A verdadeira desigualdade social

A ONG britânica Oxfam faz lobby mundial pela causa da desigualdade social, gerando inúmeras notícias chamativas para o tema. Seu último relatório, divulgado na Suíça nesta segunda (18/02), causou manchetes quase apocalípticas como “Riqueza dos 62 maiores bilionários se iguala à de metade da população mundial”. Para um país com gritante desigualdade social como o […]

oxfamA ONG britânica Oxfam faz lobby mundial pela causa da desigualdade social, gerando inúmeras notícias chamativas para o tema.

Seu último relatório, divulgado na Suíça nesta segunda (18/02), causou manchetes quase apocalípticas como “Riqueza dos 62 maiores bilionários se iguala à de metade da população mundial”.

Para um país com gritante desigualdade social como o Brasil, o chamado às armas da distribuição de renda pelo Estado é premente. Também confirma as teses e refastela pensadores como Paul Krugman e Thomas Piketty.

O relatório da Oxfam é considerado fonte segura para as maiores publicações do mundo, da BBC à Catholic Ireland. Seu estudo no Brasil foi notícia em sites tão diversos quanto Folha, Veja, Carta Capital, Zero Hora, O Globo, EBC, Jornal do Brasil, Brasil Post, Carta Maior, iG, Instituto Mises Brasil e o site do PT.

Seu método, contudo, é terceirizado, como recriminam os políticos crentes no papel de igualador social do Estado.

A análise, conforme mostra Fábio Zugman no portal Administradores é baseada em cálculos do banco Credit Suisse sobre a riqueza no mundo.

Para um banco, interessado em emprestar dinheiro para cobrar parceladamente com juros, a única riqueza que importa é o patrimônio líquido – nosso patrimônio, descontadas as dívidas. É essa a riqueza com que um banco trabalha para poder emprestar dinheiro. Usando tais dados a Oxfam considera qualquer pessoa “endividada” como pobre. Assim, um mendigo, que não tem dívidas por não pegar nada emprestado num banco, é considerado mais rico do que um dono de multinacional que acabou de abrir uma bilionária linha de empréstimos para um grande investimento. Esse é o grande problema de não saber interpretar dados, achando que números, por não serem tão volúveis quanto palavras, falam por si, sem contexto. É a primeira forma de ignorância econômica, como lembra Steven Horwitz na FEE.

Fábio Zugman mostra que, “pela pesquisa, com US$ 3.210 na conta, acima das dívidas, você está na metade mais rica do mundo. Com US$ 68.800, você está nos 10%. E com US$ 759.900 você está no 1%”. Felix Salmon, na Reuters, adiciona que “minha sobrinha, que acabou de conseguir 50 centavos, tem mais dinheiro do que a riqueza somada dos 2 bilhões de pessoas mais pobres do mundo”. E Leandro Narloch, ao analisar o caso na Veja destaca: “O estranho critério da Oxfam faz com que existam mais miseráveis nos Estados Unidos (7,5% dos mais “pobres” do mundo) do que no Paquistão e em Bangladesh somados  (7,2%)”.

Mas, a principal desigualdade social fica oculta, até mesmo nos “discutíveis” critérios da Oxfam. Onde estariam os mais pobres do mundo? Um intelectual de esquerda, que costuma culpar o capitalismo pela fome na África, poderia ficar tentado a acusar os países com mais liberdade econômica (ou seja, com mercado mais desregulado, os “capitalistas selvagens” dos “paraísos fiscais”). Comparando sempre os dados coletados com o Índice de Liberdade Econômica da Heritage Foundation que usa dados da ONU, notamos que os países mais capitalistas são, também, os países com um numero maior de pessoas ricas. Ou, o que é realmente chocante para a esquerda, quanto mais intervenção do Estado, maior é o numero de pobres do país.

Foi o que notou Ed Straker no American Thinker: a vasta maioria dos 62 bilionários encontra-se em países capitalistas – América, Europa, Japão (e Arábia Saudita). A maior parte dos 35 bilhões mais pobres se encontra… na África, Índia e países socialistas. Ou seja: a notícia efetivamente chocante deveria ser: 62 capitalistas possuem mais dinheiro do que 3,5 bilhões vivendo sob o socialismo.

Ainda é um vezo comum do imaginário brasileiro considerar que países miseráveis, como as ditaduras da África, são “capitalistas”, mesmo que não possuam empresas, que sejam controlados por guerras tribais que definem ditadores que controlam a economia, a política e a vida privada das pessoas com mão de ferro, mesmo que não possuam mercado aberto, bolsas de valores ou serviços em livre concorrência disputando a preferência da população. Basta digitar “capitalismo” no Google para ver um manancial de charges com gordos de limusines e monóculos roubando o dinheiro dos pobres, além de fotos de crianças famélicas em países que nunca viram o capitalismo.

O que causa tal confusão, além da ideologia propagada pela educação brasileira, centralizada nas apostilas e livros do MEC, é a famosa crença que o mundo é um jogo de soma zero, conceito tão banal aos estudantes do liberalismo, mas quase de todo desconhecido do grande público. Ou seja, o credo de que toda a riqueza do mundo é estanque, e, portanto, se alguém tem alguma coisa, é porque roubou de outrem. A única justiça possível e basicamente a única razão de ser do Estado, então, seria a “distribuição de renda”, ou até “redistribuição”, para que todos tenham sempre a mesma coisa.

É por isto que o público leigo e, mais do que ninguém, a esquerda não compreendem um conceito como “criação de riqueza”. Ora, a riqueza que existe no mundo não precisa ser retirada de alguém. Onde antes havia terra, alguém pode plantar alimento. Onde antes havia areia, empreendedores no Vale do Silício (o segundo componente mais abundante da Terra) transformam em microchips. Onde antes havia páginas vazias, escritores transformam em livros desejados.

A riqueza, portanto, não é “tomada” de alguém. Quando se fala que 1% dos bilionários possui mais do que metade da população, a grande questão é entender por que os pobres não estão produzindo tanto.

É fácil entender a disparidade: algum de nós criou tanto quanto Bill Gates e Steve Jobs? E eles “roubaram” algo do que temos, do que trabalhamos para obter? Ou apenas criaram algo que antes não existia, e nós, por nossos próprios desejos, demos nosso dinheiro a eles muito mais do que demos aos vendedores de pavê de uva passa e ao último CD da Preta Gil?

(Thomas Piketty, no entanto, continua como best-seller e recebendo rios de dinheiro de gente mais pobre do que ele publicando livros sobre desigualdade econômica.)

A riqueza, portanto, não é um jogo de soma zero. O poker, por exemplo, é: todo dinheiro que alguém ganha no poker é tomado de outrem. O mundo não. Por isso, a esquerda e o marxismo falam sobre “exploração”, como se fazer parte do empreendimento de alguém significasse que o dono do empreendimento “rouba” algo do funcionário. Basta pensar em como seria a vida do funcionário se a empresa não existisse: ele seria tão rico quanto o empresário ou não teria nem o que comer?

A verdadeira exploração é, justamente, o uso do poder político para tomar dinheiro do trabalhador e pagador de impostos, que ainda pode unir esforços com ricos e pobres em uma empresa para todos terem mais riqueza. A verdadeira desigualdade está entre os países capitalistas, cuja economia é baseada em criar riquezas, e os países socialistas, como a França em emergência econômica sob Hollande e a Venezuela em emergência econômica sob Maduro, cuja economia é baseada apenas em tomar a riqueza do trabalhador e concentrá-la no Estado para “distribuição”. Transferir dinheiro do povo para governantes é exatamente o objetivo de Winnie Byanima, ao apresentar o estudo da Oxfam, declarando: “Não podemos continuar a permitir que centenas de milhões de pessoas passem fome enquanto os recursos que poderiam ser usados ​​para ajudá-las são sugados por aqueles no topo.” Uma crença marxista e ultrapassada – e como se os Estados africanos não tivessem dinheiro que a população não tem.

Como define Joseph Sobran, é impossível haver igualdade econômica sem uma extrema desigualdade de poder político. Não esperemos pelos relatórios da Oxfam sobre a brutal desigualdade de uma dúzia de Hollandes, Maduros, Lulas, Dilmas, Fidéis e Putins controlando todo o dinheiro do mundo, se suas doutrinas forem aplicadas.

  • Leonardo J. F. Neiva

    Excelente texto. Parabéns.