fbpx

Servir à nação ou servir-se dela, eis a questão

Político profissional, Rodrigo Maia pertence a uma dinastia que vive há décadas do patrimônio alheio confiscado coercitivamente por força de leis, decretos e outros instrumentos arrecadatórios.

Na iniciativa privada teve passagem rápida: trabalhou por quatro anos em duas instituições bancárias. Rodrigo Maia nasceu no Chile quando seu pai experimentou o exílio. Há 23 anos, Rodrigo vive de impostos pagos pelos brasileiros, desde os mais ricos até os pobres coitados.

Rodrigo Maia não concluiu o curso de economia. Resolveu trabalhar no governo, onde economia é nome feio. Eu sei que, para os parâmetros de Brasília, gastar dinheiro dos outros utilizando-se de um avião da FAB é ninharia. Não usá-lo é mais que ninharia: é quase um insulto, um autoflagelo.

Ser presidente da Câmara dos Deputados não vale apenas pelo poder e prestígio que ganha o ocupante do cargo: é preciso ter mordomia, exclusividade, um avião com tripulação mobilizados só para atendê-lo, longe do assédio indesejado da plebe. Por falar em economia, adivinhem quem estava em vôo comercial indo para Brasília?

Paulo Guedes, o ministro que tenta salvar a população das garras dos patrimonialistas que há gerações acham que o Estado brasileiro lhes pertence. Se Rodrigo Maia tivesse convidado o Paulo Guedes para acompanhá-lo no voo, os brasileiros teriam economizado uma ninharia, o presidente da Câmara poderia receber algumas aulas de economia e o ministro da Economia de populismo.

Roberto Rachewsky

Roberto Rachewsky

Empresário e articulista.