A teoria geral do riso e o petismo

Infeliz é a pessoa que veio a esse mundo para não sofrer escárnio” – Danilo Gentili

 

HOBBES_E_A_TEORIA_CLASSICA_DO_RISO_1380032069BO humor é uma verdadeira arma contra regimes autoritários. Assim já se fazia na Europa medieval com as chamadas cantigas de maldizer feitas para criticar as monarquias absolutistas da época. Elas acabavam gerando a ira dos monarcas que perseguiam os artistas que faziam as tais cantigas. Atualmente, vemos, mais uma vez, a aplicação clássica da teoria geral do riso, só que em nosso país.

A chamada teoria geral do riso é uma teoria que foi estudada e trabalhada pelo inglês Quentin Skinner no livro “Hobbes e a Teoria Clássica do Riso”. Nesta obra o autor mostra exemplos de uso do humor como oposição a regimes autoritários, iniciando a partir da discussão do livro “O Leviatã”, de Thomas Hobbes e o modo com que ele, Hobbes, retratava a figura do presidente da então república inglesa Oliver Cromwell. Foi a reação gerada por tal clássico da filosofia que favoreceu e alavancou a Revolução Gloriosa restaurando a monarquia na Inglaterra.

Leia também:  Nem nudes e nem conspiração: o que sabemos até agora sobre o “zap zap” de Moro e Dallagnol

Skinner vem trilhando em seu livro ações que usam o chamado “uso político do riso”. Ações voluntárias que acabam gerando reações planejadas ou não-planejadas seja o riso de quem está assistindo ou a ira de quem é alvo. Sabendo disso, o governo do Partido dos Trabalhadores opera até hoje uma máquina de humor favorável a ele, usando da chamada Lei Rouanet para isso. O humorista Gregório Duvivier, do canal Porta dos Fundos é um exemplo perfeito disso: até 2012, Duvivier fazia humor criticando a tudo e todos, porém após receber aportes de cerca de R$ 7 milhões do governo via Lei Rouanet, passou a ser um defensor do governo, fazendo seus esquetes de humor sempre atacando os oposicionistas do governo. Por via das redes sociais, o blogueiro Jefferson Monteiro faz esse “trabalho” com a página Dilma Bolada, onde faz críticas aos oposicionistas e sempre enaltecendo a figura de Dilma Rousseff.

Leia também:  Meira Penna e a nossa psicologia do subdesenvolvimento

Mas a direita tem também os seus bastiões de humor. Páginas como “Liberalismo da Zueira”, “Bolsonaro Zuero”, “A culpa é do FHC”, “Humans of PT” e “Desumaniza Redes”, somados ao trabalho de humoristas como Danilo Gentili, Carioca, Felipe Hamachi, Cris Paiva e Léo Lins provocam a ira dos petistas. É claro que essas piadas, que tem como principal arma a luta pela liberdade, resultam em vários processos contra os humoristas, que são atacados pela máquina petista instalada no governo ou pertencente a esta blogosfera, seja porque esses petistas não gostam das piadas ou porque estão ganhando dinheiro para defender o governo.

Leia também:  Intelectuais, popularidade e desonestidade intelectual

Não podemos – e não devemos – esmorecer o humor pela liberdade. O humor é uma arma poderosíssima contra o autoritarismo cinza dos nossos amigos da esquerda. Pois, se chegamos no status atual de estarmos prestes a depor a pior Chefe de Estado da história de nosso país, muito se deu por usarmos essa ferramenta peculiar na guerra política que é o humor, beneficiando o crescimento dos movimentos de direita em nosso país. Afinal, a “zueira” nunca termina!

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!