O que muitos políticos não entendem sobre o porte de armas

Quando Samuel Colt começou a vender revólveres, bandidos e mocinhos resolveram adquirir a nova arma. Os bandidos para atacar e os mocinhos para defender.

O revólver permitiu que um único mocinho ou mocinha fosse capaz de defender qualquer um que estivesse ameaçado pelas armas de bandidos. Ainda hoje, passados mais de 280 anos desde a invenção do revólver, há governantes que não entenderam essa lógica.

Portar armas é uma pequena infração se comparada com roubo ou assassinato. Ora, bandidos dispostos a roubar ou assassinar não se sentirão intimidados por leis que proíbem o porte de armas. Pelo contrário, aproveitarão esse tipo de lei para arriscarem-se ainda mais, sabendo que aqueles que obedecem a lei não se armarão para não violá-la, tornando-se, então, vítimas indefesas, obviamente.

Quando um bandido armado ameaça dezenas de inocentes, basta um mocinho ou mocinha com uma arma para evitar que uma ameaça se transforme numa tragédia.

Leia também:  Sobre a cobrança de impostos das Igrejas

Existe tragédia maior do que haver gente com poder para legislar que não entende essa lógica?

Sim, existe, aquelas tragédias que ocorrem porque há legisladores com o poder de impedir que as pessoas usem tudo que estiver ao seu alcance para defenderem suas vidas e as vidas dos outros contra bandidos que querem atacá-las.

Inclusive, contra os bandidos que fazem leis.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  A imoralidade da interrupção de mandato político