fbpx

Por que nunca deu certo colocar um pseudo interesse coletivo acima dos direitos individuais?

Os coletivistas resolveram invadir a minha praia para defender a decisão esdrúxula do STF. Alguns educadamente e tentando esgrimir argumentos, outros ofendendo e fazendo pirraça – estes já foram devidamente barrados do baile.

O argumento central da turma é o velho mantra de que o interesse coletivo deve se sobrepor ao individual. No fundo, estão dizendo que me forçar a tomar uma vacina é um direito deles. Por que então perder tempo com informação, persuasão ou convencimento, se podem usar a força do estado para nos coagir a fazer o que acham certo?

O que lhes faz pensar que têm o direito moral de se apropriar do meu corpo para benefício deles ou de terceiros é ainda uma incógnita para mim.

Tampouco enxergam que este é um caminho muito perigoso, afinal, se o estado é dono do nosso corpo, nada impede que, amanhã, ao invés de nos injetar compulsoriamente uma vacina, ele resolva retirar alguma coisa, transformando-nos em “doadores” de sangue compulsórios, ou mesmo, para levar o argumento ao extremo, em “doadores” vivos de rins.

Sim, porque se o fato de haver muita gente precisando de sangue ou de um transplante pode ser traduzido como “interesse coletivo”, o rol de coisas que o estado pode fazer com nossos corpos, contra a nossa vontade, é quase infinito.

Olha, pessoas: as experiências coletivistas pelo mundo já deveriam ter mostrado que esse negócio de colocar um pseudo interesse coletivo – definido por meia dúzia de iluminados – acima dos direitos individuais mais comezinhos, como liberdade e propriedade, nunca deu certo.

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad é administrador de empresas formado pela FGV-RJ, profissional liberal (consultor de empresas) e diretor do Instituto Liberal. Escreve para vários periódicos como os jornais O Globo, Zero Hora e Gazeta do Povo.