Socialismo e Zimbabwe: destruição, exploração, corrupção e genocídio

Robert Mugabe é um daqueles ditadores africanos que usam ternos italianos, moram em palácios de mármore enquanto o povo jaz na miséria. O ápice da sensação de poder residiu nos cinco minutos em que ele usou a tribuna da ONU para mentir para si mesmo. Finalmente o ditador deixou o poder. Mugabe sai de cena […]

Robert Mugabe é um daqueles ditadores africanos que usam ternos italianos, moram em palácios de mármore enquanto o povo jaz na miséria. O ápice da sensação de poder residiu nos cinco minutos em que ele usou a tribuna da ONU para mentir para si mesmo. Finalmente o ditador deixou o poder.

Mugabe sai de cena riquíssimo, insatisfeito com o prato que comeu por 37 anos e com a culpa exclusiva de ter arrasado econômica, social e politicamente uma das nações mais promissoras da África meridional. Uma mistura de celeiro com mina de ouro e diamantes que se transformou no País mais miserável do continente depois da Somália.

Leia também:  A declaração de Malala e o porte de armas

Implantou um Apartheid reverso, proibindo que brancos tivessem direitos políticos e de propriedade. Calcula-se que dezenas de milhares de brancos foram exterminados sistematicamente pelas tropas do ditador.

Ele efetuou uma reforma agrária com base na cor da pele que expropriou todos os latifúndios produtivos do país e os dividiu em minifúndios nas mãos da maioria negra matando os próprios negros do seu País de fome. Não é preciso dizer que as melhores terras ficaram para ele e seus companheiros de partido.

Implantou ainda um controle de preços e uma política de nacionalização da produção que gerou a maior inflação que se tem notícia na história humana. Praticamente reduzindo seus cidadãos à condição de mercadores de escambo e isolando o país do sistema financeiro internacional.

Leia também:  Sobre governo, ilusão e realidade

Mugabe deixa o Zimbabwe, um país de 25 milhões de habitantes, do tamanho do Mato Grosso do Sul, extremamente fértil e rico em minerais, com um PIB de apenas US$ 17 bilhões, com uma renda per capita de míseros US$ 1149,00 e com uma população com 74% de indivíduos em tratamento contra o HIV.

O dono do Zimbabwe entra para a história  como mais um líder de um experimento socialista que resultou em um completo desastre humanitário, transformando o seu país em um pântano de caos, doenças e mortes.

Leia também:  E quando perdemos os legados do passado?

Socialismo é, e sempre será, sinônimo de destruição, exploração, corrupção e genocídio.

 

 

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!