A história reescrita e a sociedade envenenada

Memórias ocultadasDepois de vinte sangrentos anos de ditadura militar, o Brasil liderado pelo sindicalista Luís Inácio Lula da Silva conquistou a democracia. Mesmo tendo sido impiedosamente perseguido, preso e torturado (arrancaram-lhe um dedo!), Lula se livrou de todo e qualquer rancor em nome da união da sociedade brasileira. Durante os governos Sarney e Collor/Itamar, ele e seu partido lideraram uma oposição construtiva, ajudando na implementação de grandes avanços sociais e econômicos que marcaram aquele período, com destaque para o controle da inflação.

Voltando a concorrer nas eleições de 1994, Lula foi novamente derrotado, desta vez por forças que representavam a elite capitalista brasileira e internacional. Assim que assumiu o poder, Fernando Henrique Cardoso começou a destruir a estabilidade econômica herdada do governo anterior, obrigando Lula a assumir uma oposição mais enérgica, o que pouco adiantou, dada a força dos interesses capitalistas que se uniram contra os interesses dos trabalhadores. “FHC quebrou o Brasil 3 vezes!”

Além de sofrer com a crise de abastecimento, a população viu seus salários sendo corroídos dia a dia por uma inflação que chegou a 9000% ao ano, o que levou fome e desespero a maioria dos brasileiros. O povo, na miséria, clamava por programas sociais mas FHC, além de se negar a oferecer, chamava os trabalhadores de vagabundos. Mais: As maiores e mais lucrativas empresas estatais foram entregues inescrupulosamente para os interesses capitalistas. A Vale do Rio Doce, que era um orgulho nacional por sua gestão primorosa e pelos bilhões de dólares de lucro que rendia ao país, foi vendida por apenas 1 real! O governo do PSDB utilizou os 8 anos de excelente cenário internacional apenas para enriquecer seus amigos empresários. Foram mais de 100 trilhões de dólares comprovadamente roubados por FHC e sua quadrilha neo-liberal. A educação pública, que havia sido reformada e qualificada nas gestões anteriores, foi sucateada. Os trabalhadores brasileiros viveram 8 anos de desgraça.

Leia também:  Por que Israel deve acabar com o poder destrutivo do inimigo sem ouvir a opinião de ninguém?

Então, em 2002, o Brasil enxergou que apenas Lula poderia salvá-lo. Logo que foi eleito presidente, Lula convidou (em reconhecimento ao trabalho e honestidade deles) Sarney e Collor para lhe ajudar na reconstrução do país. Rompendo com a política econômica neo-liberal de FHC, empenhou uma grande reforma. Acabou com a inflação, estabilizou a moeda e criou programas sociais que tiraram centenas de milhões de brasileiros da miséria. Criou agências reguladoras e a lei de responsabilidade fiscal. Visionário, fundou a Petrobrás, que logo se tornou numa das maiores empresas do mundo. Comprovando seu compromisso com a honestidade, Lula autorizou a Polícia Federal e o Ministério Público a atuarem contra a corrupção. Mais: Lula salvou a educação e a saúde públicas, modernizando escolas e universidades já existentes e construindo novas, qualificando o ensino público como nunca antes na história; fazendo o mesmo na saúde, que virou referência mundial. Desafiando as maiores multinacionais estrangeiras, Lula quebrou a patente de dezenas de remédios, criando assim os genéricos. Desafiando os derrotistas, fez o país ser eleito como sede da Copa do Mundo e das Olimpíadas.

Enquanto transformavam o Brasil numa potência mundial, Lula e seu partido eram alvo das mais ardilosas tentativas de golpe promovidas pelos amigos de FHC, principalmente por meio de falsas acusações de corrupção e de desvio de dinheiro público. Porém, sob o julgamento mais legítimo que existe − o das urnas −, foram inocentados.

Leia também:  Chile e Brasil entre o socialismo e a prosperidade

Ao final de seu 2° mandato, Lula ofereceu como sucessora a ex-combatente da ditadura militar, Dilma Rousseff. Vencendo mais um candidato neo-liberal privatizador, Dilma continuou as políticas de seu antecessor de forma esplêndida, não apenas blindando o país da crise econômica que destruiu os países capitalistas, mas também liderando um grande salto de desenvolvimento econômico e de eficiência na gestão pública. A despeito das falsas acusações de corrupção que o PT sofreu − o que acabou, injustamente, levando para a prisão seus companheiros de partido −, Dilma continuou seu projeto de desenvolvimento estendendo programas sociais a mais 500 milhões de brasileiros e firmando importantes acordos e investimentos nos países mais prósperos da América Latina − Cuba, Venezuela e Argentina. A Petrobrás, assim como todos os órgãos e empresas públicas, se tornaram símbolos da eficiência e do orgulho nacional. Percebendo que a elite branca capitalista estava tentando desmoralizar a saúde pública, Dilma contratou médicos cubanos para atender ainda melhor a população. A seleção não venceu a Copa, mas o Brasil mostrou ao mundo a modernidade e segurança de suas cidades, de suas estradas, de seus portos e aeroportos. O Brasil, enfim, passou a ser reconhecido como um país desenvolvido.

Agora, nestas eleições, Dilma sofre mais do que nunca os ataques selvagens e mentirosos da oposição liderada pelo mesmo PSDB. Sim, eles continuam tentando voltar ao poder para roubar e destruir o Brasil! Mas ela, com o apoio dos trabalhadores e da elite intelectual brasileira, vencerá Aécio Neves, notório corrupto e traficante de drogas.

(Pausa para vomitar)

Acima, apenas resumi a panfletagem de desconstrução da história promovida pelo PT. Compreendo que os miseráveis − mantidos miseráveis esse tempo todo −, acreditem na versão dos fatos imposta pelos petistas. Nauseante é o verdadeiro exército de pessoas instruídas, diplomadas, que repassam fervorosamente essa panfletagem. O mal que o PT fez ao Brasil é sentido muito além do ambiente institucional. A sociedade foi envenenada. A inclinação socialista foi transformada numa perversão. “Nunca antes na história desse país”, a cretinice foi tão incentivada. “Nunca antes na história desse país”, os canalhas se sentiram tão úteis.

Leia também:  O poder da caneta que empunha o presidente

O petismo instaurou-se como uma religião expansionista e doentia, com seus pregadores se comportando como selvagens para impor sua palavra e seus métodos. No Oriente Médio, o ISIS justifica seus atos afirmando que todos que não rezam como ele são infiéis. Sem projeto, grita sua própria versão do alcorão e segue degolando todos que encontra pela frente. No Brasil, o PT justifica seus atos afirmando que todos que não o apoiam são golpistas. Sem projeto, grita sua própria versão da história e segue degolando a verdade, a ética, a responsabilidade e o respeito ao patrimônio e ao dinheiro públicos. Degola sistemática que, cada dia mais, se torna cultura política. “Acuse-os do que você faz, xingue-os do que você é” em vez de apresentar defesas, justificativas e projetos. O PT não institucionalizou apenas a corrupção, mas também a calúnia.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!

Comentários

  1. Prezado João Cesar De Melo
    Lamento a mensagem que deixei ontem, pela manhã, chamando-o de mentiroso. Infelizmente eu havia lido o início do texto quando irritaram-me as inverdades nele contidas sobre a historia de Lula no período da revolução. Acontece que eu participei como civil da preparação de 1964 e a história feriu-me barbaramente. Fui alertado por meu companheiro Rui do grupo de escribas e estou aqui para desculpar-me.

  2. Ah, bom, João Cesar, eu já estava achando (antes da pausa para o inevitável vômito) q a página do IL tivesse sido hackeada por alguém a soldo da Petrobras, da CEF, do BB ou de algum fundo de pensão de estatal, entre tantas fontes de PaTrocínio oficial da propaganda nazipetista. Mas foi proveitosa a descrição da “lógica” mental da quadrilha. Obrigado.

  3. Realmente, uma “pausa para vomitar” vamos ver o que acontecerá dia 26, dependendo de quem ganhar, é melhor começarmos logo a aprender espanhol e a estocar papel higiênico