fbpx

A crise brasileira atual é culpa da crise mundial de 2008?

"ROUSSEFF, Dilma. Rio de Janeiro: 2015".
“ROUSSEFF, Dilma. Rio de Janeiro: 2015”.

A última grande justificativa do Governo para explicar a incrível crise econômica que vivemos, com PIB negativo, inflação quase na casa dos dois dígitos e déficit fiscal primário, é a crise internacional, nos termos do pronunciamento da Presidente em cadeia nacional no dia das mulheres. Claro que ela também culpou a imprensa (bode expiatório de sempre) e a seca, mas estas razões ficaram em segundo plano.

Alguns economistas já tinham, no ano passado, refutado a tese da Presidente, argumentando que não há crise econômica internacional no momento. De fato, os EUA estão em retomada de crescimento, a Europa cresce em ritmo lento mas sustentável, a China continua a crescer acima de 7% e o resto do mundo, à exceção da África, continua crescendo de maneira progressiva.

Começando a ruir essa desculpa descabida, a Presidente, no dia de hoje, declarou que a culpa da crise econômica brasileira não é uma suposta crise econômica atual, que de fato não existe, mas sim a crise econômica de 2008! De acordo com a Presidente, quando da crise de 2008, que o ex-Presidente Lula chamou de “marolinha”, o Brasil se empenhou em aumentar drasticamente os gastos públicos de forma a impedir que os efeitos da crise fossem sentidos por aqui, ou seja, ela implementou uma política anti-cíclica keynesiana. Essa explicação precisa ser mais detalhada.

A ideia simplificada de Keynes é que crises econômicas são cíclicas e inevitáveis, em virtude da superprodução econômica que gera expectativa de baixa lucratividade futura, levando então a uma redução natural dos investimentos. Keynes então argumenta que, durante o período de crise, deve haver um gasto governamental alto para manter as atividades econômicas, suprindo os deficientes investimentos privados. Depois de passada a crise e a volta à normalidade dos níveis de investimento privado, o Estado deveria reduzir investimentos e tributar mais, gerando poupança nacional estatal para os anos de baixo investimento privado. De fato, o que a Presidente está fazendo é encerrando um ciclo keynesiano, ao reduzir investimentos públicos e tributar a população após um período de estímulos econômicos estatais.

Só tem um problema: a base da teoria de Keynes não faz o menor sentido.

Crises econômicas não são cíclicas e muito menos inevitáveis. O mercado é um processo dinâmico de criação e destruição, onde em todo o momento os empreendedores buscam, de maneira descentralizada, suprir as demandas dos consumidores, coordenando desejos humanos com a escassez de bens e serviços. Essa coordenação nunca será plena porque os desejos são infinitos e dispersos, enquanto que a escassez, embora perene, muda de acordo com a quantidade de poupança acumulada, as instituições sociais e a produtividade econômica, podendo portanto ser maior ou menor, mas sempre com tendência de queda, se naturalmente livre.

Esse processo se descoordena exatamente quando o Estado intervem para satisfazer grupos de pressão, políticos ou paraestatais, não mais levando em consideração os desejos dos consumidores na distribuição de bens e serviços, mas dos produtores que bancam as farras eleitorais e dos burocratas que controlam a máquina pública. Em um mercado livre, superprodução significa aumento da satisfação de todos e enriquecimento coletivo, não pobreza, pois os bens produzidos são aqueles que a sociedade deseja consumir.

O que se vê, analisando as crises econômicas a luz da boa teoria econômica, é que toda crise é antecedida por uma pontual intervenção estatal, normalmente através de instrumentos monetários, para produzir algum benefício econômico para alguém. Em suma, é a atividade estatal que gera a crise econômica que depois busca solucionar com mais atividade estatal.

Indo mais fundo, a atuação keynesiana no ciclo econômico é uma completa desgraça. Se estamos em uma crise, onde há pouca produção e pouca poupança, o uso do Estado para forçar as pessoas a gastarem acaba por destruir o pouco de poupança que existe e exaspera a pouca produção, levando a economia a um estado de escassez extrema. Por outro lado, se estamos em uma onda de produtividade, consumo e poupança, intervir com altos impostos e estímulo à redução da produção só vai gerar corrupção, redução do consumo e aumento dos preços, quebrando o ciclo de prosperidade.

A crise mundial de 2008 é um claro retrato disso. O Governo americano, querendo estimular a economia, inventou um grande programa de investimentos imobiliários, que se mostrou insustentável e quebrou a quase todos, dentro e fora dos EUA. Então o Governo estimulou uma gigantesca cessão de empréstimos bancários para a população americana consumir e gastar. Os EUA só não entraram em um processo de destruição completa do país porque os bancos sentaram em cima dos recursos estatais e unilateralmente não emprestaram esse dinheiro, consertando a política obamista/keynesiana.

O máximo que se pode dizer acerca da influência da crise mundial de 2008 na crise brasileira atual é que ambas tem o mesmo fundamento: intervenção estatal burra na economia, por culpa de quem dirigia os governos de EUA e Brasil.

No Brasil, essas intervenções tem os mais variados nomes: PAC 1, PAC 2, isenções pontuais, BNDES, política de campeões nacionais, Banco Central, Minha Casa Minha Vida, Minha Casa Melhor, Petrobras, protecionismo alfandegário, redução forçada de juros, Haiti, Porto de Cuba, Grupo X, Mais Médicos, redução forçada das contas de serviços públicos, CIDEs, impostos, taxas, e assim vai. Para resumir tudo em uma expressão: Partido dos Trabalhadores.

Portanto, o atual tsunami da economia brasileira não tem origem na marolinha internacional (termo lulista), mas na incrível empáfia petista de achar que pode controlar a economia melhor do que os cidadãos livres que a compõem.

Bernardo Santoro

Bernardo Santoro

Mestre em Teoria e Filosofia do Direito (UERJ), Mestrando em Economia (Universidad Francisco Marroquín) e Pós-Graduado em Economia (UERJ). Professor de Economia Política das Faculdades de Direito da UERJ e da UFRJ. Advogado e Diretor-Executivo do Instituto Liberal.

5 comentários em “A crise brasileira atual é culpa da crise mundial de 2008?

  • Avatar
    13/03/2015 em 7:33 pm
    Permalink

    Ora, não é preciso ter dezenas de títulos em Teoria, Filosofia, Mestrando em Economia, Pós-graduação em Economia, Economia Política, etc., etc, para dissertar mais uma “teoria” de guru em economia, sem nunca ter participado diretamente do processo. Qualquer “técnico de contabilidade” ou o conhecido “contador de escrita fiscal”, e todo comerciante que se preze sabe que o que determina o sucesso ou o fracasso de um empreendimento É LUCRO OU PREJUÍZO que é baseado na milenar formula (regra de três) CLD = PV. Ou seja C= a custo (de compra e ou fabricação) + L= (Lucro que se deseja obter) + D (despesas para executar o negócio, é igual a PV (Preço de Venda). Modestamente falando: DO COURO SAI A CORREIA! O governo como sempre na história não gera não fabrica, não vende comercializa e vive como o sujeito que não tendo capital, como a maioria dos investidores brasileiros, entram com a “cara e a coragem” no negócio sem ter a experiência e vivência necessária. Para não falir cai no conto dos banqueiros com seus planos de financiamento mirabolantes e contraem dívidas sem sustentação de garantias. Como negócio sem capital de giro é como “vender para o almoço para a janta” logo você não tem mais o que comer. Dai vem a renogociação, contraindo novas dívidas, agora com outros bancos e o “bolo de neve vai aumentando, até que vem a falência. Assim é o governo. Mas os governos, tendo a lei ao seu lado pode emitir títulos, públicos, “fabricar dinheiro de papel, sem lastro, e como o comerciante aventureiro vê o estado cada vez mais pobre e dependente das instituições financeiras. É ai que a “porca torce o rabo”, usando a arbitrariedade que lhes é própria para tapar os roubos simplesmente aumentam os impostos e a carga tributária. E como sempre a correia estoura na correia mais fraca: O cidadão! Em outras palavras a visão Keynesiana não passa de teorias de “visionários nascidos” em berço de ouro que não sabe o que “é tomar café de canequinha”, ou seja se teoria resolvesse o problema da corrupção, como na Petrobras o maior roubo da historia não estaria hoje nas primeiras páginas dos vespertinos.
    Assim o problema da crise brasileira de sempre é que ambas tem o mesmo fundamento: intervenção estatal PARTIDÁRIA ESPERTA na economia controlada por quadrilhas ancestrais que conhece na prática a fórmula simples acima, SEMPRE QUE O FATURAMENTO CAIR, ou o roubo do tesouro “baixar a níveis insuportáveis” como as represas de abastecimento, inventam um bode expiatório, nesse caso São Pedro! que fechou as torneiras do céu e lá vai o povão marchando manso e tranquilo como a boiada ao matadouro. Fora disso para que serve essas mirabolantes filosofias?

  • Avatar
    13/03/2015 em 10:37 am
    Permalink

    A crise de 2008 foi provocada pela intervenção estatal ou o contrário, pela desregulamentação do sistema financeiro ? o mercado prega que a intervenção mínima do Estado para se auto regular, porém a crise imobiliária americana provou o contrario e aliás, a salvação ocorreu pelas mãos do Estado, realmente as políticas do PT de criar demanda interna, mas sem uma política educacional satisfatória, fizeram com que se financiasse bens e não capital humano, e nisso concordo seja culpa do Governo. Uma pena ficarmos tão atrás em tecnologia, foi-se uma boa oportunidade.

    • Avatar
      13/03/2015 em 2:25 pm
      Permalink

      1 – como bem explicado (e antecipado) no livro de Peter Schiff de 2007, a crise de 2008 foi causada por uma política keynesiana de expansão monetária e incentivo ao crédito. Schiff antecipou até mesmo a falência de Fannie Mae e Freddy Mac. O excesso de dinheiro no mercado imobiliário gerou uma bolha enorme e uma crise.
      2 – os EUA resolveram lidar com a crise com mais política keynesiasa: os famosos QE1, QE2 e QE3, que fizeram com que o balanço do FED quadruplicasse em poucos anos. Detalhe, as políticas não surtiram o efeito desejado, como lamentam hoje até mesmo os keynesianos defensores. Os EUA criaram uma nova bolha imobiliária e uma bolha nos mercados de ações muito pior do que a de 2008. Quando essa estourar, virá uma nova crise ainda pior que a anterior.
      E aí eu pergunto, o que “desregulamentação do sistema financeiro” tem a ver com tudo isso?

      • Avatar
        13/03/2015 em 11:06 pm
        Permalink

        E o acesso artificial aos créditos subprimes não derivaram da desregulamentação do sistema financeiro ?

  • Avatar
    13/03/2015 em 9:25 am
    Permalink

    Caramba, Bernardo, perfeito!!! Há muito tempo não vejo uma explicação tão clara e precisa sobre o fundo das políticas keynesianas, suas motivações e consequências, e o efeito de distorção que geram sobre toda a economia. Na verdade, a visão keynesiana decorre da mentalidade socialista e profundamente autoritária de seu formulador, que considerava que o estado é e deve ser o grande protagonista da vida econômica, ou melhor, deve ser o grande protagonista de tudo, com os indivíduos e o mercado por eles criado em segundo plano. Pena que no Brasil essa visão socialista da economia parece que tende sempre a prevalecer, até mesmo entre os cidadãos comuns, e tanto mais catastrófica se torna quando o governo de turno é uma desgraça completa como o atual, entregue uma irresponsável fascistóide que acha que entende de economia. Santo Deus!

Fechado para comentários.