Entre atuar no livre mercado ou cortejar o governante

A defesa do livre mercado deve fazer parte dos princípios de qualquer instituição associativa empresarial. Não adianta aprimorar técnicas de desenvolvimento gerencial ou instigar o espírito empreendedor entre os jovens quando o governo intervém de tal forma que o ambiente de negócios se torna hostil ao empresário que não se deixa corromper por políticos ou burocratas.

No livre mercado, o empresário tem que necessariamente satisfazer os consumidores e gerir com racionalidade seu negócio se quiser se manter e prosperar; no mercado onde o governo determina os vencedores, isso às vezes não é suficiente ou não é necessário, pois a manutenção dos negócios ou a prosperidade dos empresários depende de cortejarem o governante.

É importantíssimo que os empreendedores tenham a consciência de que no livre mercado, basta-lhes saberem vender bem seus produtos e serviços. No mercado tutelado pelo governo, vender produtos e serviços pode não ser suficiente, às vezes, é preciso vender a alma.

Leia também:  “Da Monarquia à Oligarquia”: elite, povo e instituições no Brasil

Infelizmente, o ambiente de negócios no Brasil é tão hostil para empresários honestos e íntegros, que em vez de venderem a sua alma, preferem simplesmente abandonar a própria existência.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!