Série Heróis da Liberdade: Golda Meir

Minha homenageada na série ‘Heróis da liberdade’ de hoje não foi uma heroína apenas em sentido figurado, mas literalmente. Golda Meir (3 de Maio de 1898 — Jerusalém, 8 de Dezembro de 1978) foi uma das fundadoras e Primeira-ministra do Estado de Israel. Nascida um Kiev, migrou para Israel em 1921. Além de primeira-ministra, foi embaixadora israelense na extinta União Soviética, Ministra do Interior, Ministra das Relações Exteriores, Ministra do Trabalho e secretária-geral do Partido Trabalhista. Estava à frente do governo de Israel em seu momento mais dramático: a Guerra do Yom Kipur, na qual tropas egípcias e sírias atacaram Israel quando a população estava distraída pelas comemorações do Dia do Perdão. Seguem algumas de suas frases:

Nós não queremos guerras mesmo quando ganhamos.

A única maneira de eliminar a guerra é amar mais nossos filhos do que odiar nossos inimigos.

Um líder que não hesite antes de enviar sua nação para a batalha não é adequado para ser um líder.

Não é por acaso que muitos me acusam de conduzir assuntos públicos com meu coração e não com minha cabeça. Bem… Aqueles que não sabem chorar com todo o coração também não sabem rir.

É verdade que vencemos todas as nossas guerras, mas pagamos por elas. Nós não queremos mais vitórias.

Nós podemos perdoá-lo por matar nossos filhos, mas nunca podemos perdoá-lo por nos fazer matar seus filhos.

Da Rússia eu não trouxe uma única lembrança feliz, apenas tristes e trágicas. O pesadelo dos Pogroms, a brutalidade dos cossacos acusando jovens socialistas, medo, gritos de terror.

Como posso explicar a diferença entre a América e a Rússia? … a América que conheço é um lugar onde homens a cavalo protegem marchas de sindicalistas, a Rússia que eu conheço é um lugar onde homens a cavalo matam jovens socialistas e judeus.

Leia também:  Votou em Bolsonaro? Vamos estudar História?

O governo soviético é o regime mais realista do mundo – sem ideais.

Não seja humilde … você não é tão bom assim.

Os desertos do Oriente Médio precisam de água, não de bombardeiros.

Não se pode e não deve tentar apagar o passado simplesmente porque ele não se ajusta ao presente.

Eu dei instruções para que eu fosse informado toda vez que um dos nossos soldados fosse morto, mesmo que fosse no meio da noite. Quando o presidente Nasser deixar instruções para que seja acordado no meio da noite, se um soldado egípcio for morto, haverá paz.

Os egípcios podiam correr para o Egito, os sírios para a Síria. O único lugar para onde podíamos correr era no mar, mas antes de fazermos isso, poderíamos lutar também.

É sempre mais fácil, descobri, fazer as pessoas chorarem ou ofenderem do que fazê-las pensar.

Mas o indivíduo não é uma ferramenta para algo. Ele é o criador de ferramentas. Ele é quem deve construir. Mesmo para o melhor propósito, é criminoso transformar um indivíduo simplesmente em um meio para algum fim último. Uma sociedade em que a dignidade do indivíduo é destruída, não pode esperar ser uma sociedade decente.

A única alternativa à guerra é a paz e o único caminho para a paz são as negociações.

Israel é a garantia mais forte contra outro Holocausto.

Tenho certeza de que algum dia as crianças nas escolas estudarão a história dos homens que fizeram guerras como se estuda um absurdo. Elas ficarão chocadas, assim como hoje ficamos chocados com o canibalismo.

Leia também:  Por que as leis trabalhistas prejudicam o trabalhador?

Eu quero dizer a vocês, amigos, que a comunidade judaica na Palestina vai lutar até o fim. Se tivermos armas para lutar, lutaremos com elas e, se não, lutaremos com pedras em nossas mãos.

Aqueles que pereceram nas câmaras de gás de Hitler foram os últimos judeus a morrer sem se levantar para se defender.

Haverá paz no Oriente Médio somente quando os árabes amarem seus filhos mais do que eles odeiam Israel.

Nós só queremos aquilo que é dado naturalmente a todos os povos do mundo: sermos donos do nosso próprio destino, não dos outros, e em cooperação e amizade com os outros.

Nós não nos alegramos com vitórias. Nos alegramos quando um novo tipo de algodão é cultivado e quando os morangos florescem em Israel.

Nós não prosperamos em atos militares. Nós os fazemos porque precisamos e, graças a Deus, somos eficientes.

Uma das primeiras visões que me chocaram, quando cheguei a Israel, em 1921, foi um árabe que arava um campo com um arado muito primitivo; puxando o arado havia um boi e uma mulher. Agora, se isso significa que destruímos essa imagem romântica trazendo tratores, colheitadeiras e debulhadoras, isso é verdade: nós o fizemos.

Há apenas uma coisa que espero ver antes de morrer, e que o meu povo não precisa mais de expressões de pena.

A América é um ótimo país. Tem muitas deficiências, muitas desigualdades sociais, e é trágico que o problema dos negros não tenha sido resolvido cinquenta ou até cem anos atrás, mas ainda é um grande país, um país cheio de oportunidades, de liberdade!

Leia também:  Governo Bolsonaro não pode vacilar sobre Reforma da Previdência

Não é suficiente acreditar em alguma coisa; você tem que ter resistência para enfrentar obstáculos e superá-los, para lutar.

Nós, judeus, temos uma arma secreta em nossa luta contra os árabes; nós não temos lugar para ir.

A libertação das mulheres é apenas uma tolice. São os homens que são discriminados. Eles não podem ter filhos. E ninguém fará nada sobre isso.

Não se torne cínico. Não desista da esperança. Não acredite que tudo é julgado apenas por conveniência. Existe idealismo neste mundo. Existe fraternidade humana.

O mundo odeia um judeu que bate de volta. O mundo nos ama somente quando somos dignos de pena.

Se tivermos que escolher entre estar mortos e dignos pena, e estarmos vivos com uma imagem ruim, preferimos estar vivos e ter a imagem ruim.

Uma vez, em um gabinete, tivemos que lidar com o fato de que houve um surto de agressões contra as mulheres à noite. Um ministro sugeriu um toque de recolher; as mulheres devem ficar em casa depois do anoitecer. Eu disse: ‘Mas são os homens que estão atacando as mulheres. Se houver um toque de recolher, deixe os homens ficarem em casa, não as mulheres.’

É melhor receber críticas do que condolências.

Se os palestinos baixarem as armas, haverá paz. Se os israelenses baixarem as armas, não haverá mais Israel.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!