Hitler, Mao, Fidel, Stalin, Pol Pot, Arafat, Pinochet, Videla, Franco, Chavéz e Maduro foram assassinos em busca da igualdade impossível

A todos os esquerdistas, de FHC a Aécio, de Lula a Haddad, de Dilma a Manuela, coletivistas estatistas que sonham em transformar o mundo, que se acham engenheiros sociais, que se veem como pais de todos, fura bolo e mata piolho, aprendam a seguinte lição de lógica, sociologia e filosofia:

Errado: Fidel era um assassino, mas sonhava com um mundo mais igualitário.

Certo: Fidel era um assassino porque sonhava com um mundo mais igualitário.

Somos desiguais porque a natureza nos fez desiguais. Não existe igualdade possível entre dois seres humanos. Quando nascemos já somos diferentes, parecemos diferentes, pensamos diferente, conquistamos resultados diferentes. Nossas diferenças acabam quando morremos e é por isso que todos aqueles que querem transformar o mundo num lugar de seres iguais são todos assassinos. Assassinos de oportunidades, assassinos de potenciais, assassinos da liberdade, assassinos de pessoas.

Leia também:  A Copa e o salário dos jogadores: como identificar o "desinformado", o "bonzinho" e o "ressentido"

Fidel não pode entrar para a galeria dos sonhadores, pois sonhadores sonham e fazem sonhar. Fidel era um produtor de pesadelos; ele deve entrar para a galeria dos assassinos, tiranos, genocidas. Seu lugar deve ser ao lado de Hitler, Mao, Stalin, Pol Pot, Arafat, Pinochet, Videla, Franco, Chavéz, Maduro, todos assassinos sonhadores de uma igualdade impossível.

Parem de sonhar com a igualdade de oportunidades, de resultados. Sonhem com a igualdade política, a igualdade perante as leis, o fim dos privilégios que Fidel tinha e os políticos brasileiros têm como ninguém. Sonhem com a liberdade, respeitem as diferenças e as desigualdades. Respeitem o indivíduo.

Leia também:  Impressões sobre o liberalismo no nordeste contemporâneo

Uma sociedade justa não é aquela que é livre das diferenças, onde todos são obrigados a serem tratados e a se comportarem como se fossem iguais. Uma sociedade justa é aquela que é livre para sermos o que somos: seres únicos, respeitados por sermos diferentes e reconhecidos como indivíduos desiguais.

Cá entre nós: esse pessoal não sonha com igualdade, sonha com o próprio enriquecimento através do exercício do poder absoluto. A igualdade é um mero pretexto e a igualdade na miséria é a inevitável consequência.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  José Guilherme Merquior contra Michel Foucault e o “Niilismo de Cátedra”