fbpx

Capitalismo é a solução, não o problema, quando avaliamos as mudanças climáticas

Um dos argumentos mais frequentemente levantados contra o capitalismo é o de que ele é o principal motor da poluição ambiental e da mudança climática. Porém, se compararmos a classificação da Universidade de Yale dos países com o melhor desempenho ambiental com o Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation, uma correlação muito diferente surge.

Há mais de 20 anos, a Universidade de Yale publica o Índice de Desempenho Ambiental (EPI) e classifica os países de acordo com sua saúde ambiental e vitalidade do ecossistema. O EPI usa 32 indicadores de desempenho em onze categorias de problemas:

• Qualidade do Ar
• Saneamento e Água Potável
• Metais Pesados
• Gestão de Resíduos
• Biodiversidade & Habitat
• Serviços de Ecossistemas
• Pesca
• Mudança Climática
• Emissões de Poluentes
• Recursos Hídricos
• Agricultura

De acordo com as análises da Universidade de Yale, Dinamarca, Luxemburgo, Suíça, Reino Unido e França são os países com melhor classificação, seguidos por Áustria, Finlândia, Suécia, Noruega e Alemanha.

O relatório afirma: “Uma das lições consistentes do EPI é que alcançar a sustentabilidade requer prosperidade econômica suficiente para financiar a saúde pública e a infraestrutura ambiental.” Os pesquisadores descobriram que há uma clara correlação positiva entre o desempenho ambiental e a riqueza do país, medida pelo produto interno bruto (PIB) per capita.

Uma comparação interessante pode ser feita entre o EPI e o Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation, que mede a liberdade econômica em todo o mundo desde 1995. O índice, que também é conhecido como índice do capitalismo pelo sociólogo Erich Weede, foi publicado mais recentemente na primavera de 2021 e analisa o nível de liberdade econômica em 178 países. O índice da Heritage Foundation aplica doze critérios, todos os quais são ponderados igualmente:

1. Direitos Patrimoniais
2. Eficácia Judicial
3. Integridade do Governo
4. Carga Tributária
5. Gastos do Governo
6. Saúde Fiscal
7. Liberdade Empresarial
8. Liberdade de Trabalho
9. Liberdade Monetária
10. Liberdade Comercial
11. Liberdade de Investimento
12. Liberdade Financeira

Os dez países do mundo mais livres economicamente no índice de 2021 são:

1. Singapura
2. Nova Zelândia
3. Austrália
4. Suíça
5. Irlanda
6. Taiwan
7. Reino Unido
8. Estônia
9. Canadá
10. Dinamarca

Os países com os níveis mais baixos de liberdade econômica foram Coréia do Norte, Venezuela, Cuba, Sudão e Zimbábue. Os 178 países estão todos agrupados em cinco categorias: Livre, Quase Livre, Moderadamente Livre, Quase sem Liberdade e Reprimido.

Os pesquisadores da Heritage Foundation compararam os dois índices – Índice de Desempenho Ambiental da Universidade de Yale e seu próprio Índice de Liberdade Econômica – para o ano de 2020 e descobriram que os países com os níveis mais altos de liberdade econômica também tiveram as pontuações mais altas do EPI, com média de 76,1, enquanto a média dos países “Quase Livres” foi de 70,2.

Existe então uma grande lacuna para os países “Moderadamente Livres”, que foram avaliados muito abaixo (59,6 pontos) por seu desempenho ambiental. Os países “Quase sem Liberdade” e “Reprimido” registaram de longe o pior desempenho ambiental (46,7 e 50,3 pontos no EPI, respetivamente).

Para suavizar os desenvolvimentos dinâmicos no Índice de Liberdade Econômica, faz sentido considerar a pontuação média de cada país ao longo dos 15 anos de 2006 a 2020. Isso compensa o tipo de efeitos não recorrentes que podem resultar de medidas de política de curto prazo. Essas médias podem então ser comparadas com as pontuações do Índice de Desempenho Ambiental de 2020. Os dados revelam uma clara correlação positiva (o coeficiente de correlação é de 67%). Uma análise de regressão também confirma que para cada aumento de um ponto no Índice de Liberdade Econômica, há um aumento de 1,06 ponto no Índice de Desempenho Ambiental.

Esse coeficiente tão alto, combinado com a correlação muito forte entre os índices, sugere uma clara relação estatística. Essa correlação pode ser explicada pela causalidade entre o aumento do capitalismo e o maior progresso tecnológico e prosperidade.

O economista Daniel Fernández Méndez abordou a eventual objeção de que os países com maior liberdade econômica “estão ‘exportando’ suas indústrias poluidoras para o terceiro mundo menos livre, enquanto mantêm indústrias não poluentes em seu país.” No entanto, esse claramente não é o caso.

Sua análise dos investimentos feitos por países com altos padrões ambientais revela que apenas 0,1 por cento de seus investimentos estrangeiros vão para países com baixos padrões ambientais. As conclusões desses cálculos são claras: “Com os dados analisados, podemos ver que o capitalismo convém ao meio ambiente. Quanto maior a liberdade econômica, melhores são os índices de qualidade ambiental. Os países ‘mais limpos’ não exportam sua poluição por meio da realocação de empresas.” Claramente, o meio ambiente não é diferente de tantas outras áreas da vida: o capitalismo não é o problema, é a solução.

Rainer Zitelmann

Rainer Zitelmann

É doutor em História e Sociologia. Ele é autor de 26 livros, lecionou na Universidade Livre de Berlim e foi chefe de seção de um grande jornal da Alemanha.