Desafio aos socialistas

Este texto é um repto aos socialistas de todos os matizes e colorações, do rosa claro ao vermelho mais tinto. É dirigido àqueles que se opõe ao sistema econômico de liberdade de mercado, que seu maior adversário histórico, Karl Marx, alcunhou de Capitalismo. Nunca no transcorrer da humanidade houve tanto progresso material e científico quanto […]

Este texto é um repto aos socialistas de todos os matizes e colorações, do rosa claro ao vermelho mais tinto. É dirigido àqueles que se opõe ao sistema econômico de liberdade de mercado, que seu maior adversário histórico, Karl Marx, alcunhou de Capitalismo.

Nunca no transcorrer da humanidade houve tanto progresso material e científico quanto no período de vigência do Capitalismo, isto é, desde a chamada Revolução Industrial, até os dias de hoje.

Entre outros desenvolvimentos, benéficos ao gênero humano, promovidos pelo Capitalismo podem ser citados: a tecelagem mecânica, a máquina a vapor, o telégrafo, a eletricidade, o refino do petróleo e derivados, o automóvel, o raio-X, o avião, as máquinas de refrigeração e aquecimento ambientais, o cinema, a penicilina e demais antibióticos, todos os tipos de medicamentos, a conservação de alimentos, a liofilização, o rádio, a televisão, o telex, as máquinas de impressão gráfica, a mecanização agrícola, o computador, a internet e assim tantas invenções e descobertas que geraram o fantástico ambiente de saúde e conforto material com que a humanidade convive hoje em dia.

Nenhum desses progressos nasceu ou floresceu em ambientes de socialismo real, como a União Soviética, a China maoista, Cuba, Coréia do Norte, a Venezuela bolivariana ou regimes similares. Todos foram produto de propriedade privada e liberdade de empreender promovidas pelas democracias ocidentais.

Essas as razões de meu repto aos socialistas. E ele é, finalmente, desafiá-los a apresentarem um único, nada mais do que um, e mero progresso científico ou material que seu endeusado sistema social tenha promovido em benefício da humanidade.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Ney Carvalho no Patreon!