Rock à direita: 50 músicas com temática liberal-conservadora (II)

Depois de um tempo, voltamos à série sobre as 50 músicas com temática liberal-conservadora no meio do rock. Para saber quais outras bandas e musicas fazem parte da nossa lista basta clicar no link.

ramones

24 – After the fire – Der Kommissar

A banda inglesa que começou no rock progressivo e caminhou para ser uma das percussoras do New Wave mostra nessa letra a miséria existente na antiga Alemanha Oriental e o excesso de vigilância da polícia vermelha, criticando em especial a figura do comissário, que olhava o documento das pessoas ao entrarem e ao saírem das cidades.

 

23 – Ben Folds Five – Brick

O grupo de piano rock escreveu a canção mostrando a visão de um homem que leva a sua jovem namorada a uma clínica de aborto e descrevendo as cicatrizes emocionais posteriores da chamada “liberdade reprodutiva”.

 

22 – Rush – Red Barchetta

Os canadenses do Rush, marcados pelo som experimental muito utilizado nas músicas, fazem uma excelente crítica aos chamados na canção de “extremistas verdes”, descrevendo a emoção de dirigir um carro rápido e dos protestos dos militantes ambientalistas contra o uso de carros.

 

21 – David Bowie – Heroes

O músico inglês, falecido recentemente, descreve um caso de amor separado pelo Muro de Berlim. Ele critica a existência da ideologia socialista expondo como o Muro atrapalhava as relações entre pessoas do mesmo país.

Leia também:  A cláusula de barreira e a redução do cenário partidário brasileiro

 

20 – The Clash – Rock The Casbah

O punk rock provocativo dos ingleses do The Clash critica os países islâmicos e faz graça de seus ritos, tudo em razão da proibição do rock no Irã feita pelo Aiatolá Khomeini, depois da Revolução Islâmica de 1978. A música é tão provocativa ao islamismo que, depois do 11 de setembro, o Departamento de Estado dos Estados Unidos sugeriu que as rádios evitassem tocar a música. Por outro lado, o sistema de radiodifusão do exército britânico (a estação de rádio para as tropas britânicas que serviram no Iraque) disse que a música era uma das mais pedidas pelos militares britânicos.

 

19 – Paul Revere and The Riders – Kicks

O grupo, que fez muito sucesso nos Estados Unidos nos anos 60, critica o uso de drogas e os pensamentos utópicos, mostrando a estupidez que é acreditar em certas utopias.

 

18 – Living Colour – Cult of Personality

Citando os exemplos de Benito Mussollini, Adolf Hitler, Josef Stalin e John Fritzgerald Kennedy, a banda de funk metal americana critica um dos maiores defeitos da política à esquerda: o culto a personalidade.

17 – Blink 182 – Stay Together for the Kids

Leia também:  Até quando apoiar o governo Bolsonaro?

O punk pop do Blink 182 realiza uma defesa dos valores da família, da presença dos familiares na criação dos filhos e lança luzes sobre os problemas da falta de base familiar na vida de uma criança.

 

16 – The Eagles – Get Over It

Nessa música da banda de soft rock americana se tem a crítica à chamada cultura do vitimismo e o quanto pessoas que acabam por se fazer de vitima sem motivo algum, assim como o quanto isso é irritante para a sociedade.

 

15 – The Crickets – I Fought The Law

O rockabilly dos Crickets soa nesta canção uma defesa do cumprimento das leis e do respeito à ordem, defendendo também quem faz valer o respeito a legislação, coisa que nossos amigos socialistas parecem ignorar.

 

14 – Jesus Jones – Right Here, Right Now

A banda de rock alternativo da Inglaterra comemora o fim da Guerra Fria, explicito em especial o seguinte trecho: “Eu estava vivo e esperei por isso, vendo o mundo acordar com a história”.

 

13 – The Pretenders – My City Was Gone

O new wave do Pretenders é uma crítica ao governo de Ohio, na época comandado pela democrata Jane Jacobs, expondo sua insatisfação com as mudanças rápidas e desastradas feitas pela governante, mostrando o apego a cidade, atitude comum de conservadores, conhecidos pela relação afetiva com a sua comunidade como exibido no pensamento do autor americano Russell Kirk.

Leia também:  Já passa da hora do BNDES pagar o que deve ao Tesouro

 

12 – Bob Dylan – Neighborhood Bully

O folk country de Bob Dylan da o tom para esta música marcada por ser um hino pró-Israel. Lançada dois anos depois do bombardeio de um reator nuclear no Iraque, Dylan critica os ataques contra Israel, tanto belicamente, quanto verbalmente, e pode ser considerada, também, uma inspiração para a posterior Era Bush no governo americano.

 

11 – Rush – The Trees

Mais uma vez os canadenses do Rush aparecem na lista com uma canção que faz uma crítica sutil a propaganda da igualdade feita mundo a fora por ideólogos de esquerda. A banda deixa explícita sua opinião no trecho “As árvores são mantidas todas iguais, por machado e serra”.

 

 

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!