O que muitos políticos não entendem sobre o porte de armas

Quando Samuel Colt começou a vender revólveres, bandidos e mocinhos resolveram adquirir a nova arma. Os bandidos para atacar e os mocinhos para defender.

O revólver permitiu que um único mocinho ou mocinha fosse capaz de defender qualquer um que estivesse ameaçado pelas armas de bandidos. Ainda hoje, passados mais de 280 anos desde a invenção do revólver, há governantes que não entenderam essa lógica.

Portar armas é uma pequena infração se comparada com roubo ou assassinato. Ora, bandidos dispostos a roubar ou assassinar não se sentirão intimidados por leis que proíbem o porte de armas. Pelo contrário, aproveitarão esse tipo de lei para arriscarem-se ainda mais, sabendo que aqueles que obedecem a lei não se armarão para não violá-la, tornando-se, então, vítimas indefesas, obviamente.

Quando um bandido armado ameaça dezenas de inocentes, basta um mocinho ou mocinha com uma arma para evitar que uma ameaça se transforme numa tragédia.

Leia também:  Salário Versus Gênero: o que a Globo quer como "solução" é Nazismo

Existe tragédia maior do que haver gente com poder para legislar que não entende essa lógica?

Sim, existe, aquelas tragédias que ocorrem porque há legisladores com o poder de impedir que as pessoas usem tudo que estiver ao seu alcance para defenderem suas vidas e as vidas dos outros contra bandidos que querem atacá-las.

Inclusive, contra os bandidos que fazem leis.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Reflexões liberais para a regulação dos fundos de investimento e financiamentos estruturados