Não existe “eleitor voto útil”, existe eleitor voto “Maria vai com as outras”

O eleitor “Maria vai com as outras” segue uma lógica própria totalmente irracional. Ele pensa assim: “Eu acho ele o melhor candidato, mas não voto nele porque ele não vai receber voto de ninguém.” O eleitor “Maria vai com as outras” vota com as pesquisas. Ou seja, ele prefere seguir a opinião alheia, em vez […]

O eleitor “Maria vai com as outras” segue uma lógica própria totalmente irracional. Ele pensa assim: “Eu acho ele o melhor candidato, mas não voto nele porque ele não vai receber voto de ninguém.”

O eleitor “Maria vai com as outras” vota com as pesquisas. Ou seja, ele prefere seguir a opinião alheia, em vez de seguir a sua própria consciência. Se ele não segue a sua própria consciência, como ele vai influenciar a consciência alheia, mesmo sabendo que seu candidato tem as melhores ideias? Não vai.

É assim que funciona o eleitor “Maria vai com as outras”, ele boicota o seu próprio candidato porque acha que ele não tem chance. E pior, ainda promove isso.

Leia também:  A bolha progressista não entende o crescimento de Bolsonaro, mas foi ela quem pariu tudo isso

É o efeito manada, como funciona quando alguém influente diz que a bolsa de valores vai cair amanhã e ela cai porque as pessoas venderam suas ações com medo que a bolsa caísse.

Quando é que o povo vai aprender que o menos pior é sempre aquele que melhor representa as ideias que acreditamos?

Número de votos é algo que se constrói com militância. Votos mudam para mais ou para menos, o que não muda é pensamento de candidato.

Pense bem, escolha o candidato não pela hipotética chance de ganhar que você acha que ele tem ou pelo que dizem essas pesquisas que só mostram o passado.

Leia também:  O que pode ocorrer com a economia brasileira em 2018?

Escolha o seu candidato pelo que é certo escolher, as ideias que ele defende e que deverão construir o resultado futuro, aquele que pesquisa nenhuma, muito menos você, podem prever.

Resultado de urna não se prevê, resultado de urna se trabalha para fazer acontecer.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Roberto Rachewsky no Patreon!
Leia também:  A relação de Roberto Marinho com comunistas e militares