A maior revolução liberal no governo Bolsonaro virá da Secretaria da Alfabetização do MEC

A maior revolução liberal que o governo Bolsonaro poderá produzir não virá de Paulo Guedes no Ministério da Economia.

Virá da Secretaria da Alfabetização do MEC com Carlos Francisco de Paula Nadalim, que se propõe a substituir o pragmático método construtivista de ensinar a ler e escrever através da decoreba de sílabas e palavras, pelo método fônico ou fonético.

Quem diria, eu apoiando um indicado por Olavo de Carvalho.

Só a mudança no método de alfabetização já produzirá uma revolução epistemológica.

Será o início do fim do analfabetismo funcional.

O método fônico ensina o código visual-auditivo na sua essência. Quem apreende a forma e o som de cada letra está apto a identificar, reproduzir, produzir ou combinar qualquer vocábulo de qualquer língua que se baseie no alfabeto.

No português brasileiro, é necessário aprender 34 fonemas, no espanhol, 29, no francês 37 e no inglês 44, inclusive aquela combinação de t com h que nos faz soprar com a língua entre os dentes para produzir aquele semi-som esquisito, como em “tooth”.

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: Charles-Louis de Secondat, barão de Montesquieu

Quem aprende os fonemas um-a-um, se torna uma espécie de Alan Turing da linguística, consegue decifrar ou produzir qualquer mensagem de forma autônoma e independente.

Não há nada mais libertador do que poder conectar a própria mente com a realidade através da palavra.

A palavra é o veículo que coloca os perceptos à disposição da nossa mente para serem processados com a nossa própria inteligência.

É claro que não basta aprender a lidar com as letras, há que se aprender a lidar com as palavras, daí a importância da gramática.

Saber fonética e gramática é necessário mas não é suficiente, é preciso saber lidar com o pensamento, para a devida identificação, classificação, integração e abstração na formulação das ideias. Para tal, é preciso também aprender lógica.

Leia também:  Mil placas distribuídas em manifesto a favor do crime na Cinelândia

Fonética, gramática e lógica servem para se criar conhecimento. No entanto, para transmiti-lo de forma convincente, é preciso dominar a retórica.

Pronto, aí está um currículo básico para as escolas fundamentais: fonética, gramática, lógica e retórica.

Mas compreender e descrever os concretos que percebemos ou imaginamos também não é suficiente para vivermos nesse mundo.

Além das identidades, precisamos lidar com as quantidades. Por isso, precisamos também da matemática.

Agora, para o povo brasileiro voltar a pensar por si, não adianta apenas fonética, gramática, lógica, retórica e matemática. É preciso estimular a imaginação e a criatividade com as artes, desenvolver corpos saudáveis com os esportes, contextualizar a nossa existência com matérias como geografia, filosofia e história.

É preciso também desenvolver noções de como funcionam as leis da natureza, para isso aprende-se astronomia, física e química. E porque não, higiene e economia.

Leia também:  Sobre a doação para a reconstrução da Catedral de Notre-Dame

Educação para a cidadania exige que a escola seja livre da coerção do Estado, o que só poderá ocorrer com a privatização imediata, ampla, geral e irrestrita de toda a cadeia produtiva envolvida com o ensino, inclusive e principalmente com o fechamento do MEC.

Alfabetização pelo método fonético, educação pelo método montessoriano, complementado pela filosofia Objetivista, favorece a objetividade e prepara o indivíduo para desenvolver as virtudes necessárias para uma vida digna, como a racionalidade, produtividade, honestidade, integridade, independência, justiça e orgulho.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!