fbpx

A falácia da intimidação no debate público

Uma das coisas mais complicadas que se pode encontrar no debate público é a falácia da intimidação.

Quando apresentamos um argumento composto de premissas baseadas em fatos e conclusões abstratas elaboradas a partir da integração dessas premissas com a da lógica, sempre aparece alguém para tentar desvalorizar a proposição por meio de uma postura intimidatória.

Não importa provar que os argumentos são inválidos por erro nas premissas ou na metodologia aplicada. O foco desses intimidadores nunca são os argumentos apresentados, mas quem ousou apresentá-los.

Ofensas, rótulos degradantes sem sentido, adjetivos pejorativos, questionamentos retóricos, entre outros recursos que visam a desviar a atenção do debate produtivo, são os instrumentos dos impotentes intelectuais que não conseguem elaborar pensamentos capazes de contrapor a proposta original.

O mesmo acontece com quem refuta com consistência empírica e lógica uma proposição falaciosa. O refutado enraivecido xinga, às vezes, com falsa elegância, tenta diminuir quem o refutou com a verdade.

Há exemplos óbvios de intimidações falaciosas como chamar alguém de “negacionista” quando a pessoa se recusa a aceitar algo arbitrário, não derivado da observação da realidade e nem suportado por silogismos e integrações válidas.

Há também intimidações sutis, como quando alguém, sem argumentos próprios que superem o que está sendo contestado, resolve recomendar a leitura de um livro específico, sem dizer no que o livro mudaria o que estava em discussão. Ora, isso nada mais é do que jogar a toalha na luta intelectual que está sendo travada através de uma falácia manjada.

Comigo isso aconteceu num programa de rádio. Meu interlocutor, sentindo-se encurralado, resolveu me dizer que eu deveria ler um determinado livro, como se eu não tivesse informação suficiente para suportar a minha ideia e contestar com fatos e lógica o que o outro contra-arguía.

Fui claro e direto na minha reação ao que parecia ser uma boa ação do meu oponente no debate. Disse que ele estava tentando me fazer passar por ignorante e que jamais aceitaria ser intimidado.

Roberto Rachewsky

Roberto Rachewsky

Empresário e articulista.

Deixe uma resposta