UFRJ Livre enfrenta intolerância e racismo na universidade: punição já!

No ano passado, em algumas oportunidades em que julguei necessário, decidi me somar às vozes dos amigos do UFRJ Livre, movimento liberal da UFRJ, questionando a perseguição que vinham sofrendo dentro da universidade. A extrema esquerda dominante naquele espaço, que deveria ser destinado ao ensino, em favor de seu projeto político, não poderia ver a […]

No ano passado, em algumas oportunidades em que julguei necessário, decidi me somar às vozes dos amigos do UFRJ Livre, movimento liberal da UFRJ, questionando a perseguição que vinham sofrendo dentro da universidade. A extrema esquerda dominante naquele espaço, que deveria ser destinado ao ensino, em favor de seu projeto político, não poderia ver a eclosão da divergência em seu feudo senão como uma aberração repugnante. Fatos recentes me obrigam a voltar ao assunto – como você pode adivinhar, a intolerância não cessou.

Em julho de 2016, a morte de um estudante de Letras, Diego Vieira Machado, chocou a todos com um pingo de sensibilidade moral. Que fez a extrema esquerda, de militantes profissionais de DCE até professores? Acusou a “extrema direita” liberal-fascista (?) pelo crime covarde. Entre os verdadeiros fascistas que moveram sua cruzada retórica contra os grupos liberais da universidade, estavam figuras da própria Escola de Comunicação, onde estudei, entre elas a ex-diretora Ivana Bentes, e a professora de Letras Georgina Marins. Não importava aguardar a polícia; obviamente os liberais e conservadores da UFRJ, essas criaturas misteriosas que não deveriam existir, eram as responsáveis pela morte – motivada, já decretavam, por homofobia. O caso, lamentavelmente, segue sem solução, o que só facilita a que continue a ser explorado pelas esquerdas para cercear os direitos de quem nada tem a ver com isso e apenas reivindica a possibilidade de divergir. O próprio jornal O Globo, em matéria deprimente, colaborou para a simplificação dos fatos, vagamente rotulando as páginas de movimentos liberais e conservadores como pertencentes a “grupos que disseminam o ódio na Internet”.

Meses depois, em novembro, o UFRJ Livre ainda era culpado da morte de Diego por grupos intolerantes de esquerda. Durante uma explanação pública, um membro do grupo foi hostilizado e intimidado, tendo sido defendido por um companheiro, fundador do movimento, Ian Kury. Um grupo de amigos do agressor, um deles inclusive segurando um facão, chegou a cercar e perseguir Ian, em um incidente a que também dei publicidade.

Pois os infelizes não se cansam. Dessa vez na Internet, um estudante de Geografia, Mauro Nóbrega, é um dos novos personagens infames da história. Ao constatar que o UFRJ Livre tinha reativado sua página pública no Facebook, este sujeito desagradável começou a soltar seus impropérios – que se tornaram cada vez mais absurdos. Mais que isso: o retrato perfeito de tudo aquilo que ele diz combater no grupo liberal. Uma extraordinária manifestação da profética máxima de Churchill: “os fascistas do futuro se chamarão a si mesmos de antifascistas”.

“Então quer dizer que os racistas, fascistas, LGBTfóbicos, e outros tipos de escória estão reunidos em uma página de novo”, ele vomitou, “Exatamente aqui, numa página de pessoas amerindígenas, negros, pobres e tudo mais…”. Ao que complementou nos comentários: “Um dia todo o sangue indoamericano e africano vai ser cobrado”. De quem, perguntou alguém. “Do branco que derramou ele”. Questionado com a mais elementar lógica, pontuando-se que os “brancos” que detinham escravos já estão mortos e não poderiam ser “cobrados”, o destrambelhado respondeu: “Tem um montão por aí”. E completou: “Tá se sentindo ofendido, ô branquelo? Seria você mais um racistinha de bosta nesta universidade?” Ao que alguém de graves deficiências morais concordou: “Sim, já morreram. Mas seus filhos, os filhos dos seus filhos, continuam sendo beneficiados por esse sangue”.

 

 

Piora:

O que, em síntese, observamos nesse festival de bizarrice e estupidez? O sr. Mauro estimula em suas palavras, nada mais, nada menos, que uma autenticamente abjeta conflagração racial. Ele demonstra absoluta incapacidade de apontar uma única declaração do movimento jovem liberal da universidade em seus espaços públicos de comunicação que justifique os impropérios que lhes dirige, enquanto dá, de si mesmo, as evidências mais palpáveis de uma alma torta e torpe. Abraçando uma matriz perigosamente coletivista de abordagem, quer culpar todos os “brancos” de hoje – ignorando o conhecimento básico da mestiçagem reinante em nosso país – pelos dramas dos escravos africanos de ontem. Sobre nós, aqueles de aparência mais caucasiana, deve recair a “cobrança” pelo sangue que nossos antepassados derramaram – se é que derramaram mesmo, já que muitos descendemos de imigrantes europeus do século XIX que nada tiveram que ver com a escravidão.

Mais: Mauro ressuscita a história triste de Diego Vieira para insinuar mais uma vez, para quem tem olhos de ver, que o UFRJ Livre é responsável pela sua morte. Ora, o bom senso reclama enxergar essa acusação revoltante com a seriedade que merece. Diante de irresponsabilidade criminosa tão positivada, alguns poderiam objetar, com quase nenhuma dose de razão, esquecendo-se de todo o contexto anterior, que se trata de um lunático isolado na Internet. Pois muito bem; trazemos então outros fatos.

Um evento marcado para esta segunda pelo próprio CENTRO ACADÊMICO DA FACULDADE DE DIREITO (!), com o título “Reunião Aberta – Propostas de combate às opressões na UFRJ”, dirige novas leviandades contra o UFRJ Livre. O grupo seria representante de uma “onda conservadora que cresce no Brasil”, onda que estaria “ocupando espaços que, na teoria, deveriam ser locais de inclusão e de combate às opressões”. Traduzindo: a opressão é, na prática, apresentar um frescor de contestação perante grupelhos partidários que há anos ditam a lei da selva ideológica na universidade, enquanto que “combater a opressão” é querer calar quem o faz de qualquer maneira. Que fofo, não é mesmo?

Continua: “A UFRJ assistiu ao surgimento de um grupo denominado ‘UFRJ Livre’, que ameaçava e incitava a perseguição de estudantes pobres, cotistas, negros/as, lgbts e mulheres. Assistimos à morte de um estudante no Fundão que, ao que tudo indica, foi vítima de um crime de ódio”. Provas de que o UFRJ Livre tenha feito aquilo de que é acusado e de que tenha qualquer coisa a ver com o que está sendo dito? Nenhuma.

Insultos, hostilidades, ofensas racistas, um grupo inteiro do diretório acadêmico de Direito, dando sequência às incitações de ódio já feitas por professores e até ex-diretores de unidades de ensino. O que a UFRJ está esperando para que pessoas como o estudante Mauro Nóbrega sejam devidamente punidas pelo que estão fazendo? A tolerância a essa postura fascistóide da esquerda nas universidades é apenas mais uma consequência lamentável do gênero de anestesia a que nos submetemos no Brasil – não encarar o combate à criminalidade por aqui como a guerra em que se transformou seria outro exemplo.

Saiamos desse torpor e cobremos. A reitoria e demais esferas competentes na universidade devem reconhecer que esse fenômeno de hostilidade e perseguição, travestido de altruísmo, tem densidade suficiente para que providências precisem ser tomadas. Certamente não é isso que esperamos ver proliferar em nossas universidades. Quanto aos estudantes acusados, devem processar todos que lhes dirigem infâmias, desafiando-os na justiça a provar o que afirmam. Não é outra a maneira de lidar com esses perseguidores obscurantistas.