fbpx

Os governos devem responder à inflação introduzindo controles de preços?

Em todo o mundo, os preços estão subindo. A inflação está de volta, assim como os pedidos de controle de preços do governo. Temendo protestos contra o aumento dos preços da energia, o governo francês estabeleceu preços máximos para gás e eletricidade. A Turquia foi particularmente atingida pela inflação. Uma razão é que até mesmo a aparência de independência do banco central da Turquia foi eliminada – o presidente Erdogan determina quão altas as taxas de juros (e as taxas de juros nada mais são do que o preço do dinheiro) podem ser. Com a inflação fora de controle, o Estado está tentando combatê-la com controles de preços – e apenas piorando a situação.

Na Alemanha, o novo governo declarou que os preços da energia devem subir para proteger o meio ambiente. No entanto, assim que eles realmente aumentam, há pedidos para que o governo dê dinheiro aos socialmente desfavorecidos para aliviar o fardo financeiro dos preços mais altos. Os aluguéis na Alemanha foram limitados porque estavam subindo (Mietpreisbremse – freio de preço de aluguel). Os níveis salariais se tornaram uma questão eleitoral e Olaf Scholz ganhou a chancelaria com a promessa de aumentar o salário mínimo para €12,00. Preços da energia, salários, aluguéis – todos estão sendo cada vez mais determinados por políticos, não pelo mercado.

A intervenção do governo se torna mais forte à medida que a inflação aumenta mais, como demonstrado pelo caso extremo da Venezuela, que vinha sofrendo de hiperinflação há anos. De fato, a inflação na Venezuela era maior do que em qualquer outro lugar do mundo e era tão extrema que realmente se tornou imensurável. Como muitos produtos tinham que ser vendidos a preços extremamente baixos – conforme determinado pelo governo –, as pessoas acumulavam mercadorias de todos os tipos e muitas vezes ficavam horas na fila em frente às lojas para poder comprar qualquer coisa, e depois vendiam a preços muito mais altos no mercado negro. Um exemplo foi o papel higiênico, que era muito raro nas lojas. A razão pela qual era tão difícil de obter foi que as empresas que o produziram foram forçadas a vendê-lo a preço baixo definido pelo Estado, enquanto os custos de produção continuaram a subir à medida que a inflação subia. O papel higiênico esgotava rapidamente nos lugares em que estivesse disponível a preços mantidos baixos pelo governo. Muitas pessoas desistiram de seus empregos porque os salários não conseguiram acompanhar o rápido aumento dos preços e ganharam muito mais como comerciantes do mercado negro, por exemplo, vendendo papel higiênico barato comprado a preços baixos do governo a um lucro enorme no considerável mercado negro.

A Venezuela fornece um exemplo perfeito do que acontece quando um governo começa a definir preços e é a própria personificação do termo “espiral do intervencionismo”, que foi criado pelo economista Ludwig von Mises.

O livro de Mises chamado Socialism: An Economic and Sociological Analysis foi publicado pela primeira vez em alemão há exatamente 100 anos. No livro, e apenas cinco anos depois que os comunistas tomaram o poder na Rússia, Mises provou por que o socialismo nunca irá dar certo. Sua tese: as sociedades socialistas não têm mercados e, portanto, nem preços. Sem preços, a contabilidade econômica não é possível e decisões eficientes sobre o uso de recursos escassos se tornam cada vez mais difíceis de tomar. De acordo com Mises, os preços são indicadores de escassez – sem a formação gratuita de preços, é impossível medir o custo de qualquer coisa.

Mises foi confirmado pela evolução real nos países socialistas. Veja a política habitacional, por exemplo. Os aluguéis na Alemanha Oriental eram tão baixos – o material dos sonhos dos inquilinos modernos – porque o Estado simplesmente proibiu os aumentos de aluguel.

Entretanto, o preço que os inquilinos tiveram que pagar era alto e, na realidade, o sonho era um pesadelo – como confirma uma comparação direta da Alemanha Oriental e Ocidental: 99% dos apartamentos na Alemanha Ocidental tinham banheiro com banheira ou chuveiro, em comparação com apenas 80% na RDA. Enquanto 98% dos apartamentos na Alemanha Ocidental tinham seu próprio banheiro, apenas 73% na RDA tinham. Além disso, o estoque de edifícios da Alemanha Oriental estava decaindo cada vez mais e 40% dos prédios foram considerados severamente danificados e 11% estavam completamente inabitáveis. Tudo isso foi o resultado de aluguéis sendo estabelecidos pelo Estado.

Então, o que podemos aprender com a história? Que controles de preços não são a solução para nenhum problema, eles na verdade pioram muito os problemas. Quando os governos começam a definir preços, isso é socialismo – e o socialismo invariavelmente falhou nos últimos 100 anos. Ludwig von Mises estava certo com sua previsão.

Rainer Zitelmann

Rainer Zitelmann

É doutor em História e Sociologia. Ele é autor de 26 livros, lecionou na Universidade Livre de Berlim e foi chefe de seção de um grande jornal da Alemanha.