Série Heróis da Liberdade: Rosa Parks

Rosa Parks (04/02/1913 – 24/10/2005), ativista pelos direitos civis americana, é a nossa homenageada de hoje na série ‘heróis da liberdade’. Ao ser presa por recusar-se a ceder seu assento para dar lugar a um homem branco, num ônibus urbano, em Montgomery, Alabama, no ano de 1955, a costureira negra Rosa Parks, então com 42 anos, ajudou a iniciar o movimento pelos direitos civis nos Estados Unidos. Os líderes da comunidade negra local organizaram um boicote aos ônibus, que começou no dia em que Parks foi condenada pelo tribunal local por violar as leis de segregação. Liderado por um jovem pastor, Martin Luther King Jr. , o boicote durou mais de um ano (durante o qual Parks perdeu seu emprego) e só terminou quando a Suprema Corte decidiu que as leis de segregação de negros em ônibus era inconstitucional. Ao longo do meio século seguinte, Parks tornou-se um símbolo nacionalmente reconhecido de dignidade e força na luta contra a segregação racial nos Estados Unidos.

“Você nunca deve ter medo do que está fazendo quando está certo.”

“Para trazer a mudança, você não deve ter medo de dar o primeiro passo. Nós sempre falharemos quando não tentarmos.”

“Eu acredito que há apenas uma raça – a raça humana.”

“As pessoas disseram, ao longo dos anos, que a razão pela qual eu não desisti do meu lugar foi porque eu estava cansada. Eu não estava fisicamente cansada. Meus pés não estavam doendo. Eu estava cansada de um jeito diferente. Eu estava cansada de ver tantos homens tratados como meninos, e não chamados pelos seus próprios nomes ou títulos. Eu estava cansada de ver crianças e mulheres maltratadas e desrespeitadas por causa da cor da sua pele. Eu estava cansada … da segregação racial legalmente imposta.”

Leia também:  Demissão de servidor público estável

“O que realmente importa não é saber se temos problemas, mas como os atravessamos.”

“Nada na Regra de Ouro diz que os outros nos tratarão como os tratamos. Diz apenas que devemos tratar os outros da maneira como gostaríamos de ser tratados.”

“Eu aprendi ao longo dos anos que quando você toma uma decisão, isso diminui o medo; saber o que deve ser feito elimina o medo.”

“As pessoas sempre dizem que eu não desisti do meu lugar porque estava cansada, mas isso não é verdade. Não, o meu único cansaço era estar cansada de ceder.”

“Eu gostaria de ser lembrada como uma pessoa que queria ser livre … para que outras pessoas também fossem livres.”

“Eu não tinha ideia de que a história estava sendo feita.”

“Uma oportunidade estava sendo dada a mim para fazer o que eu tinha pedido aos outros para fazer.”

“Eu não queria ser maltratada, não queria ser privada de um assento pelo qual eu paguei. … Eu não planejei ser presa. Eu tinha muito o que fazer sem ter que acabar na cadeia. Mas quando tive que enfrentar essa decisão, não hesitei em fazê-lo porque senti que tínhamos suportado isso por muito tempo. Quanto mais cedíamos, mais aceitávamos esse tipo de tratamento, mais opressivo se tornava.”

“Há trabalho a fazer; é por isso que não consigo parar ou ficar parada. Enquanto uma criança precisar de ajuda e as pessoas não forem livres, haverá trabalho a fazer. Enquanto uma pessoa idosa for atacada ou precisar de apoio, há trabalho a fazer. Enquanto tivermos intolerância e crimes, temos trabalho a fazer.”

Leia também:  Não se culpe por querer satisfazer o próprio interesse

“Nós não tínhamos nenhum direito civil. Era apenas uma questão de sobrevivência, de existir de um dia para o outro. Lembro-me de ir dormir ouvindo a Klan à noite, ouvindo um linchamento e com medo de que nossa casa queimasse.”

“Estou cansada de ser tratada como uma cidadã de segunda classe.”

“Enquanto as pessoas usarem táticas para oprimir ou restringir outras pessoas de serem livres, há trabalho a ser feito.”

“É preciso mais do que uma pessoa para trazer a paz – todos nós somos necessários.”

“É melhor protestar do que aceitar a injustiça.”

“Eu sempre trabalharei pelos direitos humanos de todas as pessoas.”

“Eu estava pronta para morrer, mas nunca dei meu consentimento. Nunca, nunca.”

“Eu quero ser tratada como um ser humano.”

“Quaisquer que fossem meus desejos individuais, eu não estava sozinha. Havia muitos outros que se sentiam da mesma maneira.”

“Você nem sempre pode controlar o poder. Você só tem que ter fé e defender as coisas em que acredita.”

“Eu sabia que alguém tinha que dar o primeiro passo. Então decidi não me mexer.”

“Eu faço o melhor que posso para encarar a vida com otimismo e esperança, ansiosa por um dia melhor, mas não acho que exista algo como felicidade completa. Dói-me que ainda haja muita atividade Klan e racismo. Eu acho que quando você diz que está feliz, você tem tudo que você precisa e tudo que você quer, e nada mais que desejar. Eu não cheguei a esse estágio ainda.”

“Eu acredito que estamos aqui no planeta Terra para viver, crescer e fazer o que pudermos para tornar este mundo um lugar melhor para todas as pessoas desfrutarem da liberdade.”

Leia também:  A perseguição aos homossexuais pelos governos socialistas (segunda parte)

“Quando as pessoas decidiram que queriam ser livres e agiram, então houve uma mudança.”

“Passei mais da metade da minha vida ensinando amor e fraternidade, e sinto que é melhor continuar a tentar ensinar ou viver a igualdade e o amor do que seria ter ódio ou preconceito. Todos vivendo juntos em paz, harmonia e amor – esse é o objetivo que buscamos, e acho que quanto mais pessoas houver com esse estado de espírito, melhores todos seremos.”

“Eu gostaria de ser conhecido como uma pessoa que está preocupada com a liberdade e a igualdade, a justiça e a prosperidade para todas as pessoas.”

“Se você quer ser respeitado por suas ações, então seu comportamento deve estar acima de qualquer reprovação. Se nossas vidas demonstram que somos pacíficos, humildes e confiáveis, isso é reconhecido pelos outros.”

“O racismo ainda está conosco. Mas cabe a nós preparar nossos filhos para o que eles têm de cumprir e, esperançosamente, vamos superar.”

“As pessoas precisam libertar suas mentes do preconceito racial e acreditar na igualdade para todos e na liberdade, independentemente da raça. Seria bom que todas as pessoas fossem tratadas de forma igual e justa e não discriminadas por causa de raça ou religião ou qualquer coisa que as torne diferentes das outras.”

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!