fbpx

A decadência do jornalismo político mainstream

lixo_papelpor ALEXANDRE MACIEL*

Quem acompanha o noticiário político, mesmo que eventualmente, deve estar notando: como está decadente e desconectada da realidade a maioria das análises sobre todos os tipos de assuntos relacionados à política e economia, principalmente nas mídias tradicionais como TV aberta, jornal impresso, rádio, etc. Com raras e honrosas exceções, o panorama é lamentável, especialmente para o público liberal.

O articulista Rodrigo Constantino, apontou a mesma preocupação em seu artigo O viés de esquerda dos jornalistas e, há poucos dias, o publicitário e colunista, Alexandre Borges, abordou o tema de maneira incisiva. Sobre o novo formato do Jornal Nacional, que busca recuperar a audiência perdida, ele cravou na mosca:

“Enquanto o jornalismo brasileiro não voltar a fazer jornalismo, âncoras vão andar, correr, pedalar, plantar bananeira, mas a população vai continuar buscando informação nas redes sociais e esperando que um dia ela seja lembradas pelo especialistas.”

E não é só nos telejornais tradicionais que coisa anda feia. Ao assistir as ‘Meninas do Jô’, que foi ao ar na madrugada do dia 6 para o dia 7 de maio, a sensação foi de arrepiar. Será que elas e o próprio Jô pensam que somos todos idiotas, débeis mentais e mentecaptos?

Quem quiser assistir análises políticas, nível circo dos horrores, é só assistir as ‘Meninas do Jô’.

Ora, elas foram ao ar no mesmo dia em que ‘viralizou’ nas redes sociais um vídeo do Congresso Nacional com as galerias lotadas, e as pessoas ali presentes entoavam em alto e bom som: ‘Fora PT, fora PT’, fato inédito e raro naquele cenário. E bem no dia anterior, 5 de maio, mais um panelaço histórico, em todos o estados do Brasil, no mesmo instante em que PT exibia sua propaganda delirante e mentirosa em rede nacional.

Dias antes, o Palácio do Planalto recebia um pedido oficial de audiência com a presidente Dilma Rousseff por parte de Lilian Tintori, mulher do líder de oposição na Venezuela, Leopoldo López, preso sob acusação de incitar protestos contra o ditador bolivariano Nicolás Maduro.

E tudo isso, no mesmo período em que os guerreiros do Movimento Brasil Livre, comandados pelo obstinado Kim Kataguiri, caminham a pé, de São Paulo à ilha da fantasia, ops, Brasília, levando consigo reivindicações claras e pertinentes à distante classe política brasileira, instalada nas esferas federais. O intuito é chamar a atenção da mídia mainstream e sacudir o animo do povo acerca da situação caótica em que estamos metidos.

E as ‘Meninas do Jô’? O que disseram sobre esses assuntos? Nada. Nem um pio.

Para elas e para o próprio Jô, o importante era destilar intermináveis bobagens sobre temas cômodos e convenientes da pauta governamental, como a votação das medidas provisórias do ajuste fiscal, o aumento do salário mínimo, a reforma da previdência social, a ‘reforma política’, o já esperado fracasso do Fies e, bem superficialmente, as novidades sobre a operação lava-jato, chegando ao cúmulo de defender a quadrilha mais corrupta de todos os tempos fantasiada de partido, com o esdrúxulo argumento que o partido rival também tem culpa no cartório.

Pelo visto, assim como a maioria dos politicos, as ‘Meninas do Jô’ não entenderam nada sobre as manifestaçães dos dia 15 de março e 12 de abril.

Como insetos em volta da lâmpada, a sensação que tenho é que querem a todo custo defender a política suja que as sustenta, em um ato covarde de auto-defesa e de proteção do ambiente podre que as alimenta.

Lamento informar ‘Meninas do Jô’, e próprio Jô Soares, mas suas ideias não correspondem mais aos fatos. O meio que vocês tanto babam ovo, está cheio de ratos. E não vai demorar para a audiência de vocês cair a zero, pois graças ao controle remoto, podemos assistir, no mesmo horário, o ascendente Danilo Gentili.

E por falar em honrosas exceções de análises econômicas e políticas, bem como jornalismo de qualidade, vale reverenciar o trabalho dos sempre lúcidos:

Alexandre Garcia, Alexandre Schwartsman, Willian Wack, Arnaldo Jabor, Demétrio Magnoli, Rachel Sheherazade, Rita Mundim, Marco Antonio Villa, Luiz Felipe Pondé, Luiz Carlos Prates, Carlos Viana, Guilherme Fiuza, Diogo Mainardi, Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo, Rodrigo Constantino, Felipe Moura Brasil, Geraldo Samor, Marcelo Madureira, Leandro Narloch e todo o time da Veja.

E mais, todos os especialistas do Instituto Millenium, do Instituto Ludwig von Mises, dos Estudantes pela Liberdade, dos portais Spotniks, Reaçonaria, Implicante, e claro, todos os think thaks liberais e todos os institutos liberais pelo Brasil afora, como o Instituto Liberal fundado por Donald Stewart Jr., que há mais de 30 anos vem iluminando a escuridão.

Certamente, há vários outros nomes e instituições a reverenciar, que também merecem integrar nossa lista de leituras diárias e fonte de informação de qualidade, dos quais não citei.

Entretanto, além das redes sociais, Netflix, YouTube, Apple TV, mais de cem canais de TV por assinatura, meios também lembrados pelo Alexandre Borges, apenas um destes jornalistas, colunistas e articulistas citados anteriormente, já basta para não darmos a menor audiência para as ‘Meninas do Jô’ e todo o decadente jornalismo político mainstream: Cristiana Lôbo, Kennedy Alencar, Sakamoto, Pablo Villaça… Faça também a sua lista, caro leitor.

*Alexandre Maciel é publicitário.

Instituto Liberal

Instituto Liberal

O Instituto Liberal é uma instituição sem fins lucrativos voltada para a pesquisa, produção e divulgação de idéias, teorias e conceitos que revelam as vantagens de uma sociedade organizada com base em uma ordem liberal.

2 comentários em “A decadência do jornalismo político mainstream

  • Avatar
    17/05/2015 em 8:51 am
    Permalink

    A matéria é boa mas, não sejamos inocentes, a miopia é bilateral. Assim como existem cegueiras seletivas à direita, também existe à esquerda. Trata-se de uma guerra e, assim sendo, não há inocentes neste meio.
    Temos é que tentar filtrar o que presta, fato este que mesmo entre pessoas com senso crítico mais aguçado, não está nada fácil.
    “A imparcialidade é uma impossibilidade humana”, lembrem-se disto, tanto nas opiniões que desagradam como nas que agradam .

  • Avatar
    15/05/2015 em 4:57 pm
    Permalink

    Excelente matéria. Concordo com todas suas colocações.

    Há muito tempo, uns oito anos, que não dou audiência a quase nada que a Rede Globo (canal aberto) produz, basicamente, o que assisto da Globo são os canais multishow ou bis (assisto a shows mesmo, nada de pancadão e similares), e o arte1, o jornalismo da globo é quase que ridículo (salvo algumas exceções que você mencionou), chega a ser um insulto à inteligência de quem se dá o trabalho de ver, é um verdadeiro desserviço à população.

    Sonho ver essa filosofia do canal aberto da Globo falindo assim como faliu no passado a Tv Tupi, apesar de que, acho que foi outro tipo de ingerência e ou negligência.

    O que eu defendo são a pluralidade e embate de ideias, se a Globo acredita que é bom o que estamos vivendo hoje acho que ela deve si posicionar de forma clara (exemplo, olha nós acreditamos em socialismo Fabiano, seus preceitos são desse jeito, tal, tal, tal, e esta é nossa linha de direção) e não dessa forma enrustida como eles tem feito ao longo desses últimos 30 a 40 anos.

    Acho que deveria haver debates entre varias ideologias, comunismo, social democracia, socialismo Fabiano, liberalismo, conservadorismo, etc…, mas não, eles preferem fazer de conta que não existe nada disso, e deixar a grande massa da população na mais absoluta ignorância, isso pra mim é imperdoável.

    Achei muito bom comentar os necrosados Jô e suas requenguelas e acresceria a estes perniciosos seres, também os senhores Verissimo e Kfouri, tão necrosos quanto os primeiros, seus estados de anencefalia devido a tanto rezar seus mantras do comunismo tornou-se tão grave que seus cérebros são incapazes de gerar qualquer sinapse producente.

    O melhor dessa matéria foi enfatizar os bons jornalistas que tem feito um trabalho maravilhoso, estes sim, merecem todo nosso respeito, confesso que tem alguns que jornalistas e blogs que eu ainda não conhecia, mas se é recomendação do Instituto Liberal eu confio e passarei a segui-los também.

    Acho que essa matéria merece um lugar especial no blog, principalmente por conta desses bons profissionais e blogs citados, que sim, tem desempenhado um papel louvável em meio a tanta podridão.

Fechado para comentários.