Uma história de sucesso: instituição de caridade da iniciativa privada

NCPA*

Doe_Fund_beneficiarioTodo dia, instituições beneficentes[1] estão provando que podem ajudar os pobres a se sustentarem pelos próprios pés, sem a ajuda do governo, segundo Michael Tanner, pesquisador sênior do Cato Institute.

Tanner cita o Doe Fund como exemplo. Em 1985, o empresário George McDonald começou a fornecer refeições gratuitas aos sem-teto de Nova York, mas ele ficou assustado quando os mesmos beneficiados continuaram a aparecer toda semana. Como diz Tanner, McDonald estava resolvendo o problema da fome, mas não estava tirando as pessoas da pobreza. Destemido, McDonald criou o programa “Pronto, Disposto e Capaz” (também conhecido como o Fundo Doe):

  • Hoje ainda em funcionamento, o fundo tem quatro centros em Nova York e um na Filadélfia. A qualquer momento, o Fundo Doe está ajudando 700 pessoas.
  • A participação no programa requer um mínimo de 30 horas de trabalho por semana em uma das empresas do Fundo Doe. (O Fundo tem empresas que limpam as ruas, prestam serviços de controle de pragas e fazem comida.)
  • Com o trabalho, o participante recebe por pagamento uma quantia acima do salário mínimo e tem a possibilidade de aumento. Se um participante deve pensão alimentícia, o programa exige que ele pague a pensão.

O programa tem como objetivo fazer a preparação dos participantes para entrarem no mercado de trabalho – e tem tido sucesso. Além disso, um estudo realizado pela Universidade de Harvard concluiu que os ex-presidiários participantes do programa do Fundo Doe tinham uma taxa de reincidência 60 por cento mais baixa do que a dos indivíduos em situação semelhante.

Os americanos, segundo Tanner, são mais do que dispostos a ajudar seus semelhantes necessitados. A caridade privada é mais eficiente do que a caridade do governo porque dá ferramentas a seus destinatários para melhorarem de condição de vida e saírem da pobreza. Os Estados Unidos continuam a despejar mais e mais recursos em programas de bem-estar, com pouco resultado a mostrar, explica Tanner, porque o Estado beneficente não tem os incentivos certos para levar as pessoas a se tornarem autossuficientes.

* NATIONAL CENTER FOR POLICY ANALYSIS

Leia também:  O equívoco de Olavo de Carvalho e Antonio Gramsci

[1] Ou instituições de caridade, como se costumavam chamar no passado no Brasil – em inglês, private charities. (N. da Trad.)

 

Artigo na íntegra: Michael D. Tanner, “Less Welfare, More Charity,” Cato Institute, August 20, 2014.

[divide]

Tradução / adaptação: Ligia Filgueiras 

links acrescidos pela Editoria 

Fonte da imagem: site do Doe Fund 

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Reflexões sobre a Mãe de todas as Guerras