A batalha entre o coletivismo autofágico e o individualismo redentor

Os Estados Unidos da América tinham um diferencial como nação que com o tempo foi perdendo vitalidade, o individualismo. Representava a base moral para a construção de uma sociedade vigorosa, não pela união das partes, mas pelo fortalecimento de cada membro que constitui aquela comunidade, através da defesa rigorosa dos direitos individuais, reconhecidos como inalienáveis […]

Os Estados Unidos da América tinham um diferencial como nação que com o tempo foi perdendo vitalidade, o individualismo. Representava a base moral para a construção de uma sociedade vigorosa, não pela união das partes, mas pelo fortalecimento de cada membro que constitui aquela comunidade, através da defesa rigorosa dos direitos individuais, reconhecidos como inalienáveis e indissociáveis do homem que os possui incondicionalmente, enquanto aceita e respeita que os demais seres humanos como ele, também os possuem.

Não há contrato social firmado entre os indivíduos que participam da sociedade americana, como deveria ser nas demais sociedades. Há, para aqueles que usam o que diferencia os seres humanos dos demais seres vivos, a faculdade do uso da razão, amparados pelo que a realidade nos coloca e a lógica valida, a compreensão e a aceitação tácita que temos na vida, na liberdade e na propriedade os valores que permitirão a cada um de nós existir de forma independente e autossustentada para que se possa satisfazer os propósitos que escolhemos alcançar para atingirmos a felicidade que dará sentido a nossa vida, enquanto obviamente ela existir.

Leia também:  Sobre polarização e consensos

O misticismo, o altruísmo e o coletivismo que temos visto sendo defendidos nas suas diversas formas, inclusive na grande nação americana, vem corrompendo a moral que deu sustentação à política lá praticada até fins do século XIX. Ainda e forte o apelo e a defesa das ideias originais fornecidas pelo Iluminismo que percorreu a Europa, principalmente a partir da Holanda, da Inglaterra e da Escócia e de alguma maneira com pensadores franceses e de outros países europeus que se posicionaram a favor do indivíduo e da razão contra o estatismo coletivista, a força e a fé.

Passados séculos, vemos que essa batalha entre o coletivismo autofágico e o individualismo redentor segue vívida perturbando a longa caminhada da humanidade em busca da prosperidade, só possível a partir do uso da razão, da ética do auto interesse e da política capitalista, única moralmente compatível com a natureza humana.

Leia também:  Como identificar os 4 tipos de liberais nas eleições de 2018

Não é preciso assinarmos um contrato social para aquilo que é auto evidente, axiomático, fundamental para o entendimento do porquê vivemos em sociedade e de como devemos nos comportar nessa experiência existencial.

A cooperação entre indivíduos, movida pelo auto interesse racional, fundada nos direitos individuais protegidos por um governo limitado a esse fim, produz os valores materiais, intelectuais e espirituais que qualquer homem livre ou não permite-se sonhar.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Roberto Rachewsky no Patreon!
Leia também:  “América Latina: dependência e integração” – O Marxismo de Ruy Marini