Governos não têm direito à privacidade

Ou se tem uma sociedade civilizada, baseada na privacidade de seus membros, ou se tem um governo bisbilhoteiro. Os dois, ao mesmo tempo é impossível.

Da mesma forma, ou se tem um governo transparente, onde tudo que lhe diz respeito é do conhecimento público, ou a sociedade não tem controle sobre ele.

Numa sociedade privada e civilizada o governo está a serviço do indivíduo que lhe demandar proteção contra atos violentos.

Numa sociedade onde o governo sonega informações, como saber se ele está respeitando os princípios para os quais foi instituído? Não tem como.

Leia também:  "Pedofilia — doença ou crime": a estratégia de aceitação do inaceitável

É curioso ver um governo que carregava a bandeira da transparência, prometendo a abertura de caixas-pretas, reforçar o sigilo do que será feito com a coisa pública.

Ora, se a coisa é pública, que pública se mantenha.

Governos servem para defender a vida dos indivíduos e seus direitos corolários, mas governos não podem ter vida própria, não podem ter a liberdade de fazer o que bem entendem e não lhes cabe ser proprietário de nada.

Governos não têm direito à privacidade, porque tratam da “res publica”, das coisas do povo.

Leia também:  Incentivos políticos fazem parlamentares atacarem a Lei de Responsabilidade Fiscal

Se o povo não tem acesso ao que o governo faz com o que é seu, lhe restará apenas o direito à ignorância.

É com a ignorância do povo que os governos perpetram as maiores atrocidades.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  "O Estado de Direito": lançado livro de cofundador do Instituto Liberal