Por que a recessão é o maior legado do governo Dilma?

crise-governo-dilma

Marcel Balassiano*

No terceiro trimestre deste ano, a taxa real de crescimento do PIB brasileiro foi negativa pela sétima vez consecutiva, na comparação com o trimestre imediatamente anterior (-0,8%, dados com ajuste sazonal), e pela décima vez consecutiva, quando se compara com o mesmo trimestre do ano anterior (-2,9%). Esses números mostram que o país ainda está em recessão, que, segundo o Comitê de Datação de Ciclos Econômicos (CODACE) do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, se iniciou no segundo trimestre de 2014. De acordo com a mediana das projeções de mercado da Focus, a economia do Brasil deve encolher, em termos reais, 3,5% este ano, e ter um crescimento de 1,0% em 2017. Vale ressaltar que as projeções para 2017 vêm caindo há seis semanas consecutivas.

O setor de serviços, responsável por mais de 60% do PIB, caiu, em termos reais, 0,6% em relação ao trimestre anterior e 2,2% em relação ao terceiro trimestre de 2015. Essas quedas ocorrem à sete trimestres consecutivos, desde o primeiro trimestre de 2015. Dentre as principais atividades de serviços, o comércio apresentou a sétima queda consecutiva em relação ao trimestre anterior (-0,5%) e a décima quando se compara com o mesmo trimestre do ano anterior (-4,4%). A indústria caiu 1,3% em relação ao trimestre anterior, depois de ter obtido um resultado positivo no segundo trimestre (1,2%), e a agropecuária caiu pela terceira vez consecutiva (-1,4%) na mesma base de comparação. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a indústria caiu pela décima vez consecutiva nesse trimestre (-2,9%), e a agropecuária, pela terceira vez seguida (-6,0%).

Pelo lado da demanda, destaca-se negativamente o consumo das famílias, com a sétima queda consecutiva, tanto na comparação com o trimestre imediatamente anterior (-0,6%) quanto na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior (-3,4%). Isso é consequência do baixo nível da confiança do consumidor e sua baixa disposição em consumir, em função da piora da renda e do mercado de trabalho. Segundo os últimos dados da PNAD Contínua, a taxa de desemprego está em 11,8%. A formação bruta de capital fixo, depois de apresentar um crescimento de 0,5% no segundo trimestre em relação ao primeiro, voltou a cair no terceiro trimestre (-3,1%). Já na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a queda de 8,4% foi a décima seguida. Consumo do governo, exportação e importação também apresentaram quedas nesse trimestre em relação ao trimestre anterior (-0,3%, -2,8% e -3,1%, respectivamente), e, com exceção da exportação, na comparação inter anual (-0,8%, 0,2% e -6,8%).

Esses números são reflexos, em grande parte, da chamada “Nova Matriz Econômica” (NME), que foram várias medidas tomadas pelo governo Dilma Rousseff, tais como controle de preços para conter a inflação; contabilidade criativa, diminuindo a transparência da política fiscal; política de “campeões nacionais” pelo BNDES; redução forte dos juros, sem que os fundamentos da economia permitissem tais medidas, entre outros.

Guido Mantega, então ministro da Fazenda, escreveu um artigo no jornal Valor Econômico em dezembro de 2012, intitulado “O primeiro ano da nova matriz econômica”. Duas frases do artigo chamam atenção: “Temos certeza que essa estratégia será bem sucedida e garantirá um maior e mais sustentável dinamismo de longo prazo para a economia brasileira” e, “Mas o mais importante é que estão fixadas as bases para que o Brasil tenha taxas elevadas de crescimento por muitos anos, melhorando o emprego, a renda e diminuindo as desigualdades que subsistem em nosso país.”

Então, considerando as projeções da Focus para 2016, desde então, o PIB do Brasil encolheu, em média, 1,0% ao ano em termos reais, no período posterior ao artigo do ex-ministro (2013-2016). Nesse mesmo período, a inflação média foi de 7,4% ao ano, portanto quase um ponto percentual acima do limite superior da banda e quase três pontos percentuais acima da meta de inflação, de 4,5%. A taxa de desemprego passou de 6,9% no trimestre encerrado em dezembro de 2012 para 11,8% atualmente. Ou seja, aconteceu tudo ao contrário do que o ex-ministro Mantega e a ex-Presidente Dilma esperavam, mas muitos já alertavam. E, os reflexos da NME são sentidos pelos brasileiros até hoje.

Sobre o autor: Marcel Balassiano é mestre em Administração pela Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (EBAPE) e bacharel em Economia pela Escola Brasileira de Economia e Finanças (EBEF), ambas da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  A Vale desconhecia o tamanho do impacto econômico de um desastre como o de Brumadinho?