fbpx

Argentinos desesperados depositam suas esperanças em mais capitalismo

A crise na Argentina está chegando ao seu auge. Este ano, espera-se que a taxa de inflação atinja 70 a 80%. Cada vez mais argentinos estão depositando suas esperanças em mais economia de mercado para resolver os problemas do país.

Visitei Buenos Aires e outras cidades argentinas de 21 de maio a 1° de junho deste ano, conversando com economistas, políticos, representantes de think tanks, jornalistas e jovens. A situação no país é drástica. Nenhum outro país do mundo sofreu um declínio tão acentuado nos últimos 100 anos como a Argentina. No início do século XX, o PIB per capita da Argentina estava entre os mais altos do mundo. A expressão “riche comme un argentin” — rico como um argentino — era uma expressão comumente ouvida na época.

Uma comparação dos dados econômicos de 2018 e 1913 mostra que o PIB real per capita dificilmente aumentou. Na verdade, a Argentina tem os piores números de todos os países para os quais os dados estão disponíveis para ambos os anos. A inflação é particularmente alarmante.

Crescente Inflação – e o “Dólar Azul [Blue Dollar]

Eu vejo o que a inflação realmente significa quando pago a conta do hotel. Não quero pagar com meu cartão Visa, porque o pagamento com cartão de crédito é baseado na taxa de câmbio oficial do peso para o dólar ou euro. Você ganha o dobro de pesos por um dólar no mercado livre — o que é ilegal, mas tolerado pelas autoridades. Essa taxa não oficial é conhecida como “dólar azul”, a taxa de câmbio paralela do dólar americano na Argentina, que representa o custo de compra e venda de uma nota de dólar física no mercado negro (ou “azul”). Na realidade, explicam meus anfitriões, é muito mais complicado do que isso, porque existem pelo menos quatro variantes diferentes de dólares.

As autoridades toleram a existência dos chamados “cuevos” (literalmente, cavernas), onde você pode trocar dólares ou euros por moeda local. Na rua, você é frequentemente abordado por pessoas conhecidas como “arbolitos” (espanhol para pequenas árvores), que mostram o caminho para um dos muitos cuevos. Oficialmente, estas são lojas de penhores ou lugares onde você pode comprar e vender joias ou ouro, mas na verdade são casas comerciais clandestinas do Dólar Azul.

Os argentinos usam esses cuevos para trocar pesos na esperança de obter ainda mais pesos por seus dólares algumas semanas ou meses depois. Em um país com uma inflação tão desenfreada, o dinheiro perdeu sua função como reserva de valor e serve apenas como meio de pagamento. No entanto, isso nem sempre é fácil. Você nem sempre pode obter notas de grande valor nos cuevos. Apenas cerca de um quinto dos 250.000 pesos que meu intérprete e eu tivemos que pagar por quatro dias no Sheraton em Buenos Aires estão em milhares. O resto vem em pequenas notas. No hotel, demora mais de duas horas para pagar. Eu pergunto por que eles não usam sua máquina de contagem de notas.

Eu percebo que é porque eles primeiro precisam verificar a autenticidade de cada nota com uma caneta e contar o dinheiro à mão. Uma vez que eles terminam o longo processo de contagem das notas à mão, eles eventualmente passam o dinheiro pelo contador de notas.

Para os argentinos, a inflação não é nada incomum. Eu encontrei Fausto Spotorno, economista-chefe do Centro de Estudos Econômicos da consultoria OJF. Ele apresentou estatísticas impressionantes confirmando que, desde 1945, a Argentina quase sempre teve pelo menos inflação de dois dígitos — com exceção da década de 1990, quando Carlos Menem vinculou a moeda ao dólar americano, que eliminou a inflação por uma década, mas teve um impacto negativo nas exportações, já que os produtos argentinos não eram mais competitivos.

Anarcocapitalista Javier Milei

A inflação também é o tema principal do movimento libertário em torno de Javier Milei. O jovem de 51 anos, que se descreve como um “anarcocapitalista”, que costumava ser o goleiro do clube de futebol Chacarita Juniors, passou a estudar economia e depois se tornou economista-chefe em empresas privadas de consultoria financeira e conselheiro do governo.

Em 2021, Milei foi eleito para representar a cidade de Buenos Aires na Cámara de Diputados de la Nación Argentina depois de ganhar 17% dos votos para o partido La Libertad Avanza. Todos esperam que ele seja um candidato na eleição presidencial de 2023.

Conversei com a ativista libertária e vice-presidente do partido de Milei, Lilia Lemoine. Essa garota extremamente atraente de 41 anos, que eu teria adivinhado que tinha no máximo 30 anos, é uma cosplayer, modelo e atriz e uma grande figura de mídia social com centenas de milhares de seguidores. Seu site apresenta uma foto sexy, usando um top estampado com um punho e as palavras “Libre Mercado” (economia de livre mercado) http://lalibertaria.com/.

Lemoine está cheia de entusiasmo por Milei, que é formalmente o presidente honorário do partido. Ela é famosa em toda a Argentina e, quando vamos comer, o garçom imediatamente pergunta se ele pode tirar uma selfie com ela. Os apoiadores de Milei são em sua maioria jovens, pobres e do sexo masculino, diz ela. Ela explica que a crença de que as pessoas pobres não querem trabalhar e se acostumaram com os benefícios do Estado, que muitas vezes ouvimos aqui, é uma mentira: “Isso só é verdade para muito poucos. A maioria deles gostaria muito de trabalhar, mas o Estado, ao determinar impostos e regulamentos tão altos, não lhes dá uma chance real. Essas pessoas pobres estão desesperadas, especialmente por causa da inflação. Eles depositaram suas esperanças em nosso movimento libertário.”

Isso é o que é especial na Argentina: pessoas pobres desesperadas em outros países são muitas vezes mais a favor do socialismo e de um governo maior — ou então extremistas de direita. Não há muitos outros países onde você encontrará pessoas pobres que querem mais capitalismo.

Milei atraiu muita atenção ao lançar uma “loteria”. Qualquer um que se inscreva nas mídias sociais é inscrito em uma loteria para ganhar o salário mensal de Milei como deputado da Cámara de Diputados. Em maio de 2022, eram 350.000 pesos, ou cerca de US$ 1.800. Considerando que a renda de um argentino médio é de cerca de 60.000 pesos, esta é uma quantia atraente. Somente nos primeiros três meses, diz Lemoine, dois milhões de argentinos participaram da loteria, com a qual Milei quer mostrar: “Eu não entrei na política pelo dinheiro.” Cada participante deve fornecer um endereço de e-mail e número de telefone e, a princípio, acho que essa é uma maneira muito barata de obter os detalhes de contato das pessoas para publicidade da campanha. Lemoine, por sua vez, me garante que os dados serão usados ​​apenas para a loteria. De qualquer forma, é um método de marketing muito eficaz.

Eu encontrei o congressista Ricardo López Murphy. Ele também espera uma reviravolta no livre mercado, mas não é tão radical quanto Milei, que quer abolir o banco central, por exemplo. López Murphy, que também coopera com a Fundação Alemã Naumann, é economista e foi Ministro da Defesa e Economia durante a presidência de Fernando de la Rúa. Desde 2021, ele é o líder do partido Republicanos Unidos, que fundou em 2020 e que faz parte da aliança JTC Juntos por el Cambio (Cambiemos). Ele também é considerado um potencial candidato presidencial. O que ele faria se estivesse no comando da Argentina? Acima de tudo, ele lutaria contra o protecionismo, cortaria a burocracia e as regulamentações (por exemplo, no mercado de trabalho) e reduziria radicalmente os impostos. Atualmente, as empresas com pelo menos 200 funcionários são obrigadas a vender uma certa porcentagem de seus produtos a preços estabelecidos pelo Estado. Um grande problema que ele e outros estão enfrentando: ele explica que, por causa da alta carga tributária, a economia informal, ou seja, o trabalho não declarado, é extremamente importante. Estima-se que mais pessoas estejam trabalhando ilegalmente hoje do que em empregos oficiais, diz López Murphy.

“Precisamos de uma revolução capitalista”

López Murphy é um dos representantes do movimento de livre mercado da Argentina.  Outro é José Luis Espert. Como Milei e López Murphy, Espert também é economista e está convencido de que mais capitalismo é a solução para a Argentina. Ele é deputado na província de Buenos Aires pela coalizão Avanza Libertad desde 2021. “Precisamos de uma revolução capitalista”, ele me diz.  E ele está otimista: “As ideias libertárias estão realmente decolando na Argentina”, diz Espert. Milei, aliás, costumava ser membro do partido de Espert antes de fundar seu próprio partido. O que Espert mudaria na Argentina se pudesse? Em primeiro lugar, ele menciona a questão da “liberdade comercial”, ou seja, a luta contra o protecionismo e a tributação excessiva e por mais desregulamentação. Ele também acha que vários líderes sindicais corruptos deveriam ser presos para desencorajar outros.

Fiquei surpreso quando conheci três jovens mulheres em Buenos Aires. Elas pertencem à LOLA, Ladies for Libertad. Valentina tem 21 anos, fala inglês fluentemente e parece muito autoconfiante. Ela vem da cidade de Mendoza, começou seu próprio negócio de reciclagem aos 13 anos e o oficializou aos 18 anos. Mas os primeiros anos foram muito difíceis: “Todos os dias, ladrões vinham à minha empresa para roubar de mim. Liguei para a polícia, que até colocou os ladrões na cadeia uma vez, mas apenas por algumas horas antes de libertá-los novamente. A polícia não me protege. E o Estado leva quase tudo o que eu ganho com sua tributação extrema.” E ela não gosta da mentalidade de muitos compatriotas que preferem viver do Estado em vez de trabalhar sozinhos: “É tão difícil encontrar funcionários”, ela reclama.

É por isso que ela se tornou libertária. Aos 17 anos, ela se juntou ao Students for Liberty. Aos 19 anos, ela fundou seu próprio grupo libertário. O grupo cresceu rapidamente, atraindo muitos membros que se opunham às medidas do governo sobre o coronavírus: “Tínhamos um toque de recolher de sete meses, você só podia sair de casa por três horas em determinados dias para fazer compras”. Essas medidas levaram cada vez mais membros ao seu grupo.

Eles se encontram em apartamentos e restaurantes e comparam, por exemplo, o Manifesto Comunista de Marx com o Caminho da Servidão de Hayek. É um grupo para mulheres que se descrevem como “feministas liberais”, em distinção às feministas tradicionais que — de acordo com Valentina — são em sua maioria marxistas. O herói delas é Javier Milei.

Adrina tem 27 anos. Ela fugiu da Venezuela porque foi condenada à prisão depois de se juntar aos protestos contra o regime socialista. Ela estudou Direito na Venezuela, mas em Buenos Aires trabalha como programadora de TI. Ela se envolveu em política quando sua irmã e cunhado foram enviados para a prisão depois de protestar contra a ditadura socialista. Seus pais fugiram para o Peru para escapar da catástrofe econômica. Adrina agora mora em Buenos Aires e está envolvida com o LOLA. Eu percebi que, assim como é considerado legal para muitos jovens nos países ocidentais serem de esquerda, é legal aqui ser libertário. Mesmo em Tucumán, uma cidade provincial no norte, onde há pouco para ver além de casas em ruínas e pobreza, dei uma palestra a 70 jovens que frequentam cursos em um think tank libertário. Eles são contra o establishment, contra o Estado excessivo e vivem firmemente na esperança de que mais capitalismo resolva seus problemas.

Rainer Zitelmann

Rainer Zitelmann

É doutor em História e Sociologia. Ele é autor de 26 livros, lecionou na Universidade Livre de Berlim e foi chefe de seção de um grande jornal da Alemanha.