Por que o julgamento do Lula se transformou em todo esse espetáculo circense?

Segundo notícia, “a juíza Luciana Correa Torres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, determinou a penhora dos bens da OAS; o detalhe é que um dos ativos penhorados é justamente o tríplex que a Lava Jato diz que pertence ao ex-presidente Lula”.

A juíza do DF não examinou o processo  do tríplex contra Lula, apenas se baseou em procedimentos jurídicos normais de suas funções, intuindo  que o imóvel ainda pertencia a OAS, empresa em processo falimentar. Por outro  lado, a determinação da juíza não é de caráter absoluto.  Não  é irreparável.

No Rio de Janeiro, por exemplo, juízes têm se posicionado por suas convicções acerca de cometimentos ilícitos de cidadãos, no entanto, o ministro do STF Gilmar Mendes – certo ou errado – tem derrubado todas as decisões.

Leia também:  Bolsonaro é o que é

Assim, crime  sem cadáver é um delírio da claque petista. Peitar o Judiciário de forma imoral, conclamando MST e outros desordeiros, é  extrapolar o exercício democrático. Os demais cidadãos, democraticamente, respeitam as decisões do Judiciário. Por que o julgamento do Lula se transformou em todo esse espetáculo circense? Lula não está acima da lei e nem é melhor do que ninguém.

Um elemento que enriqueceu só vivendo da política, já é o bastante para não ter credibilidade. Veja, a Justiça bloqueou cerca de 9 milhões de reais de Lula, aplicados em BrasilPrev, por suspeita de origens ilícitas. Qual o trabalhador honesto que consegue poupar na vida tal quantia?

Leia também:  O defeito do conservadorismo (primeira parte)

No país há milhares de imóveis não registrados em nome de seus proprietários (Registro de Imóvel), por razões as mais diversas, inclusive para esconder o nome do verdadeiro titular. Acordos de gaveta e outros especiosidades, no ramo imobiliário, não é novidade. Lula é muito esperto na tentativa de enganar incautos.

Léo Pinheiro/OAS  declarou ao juiz Sérgio Moro que  Lula era o proprietário oculto do tríplex no Guarujá e que reformou o imóvel a pedido dele e de sua falecida esposa. Mas Lula, na maior cara de pau, disse ao juiz Sérgio Moro que não sabia da reforma no tríplex.

Leia também:  1964: passados todos esses anos, o que há para se comemorar?

Portanto, julgamento sem prova, uma ova. Caras pálidas, as provas estão todas nos autos, atestadas que foram pelo competente juiz Sérgio Moro e equipe.

Sobre o autor: Júlio César Cardoso é Bacharel em Direito e servidor federal aposentado.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!