fbpx

A guerra às drogas é uma causa perdida?

Parece óbvio para a maioria dos liberais que o Estado deva interferir o menos possível nas escolhas das pessoas. Porém, além de razões ideológicas, os liberais também têm questões de saúde pública quando a questão é a guerra às drogas.

Em um recente artigo publicado pela National Bureau of Economic Research, os economistas Mark Anderson e Daniel Rees revisaram dezenas de publicações científicas que analisavam leis anti-maconha e suas consequências gerais para a saúde da população. Em poucas palavras, eles encontraram três questões relacionadas à saúde pública em caso de descriminalização que vamos discorrer ao longo deste texto.

A maconha traz resultados negativos à saúde do usuário – e isso é algo que todo mundo que decida usar deveria ter em mente, mas por si só ela não causa a morte de ninguém. Por outro lado, o fumo do tabaco está diretamente ligado ao câncer de pulmão, que vitima cerca de 30 mil brasileiros todos os anos. Dessa forma, algo que reduza o consumo do cigarro tradicional é bem-vindo.

Pois bem, este é justamente o caso da maconha. Um dos estudos citados por Anderson e Rees encontrou evidências de que a “legalização da maconha causou uma redução de 12% na demanda por cigarros tradicionais”. O mesmo efeito ocorre com o consumo de álcool: nos estados americanos onde foi dada a liberdade aos cidadãos de consumir a erva, a demanda por bebidas alcoólicas foi reduzida em 20%, o que levou a uma queda entre 13% a 15% nas vítimas fatais em acidentes de trânsito relacionado ao consumo alcoólico.

Por último há as vítimas na guerra às drogas que, além de matar, também causam encarceramento em massa (um terço dos presos no Brasil é por tráfico). Esse ponto é muito óbvio: se não há mais troca de tiros entre o BOPE e traficantes de maconha, logo cadáveres param de surgir. Porém, o interessante é que a redução vai além dos crimes relacionados ao tráfico. Nos locais onde a legalização da maconha ocorreu, houve uma redução de até 30% em estupros e até 20% em roubos. De maneira geral, a criminalidade foi reduzida em 19%.

Não faltam indícios de que a guerra às drogas parece ser uma causa perdida. Aliás, também não faltam evidências de que ela é danosa, especialmente para os mais pobres. Por que nos comportamos como soldados japoneses em uma ilha no Pacífico Sul que não aceitam a derrota?

Um dos entraves ao fim da guerra às drogas é que tem muita gente poderosa lucrando com a proibição, da mesma forma que Al Capone lucrava com a Lei Seca 100 anos atrás. Só não vê quem não quer.

*Artigo publicado originalmente por Conrado Abreu na página Liberalismo Brazuca no Facebook.

Fontes: https://www.nber.org/papers/w28647

https://g1.globo.com/politica/noticia/um-em-cada-tres-presos-do-pais-responde-por-trafico-de-drogas.ghtml

https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-pulmao#:~:text=No%20Brasil%2C%20a%20doen%C3%A7a%20foi,desenvolvimento%20de%20c%C3%A2ncer%20de%20pulm%C3%A3o

https://fee.org/articles/marijuana-legalization-has-3-life-saving-public-health-benefits-new-study-finds/

https://www.theguardian.com/world/2018/jan/14/legal-marijuana-medical-use-crime-rate-plummets-us-study

https://www.otempo.com.br/cidades/helicoptero-da-familia-perrella-e-apreendido-com-445kg-de-cocaina-1.751319

https://noticias.r7.com/minas-gerais/zeze-perrella-afirma-ser-ironia-audio-em-que-diz-que-so-trafica-drogas-30052017

Instituto Liberal

Instituto Liberal

O Instituto Liberal é uma instituição sem fins lucrativos voltada para a pesquisa, produção e divulgação de idéias, teorias e conceitos que revelam as vantagens de uma sociedade organizada com base em uma ordem liberal.