O que você prefere: o mercado ou a política?

A resposta de um liberal à pergunta que serve de título a esta nota é: “ambos, mas nas suas devidas proporções”. O problema é chegar-se a um acordo sobre as proporções. Para o liberal, as proporções ideais são o máximo de mercado e o mínimo de política. Os não liberais estão de maneira geral inclinados a conceder mais espaço à política do que os liberais; o grau de preferência pela política vai determinar quem se aproxima mais da social-democracia ou do socialismo.

As sociedades têm duas opções organizacionais para solucionar seus problemas econômicos: a organização que privilegia as decisões individuais autônomas e responsáveis, e a que se refere a decisões coletivas do processo político, no qual os membros da sociedade atuam como se fossem uma unidade. No primeiro caso, a ação individual é orientada pelos propósitos pessoais do agente, que simultaneamente assume a responsabilidade pelo que fez ou deixou de fazer. A história nos tem mostrado, de maneira convincente, que essa busca de interesses individuais geralmente leva a benefícios de ordem social – a “mão invisível” de Adam Smith.

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Alexis de Tocqueville

No segundo caso, o das decisões políticas, geralmente é invocado um suposto “bem comum” ou uma indefinível “justiça social”, em nome de cujas e discutíveis causas se comprometem os interesses pessoais dos cidadãos, a favor dos interesses ou propósitos nacionais. Neste segundo caso, a responsabilidade pela decisão é não apenas difusa, mas frequentemente anônima. Mais ainda, ao contrário das decisões de mercado que promovem benefícios sociais a despeito de serem motivadas por objetivos individuais, as decisões políticas comprometem a prosperidade social, a despeito das suas boas intenções de promovê-la. Trata-se da mão desastrada e visível do governo.

Os liberais preferem o processo de mercado ao processo político porque o primeiro é mais eficiente em termos econômicos e menos propenso à corrupção e à degradação social. Quando se amplia a jurisdição do processo político, obviamente em detrimento da jurisdição do mercado, maximiza-se a concentração dos poderes públicos com adições de poderes econômicos aos preexistentes poderes políticos. A concentração de poderes gera, entre outras coisas, corrupção. Por outro lado, há suficiente evidência empírica a respeito da relação funcional entre liberdade individual e prosperidade material. A preferência liberal pelo mercado se fundamenta, portanto, na evidência , e não na fé. Em que se fundamentam as preferências não liberais que atropelam a lógica, agridem direitos individuais e não dão menor atenção às lições da história?

Leia também:  Muito além da fome e do Socialismo

Preferir o mercado não significa rejeitar o processo político, por mais precário que ele possa ser, e ele é muito precário. Os liberais aceitam o processo político de decisões sociais, a despeito de toda a sua precariedade. Isto é, para eles, o processo político é tão precário quanto é importante. E é importante porque há alguns problemas que o mercado não soluciona de maneira satisfatória: 1. os problemas que envolvem bens públicos (por exemplo, segurança interna e externa); 2. as externalidades positivas ou negativas (a educação básica produz externalidades positivas e a poluição produz externalidades negativas); 3. as situações de monopólios naturais ou técnicos (quando a presença estatal, por meio de regulamentos, é justificada para fazer face à concentração de poder econômico gerada pelo monopólio).

Essas três áreas de ação estatal concedem ao processo político uma enorme e vital área de atuação. Conceder mais espaço à ação estatal equivale a perder eficiência econômica, a aumentar a corrupção e a mutilar os direitos individuais à vida, à liberdade e à propriedade. A ampliação do alcance do processo político de decisões coletivas além de certo ponto pode significar inclusive e ironicamente o colapso do próprio processo político, conforme aconteceu na Itália fascista, na Alemanha nazista, na União Soviética, nos países socialistas do Leste Europeu e provavelmente ocorrerá em Cuba. O processo é tão precário que, ampliado além do absolutamente necessário, tende a ser aniquilado pela sua incompetência constitutiva.

Leia também:  Sobre a ideia de dissolver o Congresso e o STF

Nota: Artigo retirado do livro de crônicas Og Leme, um liberal, editado pelo Instituto Liberal em 2011.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Og Leme

Og Leme

Og Leme foi um dos fundadores do Instituto Liberal, permanecendo por décadas como lastro intelectual da instituição. Com formação acadêmica em Ciências Sociais, Direito e Economia, chegou a fazer doutorado pela Universidade de Chicago, quando foi aluno de notáveis como Milton Friedman e Frank Knight. Em sua carreira, foi professor da FGV, trabalhou como economista da ONU e participou da Assessoria Econômica do Ministro Roberto Campos. O didatismo e a simplicidade de Og na exposição de ideias atraíam e fascinavam estudantes, intelectuais, empresários, militares, juristas, professores e jornalistas. Faleceu em 2004, aos 81 anos, deixando um imenso legado ao movimento liberal brasileiro.