Se queremos acabar com a corrupção, antes precisamos acabar com governos fascistas como foi o petista

Há os que criticam a Lava Jato por violar o Estado de Direito e por reproduzir nas suas ações o autoritarismo só encontrado em regimes fascistas.

Autoritarismo é quando o governo restringe a liberdade do indivíduo e fascismo é quando o governo se agiganta de tal maneira que a livre iniciativa se vê sufocada por regulação e tributação extremadas, sendo ainda a propriedade privada violada constantemente e o indivíduo tratado como escravo do Estado alegadamente a serviço da sociedade.

No Brasil, o fascismo foi adotado na Constituição de 1988 e ao longo desses 31 anos de vigência nenhum governo foi mais fascista do que o governo petista.

Esses que querem acusar o juiz Sérgio Moro ou os procuradores da Lava Jato de autoritários fascistas esquecem que seu alvos não eram e não são cidadãos comuns, mas sim, agentes do próprio estado, protegidos por privilégios de toda ordem.

Leia também:  Começou o jogo. E agora?

A busca por justiça no âmbito dessa operação não confronta nem confrontou quem não fosse agente do governo ou a eles estivessem vinculados. O objeto das suas ações visavam atingir maus agentes do governo e aqueles que voluntária ou involuntariamente se beneficiaram indevidamente.

Os procuradores e juízes da Lava Jato agiram em nome dos cidadãos comuns e trabalharam na caça dos corruptos para identificá-los, investigá-los, julgá-los e só então, contê-los.

Pode ter havido abusos da parte dos agentes da lei na tentativa de desbaratar a quadrilha formada por agentes públicos e empresários, mas não é isso que caracterizaria o autoritarismo fascista que prevalece na política brasileira.

O autoritarismo fascista se torna evidente quando vemos a facilidade com que crimes de corrupção são praticados envolvendo os governos no Brasil em todas as esferas e em todos os seus níveis de poder.

Leia também:  Dicionários e um guarda-chuva quebrado

Desde a existência do foro privilegiado até o grau abusivo de regulação e tributação que impedem a existência de um livre mercado, vê-se que o fascismo autoritário já existia, mesmo antes da instauração da Lava Jato.

Estado de Direito nunca existiu no Brasil.

Nossa própria constituição veda que o Estado de Direito seja um dos pilares da nossa república chegando ao ponto de incluirmos a todo momento o predicado democrático entre Estado e Direito para agradar e iludir as massas evitando que elas percebam que na realidade vivemos sob um estado fascista autoritário.

Governo fascista e autoritário existe naquelas sociedades que escolheram ou, letargicamente, aceitaram viver sob um regime socialista onde a democracia serve para coagir pela força a menor minoria que há, o indivíduo, com o propósito único de transformar o Estado num veículo de extorsão para transferir a riqueza de quem produz para os vilões que governam o país, seja às claras ou seja na clandestinidade via corrupção.

Leia também:  Políticos, juízes e burocratas devem ser monitorados por órgãos de controle

Se queremos acabar com a corrupção, antes precisamos acabar com o fascismo que caracteriza a nossa nação.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!