fbpx

Máximas para meditar

FRANCISCO LACOMBE *
  1. Não existe almoço grátis (Milton Friedman).
  2. Todo problema complexo tem uma solução fácil, simples, óbvia e … errada.
  3. O problema não é o que você não sabe, mas o que você não sabe que não sabe.
  4. Os governantes e as fraldas devem ser trocados periodicamente pelo mesmo motivo (Eça de Queiroz em As Farpas).
  5. O poder corrompe, quanto mais concentrado o poder maior a corrupção, quanto mais diluído menor a corrupção, o poder absoluto corrompe absolutamente (Lord Acton).
  6. A troca é um jogo de soma positiva. Numa troca voluntária há uma criação de valor, uma vez que ambos os participantes, pela sua própria avaliação subjetiva, tiveram um aumento de satisfação (Donald Stewart).
  7. No mundo atual o conhecimento é o principal recurso para os indivíduos e para a economia como um todo. Os recursos naturais, o trabalho e o capital – os fatores tradicionais de produção da economia – não desaparecem, mas se tornam secundários. (Peter Drucker).
  8. O objetivo da indústria não é apenas o lucro: o empresário deve sempre se propor a produzir bens e serviços úteis… a negação desta ideia é a especulação. (Henry Ford).
  9. Não há vento favorável para quem não sabe aonde vai. (Sêneca).
  10. Não é o empregador que paga os salários: é o cliente. (Henry Ford).
  11. Sabedoria é a qualidade de ver as consequências de longo prazo das ações presentes, a disposição para sacrificar ganhos de curto prazo a fim de obter vantagens maiores no longo prazo, a capacidade de controlar o que é controlável e de não se preocupar com aquilo que não o é. Portanto, a essência da sabedoria é a preocupação com o futuro. (Russel Ackoff).
  12. Aquele que não prevê os acontecimentos no longo prazo se expõe a infelicidades próximas. (Confúcio).
  13. Só o trabalho produtivo gera riqueza.
  14. Pela habilidade para lidar com pessoas pagarei mais do que por qualquer outra habilidade que se possa imaginar. (John D. Rockefeller).
  15. O forte rei faz forte a fraca gente. (Luiz Vaz de Camões).
  16. Não há nada mais difícil de executar, mais perigoso de conduzir e mais incerto no seu êxito do que introduzir uma nova ordem, porque esta transformação terá forte resistência dos que se beneficiavam das leis antigas e as leis novas não encontrarão, com igual ânimo e por timidez, defensores entre os que estas vierem a favorecer. (Macchiavelli em Il Principe).
  17. O livre comércio de mercadorias é inquestionavelmente benigno, pois favorece a especialização competitiva segundo vantagens comparativas, incentivando a eficiência do produtor e a satisfação do consumidor. (Roberto Campos em Na Virada do milênio).
  18. As leis econômicas são tão corretas quanto as leis físicas. Não se pode ir contra elas impunemente. (Say).
  19. Não se devem fazer leis sobre o que pode ser mudado pelos costumes. (Montesquieu).
  20. Uma revolução faz em dois dias a obra de cem anos e perde em dois anos a obra de cinco séculos. (Paul Valéry).
  21. Uma experiência vale mais que mil teorias (André Gide).
  22. As leis inúteis enfraquecem as necessárias (Montesquieu).
  23. Não se deve deixar os intelectuais brincarem com fósforos (J. Prévert).
  24. Está bem pago aquele que está satisfeito com o que recebeu (Shakespeare).
  25. O homem superior é aquele que executa aquilo que fala e fala de acordo com o que faz (Confúcio).
  26. A melhor maneira de impor uma ideia aos outros é fazer-lhes crer que a ideia veio deles (Alphonse Daudet).
  27. São as ideias que conduzem o mundo (E. Renan).
  28. O grande segredo da ética consiste justamente em que o meio é mais importante que o fim. (Berdiaev).
  29. As próprias leis da justiça possuem alguma mistura de injustiça. (Montesquieu).

* PROFESSOR DE ADMINISTRAÇÃO

Francisco Lacombe

Francisco Lacombe

Professor de Administração, lecionou na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Escola Politécnica e Escola Graduada de Ciências e Engenharia da PUC-RJ; FGV; Universidade Santa Úrsula; Instituto de Tecnologia da Informação e da Comunicação em cursos de graduação e de pós-graduação. Foi executivo e consultor. Associado ao Instituto Liberal.