunca viu o impedimento como golpe. O contexto de sua fala era justamente dizer que, não tendo sido o impeachment um golpe, não há porque ele ser chamado de golpista, e que nunca trabalhou em prol daquilo que chamam de golpe.

Sim, o ex-presidente poderia ter se expressado melhor, mas quem vê na fala uma confissão “escapulida”, dita sem querer, de que o impeachment foi um golpe e ele foi seu articulador, só o faz por falta de embasamento para a tese, sendo, portanto, necessário apelar para palavras mal colocadas e análises psicológicas fajutas de que alguma “culpa” estaria por detrás da confissão, para corroborar aquilo que não é corroborado pelos fatos históricos.

O impeachment foi um processo legal e legítimo. Bater nesta tecla nunca é demais, pois podem ter certeza de que boa parte da esquerda continuará tentando impor a narrativa do golpe, a exemplo da recente produção da Netflix Democracia em Vertigem, que nada mais é que a versão cinematográfica da narrativa petista.

As pedaladas existiram, tendo até sido admitidas por Dilma. Havia o crime, portanto. Mas detalhe importante: se mesmo tendo cometido o crime Dilma contasse ainda com apoio popular e ampla base no congresso, o impeachment simplesmente não teria acontecido. O crime ficaria sem punição. Essa é uma característica inerente ao processo de impeachment e ao próprio presidencialismo. Para cada presidente(a) “impichado” na história, pensem em quantos outros cometeram crimes para tal, mas não foram impedidos por ainda contarem com apoio popular e uma base no congresso. Eis aí a motivação política. Vale lembrar, como também diz Temer na entrevista, que estavam ocorrendo diversas manifestações populares defendendo a saída de Dilma, o que tornava difícil para os parlamentares assumirem a posição contrária.

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Charlton Heston

O que derrubou Dilma foi sua impopularidade e o que derrubou sua popularidade foi a crise econômica. Esse fator é simplesmente ignorado em diversas análises, como, aliás, acontece em Democracia em Vertigem. Muitos colocam tudo na conta da Lava Jato, que de fato explica um pouco, mas não tudo. Não, o verdadeiro prego no caixão do governo de Dilma foi a crise que ela passou a campanha inteira negando que existia.

Não foi um ódio de elites contra negros em universidade, pobre no avião, ou qualquer uma dessas besteiras que os petistas dizem para assumirem o papel de vítimas. Dentre os sentimentos populares, o ódio estava lá sim, mas era ódio de quem perdeu o emprego, de quem via os preços disparando, de quem via a economia encolhendo e a confiança murcha.

Leia também:  Por que o ex-presidente Lula é considerado um "hóspede ilustre" na Polícia Federal?

Na verdade, os petistas deveriam se sentir gratos pelo impeachment. Claro que nem eu nem ninguém pode saber o que aconteceria com exatidão caso Dilma tivesse concluído seu mandato, mas tudo o mais constante, permanecendo seu governo o desastre que era, e infantilizada a bancada petista como era, tentando atribuir a crise a Joaquim Levy e a um neoliberalismo fantasmagórico, como se a doença tivesse sido causada pelo médico chamado para combatê-la, violando assim a cronologia temporal, mantendo-se tudo isso meu palpite é que Bolsonaro teria levado já no primeiro turno.

Fora do governo, os petistas conseguiram se livrar em parte do ônus da crise, vendendo a ideia de que Temer é que era o culpado. As ações de um governo, boas ou más, sempre têm consequências que vão além do período de duração desse governo, e muitas vezes a bomba estoura no colo alheio. Eis a razão da impopularidade de Temer. Arrisco-me a dizer, aliás, que foi um dos presidentes mais injustiçados de nossa história. Tendo tido uma inflação de 10,67% em 2015, o país fechou 2018 com um IPCA de 3,75%. Temer também concluiu seu mandato com o que até então era o menor valor da série histórica da Selic, contrapondo a narrativa de que a condução mais ortodoxa da economia resultaria em maiores juros para beneficiar banqueiros. O ex-presidente também tem o mérito de ter posto fim à recessão econômica.

Leia também:  Por que sou a favor da lei contra o abuso de autoridade?

Acredito que com a permanência de Dilma no governo a história seria outra e os números também. Além da chance de Bolsonaro ter vencido as eleições já no primeiro turno, talvez o PT não tivesse conseguido eleger a maior bancada do Congresso. É nesse sentido que afirmo que os petistas deveriam ser gratos à saída de Dilma. Não que eu apresente isso como uma crítica ao impeachment, pelo contrário.

Também foi o impeachment um acontecimento importante para fazer o PT se voltar para suas bases mais “radicais”. O partido indubitavelmente adotou uma postura mais radical e intransigente, promovendo um revisionismo crítico em que dizem se arrepender de alianças históricas com o centro e com a direita. Ignoram que não fossem estas alianças, não teriam governado.

*Gabriel Wilhelms é licenciado em Música e graduando em Ciências Econômicas, atua como colunista e articulista político.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Instituto Liberal

Instituto Liberal

O Instituto Liberal é uma instituição sem fins lucrativos voltada para a pesquisa, produção e divulgação de idéias, teorias e conceitos que revelam as vantagens de uma sociedade organizada com base em uma ordem liberal.