fbpx

É imoral aumentar os preços em meio a uma pandemia?

Como sempre acontece em situações do gênero – pandemias, tempestades, terremotos, furacões, e por aí vai –, estamos passando por uma polêmica e desagradável subida de preços, especialmente em itens como o álcool em gel. Como sempre acontece, a população se volta contra os donos de estabelecimentos como supermercados e, nesse caso também, farmácias, apontando um suposto oportunismo ganancioso que os faria explorar a tragédia para ganho próprio. Como sempre, há aqueles, normalmente liberais, que vão tentar fazer a árdua tarefa de apresentar um contraponto, com argumentos que não têm absolutamente nada de novos, e que por isso mesmo já deveriam estar melhor internalizados na população. Sob o risco de soar repetitivo e de escrever o mesmo texto que muitos outros, mas também convicto de que nesse caso é preciso bater na mesma tecla, vou também me devotar a esta tarefa.

“Oferta e demanda” é um conceito básico, que na maior parte das vezes as pessoas conseguem compreender sem maiores contratempos. Porém, em certas situações, especialmente nas que envolvem pânico, a compreensão é ofuscada pela ira e pelo, compreensível, descontentamento de quem precisa pagar muito mais caro por um produto necessário. Nessas situações duas queixas são as mais comuns: falta de produtos e alta de preços. Sendo estas as duas principais queixas, já fica sinalizada a contradição do raciocínio.

Utilizarei o álcool em gel como exemplo, pois no momento penso que esse é o objeto de maior polêmica, mas a lógica se aplica a outros produtos básicos como alimentos e itens de higiene pessoal. Quantas pessoas realmente carregam e utilizam o produto diariamente numa situação de “normalidade”? Sim, há quem, e sou um exemplo, gosta de sempre ter um frasco de álcool em gel por perto, mas a maioria das pessoas não tem esse hábito. Podemos encontrar o produto em empresas à disposição dos funcionários e clientes, mas ainda assim é algo em menor escala. Tendo isso em mente, consideremos que, de uma hora para outra, todo mundo resolveu comprar álcool em gel. Sim, o coronavírus já vem alarmando o mundo faz algum tempo, mas a situação só causou realmente uma comoção nacional de uma semana para cá. As farmácias e mercados tinham até então o estoque baseado na demanda anterior, só que agora a demanda aumentou violentamente. Temos, portanto, um aumento violento da demanda e uma oferta, que a princípio, não é capaz de acompanhar essa demanda. A consequência é inevitável: aumento de preços.

Isso é fácil de entender em termos econômicos, mas as pessoas costumam fazer uma análise moral dessa lógica de mercado, e aí está o erro. Se tomarmos como uma máxima que é imoral aumentar os preços em meio a uma pandemia e assim os donos de farmácia e mercados procedessem, a consequência inevitável é que a escassez seria também violentamente maior.

Precisamos entender os preços como sinais. Os preços não aumentam porque todos os capitalistas são abutres sem coração e sim porque isso é uma resposta inevitável ao aumento da demanda, sendo que sem essa resposta os produtos acabariam mais rápido e menos pessoas teriam a chance de usufruir deles. Para usar um exemplo grosseiro, alguém que teria disposição de comprar quatro frascos de álcool em gel a 15 reais vai ter uma disposição de comprar apenas dois, por exemplo, se o preço subir para 30 reais, e uma disposição ainda menor se for 60 reais.

O que precisa acontecer para que os preços possam se estabilizar é um aumento da oferta, só que essa resposta não costuma ser imediata, pois as empresas produtoras precisam de tempo para se adaptar. A Companhia Nacional do Álcool (CNA), maior produtora brasileira de álcool em gel, já anunciou que a produção mensal vai saltar de 120 mil frascos de 400 gramas por mês para 6 milhões, tendo, para atingir essa meta, aumentado a força de trabalho em 50% e produzindo de forma ininterrupta. Ou seja, já sinalizaram o aumento da demanda e se mobilizaram para atendê-la.

Muitas pessoas concordam com a análise inicial – que uma elevação dos preços é inevitável -, mas ainda assim se revoltam diante de preços que consideram “abusivos”. Sim, em muitas localidades você vai descobrir que um frasco de álcool em gel que antes valia R$15 pode estar valendo R$80, mas será que isso se explica só pela ganância? Fora a etiqueta de preço, que outras informações temos para fazer a análise em termos de “justiça”? Conhecemos a elasticidade da demanda do produto (anterior e atual)? Conhecemos a situação de estoque das empresas? Sabemos se o preço de fábrica também não está mais elevado? Sabemos em quantos por cento a demanda para aquele produto aumentou? Muitos podem dizer que não há explicação para o preço ter aumentado 100, 200, 300%, mas ignoram que a demanda certamente aumentou ainda mais do que isso.

Isso significa dizer que todos os empresários são anjos imaculados e que ninguém está realmente tentando explorar os clientes? Certamente existem empresários imorais, pois ser empresário não é qualificativo moral, assim como ser trabalhador assalariado também não é, mas há um teste relativamente simples para se obter uma resposta e saber se alguém realmente está sendo “explorador”. Usarei novamente um exemplo grosseiro. Digamos que você tenha quatro farmácias no seu bairro ou vizinhanças. Digamos que o preço do álcool em gel aumentou em todas, porém em três dessas farmácias eles estejam no mesmo patamar, digamos, variando entre 25 e 30 reais, mas que na quarta farmácia o preço esteja muito fora de curva, sendo vendido por 75 reais. Você rapidamente consideraria que essa quarta farmácia está praticando um preço abusivo. Ocorre que, sabendo do preço nas outras farmácias, você compraria no concorrente. Sim, nem todo mundo vai querer sair pesquisando preço nas demais farmácias e alguns podem pagar esse preço, mas muitos clientes seriam perdidos para o concorrente, além do risco de essa farmácia ter a reputação manchada.

Utilizando o mesmo exemplo, agora imaginemos que nas quatro farmácias o preço esteja basicamente o mesmo, porém mais caro, em torno de 50 reais. Trata-se de um preço “abusivo”? Você pode olhar para a etiqueta e dizer que sim, porém o preço é mais ou menos o mesmo para todas. Para que os donos dessas farmácias estejam sendo “exploradores”, eles necessariamente teriam que ter feito um conluio entre si, ou seja, formado um cartel, pois de outro modo teriam chegado a valores muito mais distantes. Formação de cartel é crime e é pouco provável que esse seja o caso – e, mesmo que fosse, um cartel nessas circunstâncias não duraria muito, pois alguém sempre iria “furar” e cobrar mais barato visando a abocanhar uma fatia maior do mercado. Muito mais improvável de esse ser o caso se considerarmos que o setor de varejo farmacêutico é extremamente competitivo; a Raia Drogasil S.A, uma das maiores varejistas do setor, tem uma margem de lucro líquida em torno 3% ao ano, só para ilustrar.

Diante disso, a alternativa, sugerida por alguns, de congelamento de preços, ou a aplicação de multas e fechamento de estabelecimentos, como tem feito o Procon, é algo extremamente danoso, pois obstrui um mecanismo necessário de sinalização (preço) e provoca escassez, como a história já provou em diversas oportunidades. Uma alternativa aqui, um pouco mais comedida, talvez fosse limitar a quantidade de produtos por pessoa, porém, mantendo os preços flutuando livremente. De fato, uma das razões pelas quais os preços estão subindo tanto e está havendo tanta escassez é porque muitas pessoas estão estocando álcool em gel e demais produtos. Aqui é preciso ser realista: é natural que as pessoas comprem a mais do que comprariam em uma situação de normalidade, pois temem que não poderão encontrar o produto amanhã, ou que este estará a preços muito mais elevados. Mas há aqueles que compram quantidades exorbitantes e desnecessárias, desabastecendo as prateleiras para os demais e elevando os preços. Muitas campanhas de conscientização têm sido feitas nas redes nesse sentido, mas embora possam ser positivas, não são capazes de sanar por completo o problema, afinal, pânico é pânico. É por isso que medidas como tabelamento e congelamento de preços encontram tanto apelo em momentos assim, mas, como vimos, além de não resolver, isso só piora a situação. Limitar a quantidade por cliente e manter os preços livres, embora polêmico, seria muito mais sensato.

Claro que só essa medida não impediria a elevação de preços, mas poderia ajudar a mantê-los mais estáveis até que a produção possa se ajustar a essa demanda repentina. Se adotada, em caráter emergencial, deveria ser feita de forma sensata, permitindo quantidades razoáveis por pessoas/famílias, visando a tão somente coibir exageros evidentes, Multar e fechar farmácias e mercados é um contrassenso em um momento em que precisamos mais do que nunca desses estabelecimentos, além de reduzir a oferta de produtos, contribuindo para a elevação dos preços, o que se buscava combater em primeiro lugar.

Gabriel Wilhelms

Gabriel Wilhelms

É licenciado em Música e graduando em Ciências Econômicas, atua como colunista e articulista político.