40 livros importantes para se compreender o mundo pós-moderno

Eu debatia com um “liberal” quando, cansado de ser acusado de só me informar pela FoxNews ou Breitbart (o que já seria infinitamente melhor do que pela CNN ou NYT), resolvi lhe oferecer uma lista de livros que considero excelentes para explicar o mundo pós-moderno.

O adversário é o típico “liberal” entre aspas, que flerta com o libertarianismo radical, repudia o conservadorismo (que chama sempre de reacionarismo), e acha que a tese de que a esquerda vem se radicalizando e dominando a imprensa e as universidades para subverter os valores ocidentais, ou seja, que o “marxismo cultural” em curso, não passa de teoria conspiratória da direita religiosa maluca ou oportunista.

Em outras palavras: o sujeito é um inocente útil da esquerda, que acaba, em nome do liberalismo, pregando bandeiras erradas ou amenizando ataques à liberdade arquitetados pela esquerda radical. É do tipo que sempre encontra o “lado bom” para defender Obama, mas só tem coisas terríveis para falar de Trump. Um “isentão” que invariavelmente acaba alimentando o esquerdismo, querendo ou não.

Como preparei a lista para ele, não há porque não divulgá-la aqui, para todos os leitores. Percebo que muita gente ainda não acordou para a “guerra cultural” em curso, e mesmo muitos “liberais” cedem espaço demais para a esquerda por acharem que é paranoia dos “reacionários” esse papo de “globalismo”, de ONU manipulada, de “revolução das vítimas” e “marcha dos oprimidos”, cujo denominador comum é sempre o mesmo: detonar o “homem branco cristão ou judeu”, desprezar a civilização ocidental e seu legado.

Segue, portanto, a lista de 40 livros que julgo imperdíveis para se compreender melhor o mundo pós-moderno em que vivemos:

1. Watermelons – James Delingpole

Para entender como o movimento ambientalista foi tomado pela ideologia de esquerda e subverteu a ciência.

2. Anything Goes – Theodore Dalrymple

Na verdade, recomento todos os livros do autor! Mostram como o relativismo moral tem solapado a responsabilidade individual e contribuído para o vitimismo dos marginais em nossa sociedade, entre tantas outras coisas.

3. The Tyranny of Cliches – Jonah Goldberg

Do mesmo autor do também excelente Fascismo de Esquerda, esse livro mostra como a esquerda tem substituído os debates honestos por rótulos e slogans vazios ou frases de efeito, sempre monopolizando as virtudes e demonizando os adversários.

4. Hollywood hypocrites – Jason Mattera

Como o nome já diz, expõe a hipocrisia das celebridades, que se tornaram máquinas de disseminação do “progressismo” radical.

5. Do as I say (not as I do) – Peter Schweizer

Vai na mesma linha do de cima, mostrando como essa turma prega uma coisa e faz outra diametralmente oposta na prática. Os famosos, o “beautiful people”, transformaram-se nos principais propagadores dos “desvalores” da esquerda, influenciando a vida de milhões de pessoas.

6. United in Hate – Jamie Glazov

O livro explica bem o que une gente aparentemente tão diferente. Mas há o denominador comum: eles odeiam o capitalismo liberal, os valores tradicionais da civilização ocidental. Aproximam-se por causa do ódio que compartilham.

7. Dupes – Paul Kengor

Ao mostrar como tanta gente, especialmente os “intelectuais”, aceitaram agir como massa de manobra dos comunistas, Kengor desenha o mecanismo que seduz, até hoje, os idiotas úteis da esquerda radical.

8. Coming Apart – Charles Murray

Livro fundamental para entender o distanciamento cada vez maior entre a elite que vive numa bolha “progressista” e o povão que costuma pagar a conta de suas ideias insanas, como cobaias de experimentos utópicos fracassados.

9. Obama’s Zombies – Jason Mattera

O livro retrata o absurdo caso de amor de tantos intelectuais e jornalistas com o ex-presidente americano, mostrando como esse viés patético impedia uma análise minimamente objetiva dos fatos.

Leia também:  As estatais no Brasil não servem nem para serem privatizadas

10. Tales From the Left Coast – James Hirsen

Mostra algumas bandeiras fanáticas da esquerda radical que passaram a ser consideradas normais ou moderadas, enquanto as coisas mais normais do mundo há uma ou duas gerações são hoje tidas como bizarras. Dou um exemplo em Esquerda Caviar com base no livro:

Agora um exército de soldados antitabagistas invadiu Hollywood e convenceu alguns dos principais tomadores de decisão da cidade a eliminar cenas “ofensivas” de fumo dos filmes. Profanação? Sem problemas. Sangue e tripas por toda a tela? Uma necessidade artística. Crianças fazendo sexo com múltiplos parceiros no refeitório da escola? Inofensivo. Mas fumar? Isso sim é muito fora dos limites!

11. Unholy Alliance – David Horowitz

Mencionei esse livro hoje mesmo, num texto sobre a aliança profana entre esquerda e Islã. Horowitz foi da esquerda radical, e por isso mesmo conhece muito bem e de dentro o que está em jogo, como essa gente opera, o que deseja.

12. Filho do Hamas – Mosab Hassan Yousef

Esse relato biográfico, além de tocante, mostra muito bem a lavagem cerebral que os palestinos sofrem desde cedo, aprendendo a odiar com todas as forças os judeus e Israel. Mas a esquerda toma sempre o lado dos palestinos…

13. Tower of Babble – Dore Gold

E a ONU também! A ONU passou a ser o grande instrumento desse “globalismo” orquestrado pela esquerda. Esse livro, escrito por um diplomata israelense, comprova o absurdo viés da instituição, que encara a pequena nação judaica, a democracia mais próspera e livre do Oriente Médio, como o maior vilão da humanidade. O que está por trás disso?

14. Infiel – Ayaan Hirsi Ali

A biografia de uma somali muçulmana expõe o atraso e a barbárie que predominam em muitos países dominados por essa religião, mas como ela mesma diz, qualquer crítica a isso é logo tratada como “islamofobia”. Por que será?

15. The Long March – Roger Kimball

Parte da explicação está na ocupação das universidades pela esquerda radical, na revolução cultural empreendida pelos radicais, como mostra Kimball nesse livro. A esquerda vem dominando a “educação” há décadas, com efeitos nefastos sobre a formação das novas juventudes.

16. Why the West is Best – Ibn Warraq

Apesar de todo ataque concentrado e tendo como inimigo comum o Ocidente, o fato permanece intacto: trata-se da civilização mais avançada que já existiu, com ampla garantia de liberdades individuais. Quem reafirma essa verdade, mascarada pelo relativismo cultural, é um intelectual de origem islâmica.

17. Political Pilgrims – Paul Hollander

Hollander mostra como intelectuais alienados, inconformados com a sociedade em que vivem, com o mundo real como ele é, partem para utopias perigosas. A transformação da política na nova religião é um fenômeno conhecido, e esse livro é um dos que analisam bem isso.

18. The Victims’ Revolution – Bruce Bawer

Bawer utiliza vasta base de dados para provar que a Academia se tornou um antro da “marcha dos oprimidos”, tudo sendo ditado com essa ideia em mente. As “minorias” mostraram a força imbatível da “fraqueza”, do vitimismo. Detalhe: o autor é gay.

19. Demonic – Ann Coulter

Bebendo no esquerdismo radical desde a Revolução Francesa, Coulter mostra o lado do Mal por trás desses movimentos revolucionários coletivistas, que buscam destruir o indivíduo. É a Legião bíblica agindo por meio de bárbaros alienados ou intelectuais raivosos.

20. Bullies – Ben Shapiro

O bullying é totalmente condenado hoje, até com claros exageros, desde que o alvo não seja um conservador. Shapiro mostra como a esquerda tem tentado intimidar seus oponentes. E ele sabe do que está falando: praticamente não consegue mais fazer palestras em universidades, pois é sempre alvo de “protestos” violentos.

Leia também:  O messianismo antiliberal em torno de Jair Bolsonaro

21. Spring Fever – Andrew McCarthy

O autor expõe a farsa da “Primavera Árabe”, que encantou tantos “especialistas”, jornalistas e políticos do mundo todo, que achavam que a democracia “liberal” ia finalmente vingar nos países árabes. McCarthy mostra como o Islã radical se infiltrou no Ocidente, com muitos recursos, para condenar como “islamofobia” toda crítica e ainda disseminar suas crenças extremistas.

22. Radicais nas Universidades – Roger Kimball

Mais um livro excelente de Kimball sobre como os socialistas conquistaram mais e mais espaço nas universidades, e até ex-terroristas viraram professores “respeitados” como se fosse a coisa mais normal do mundo.

23. The Intolerance of Tolerance – D.A. Carson

O teólogo canadense mostra como, por trás do discurso de tolerância, esconde-se hoje uma profunda intolerância para com tudo que não é esquerdismo radical, seguindo a cartilha politicamente correta. Obriga-se todos a concordar com as mesmas coisas, caso contrário o rótulo de “intolerante” é logo aplicado.

24. Our Culture, What’s Left of It – Theodore Dalrymple

Como já disse, leiam Dalrymple! É sempre fantástico. E, nesse caso, ele analisa o debacle de nossa cultura, como ela vem sendo destruída por aqueles que odeiam a beleza, o certo, o melhor.

25. Maquiavel pedagogo – Pascal Bernardin

O livro expõe a completa subversão dos modelos de ensino mundo afora, mostrando como os “pedagogos”, inspirados em revolucionários como Paulo Freire, deturparam os valores clássicos da educação. Virou tudo doutrinação ideológica!

26. The War on Men – Suzanne Venker

Um pequeno livro que explica como o feminismo moderno virou, na prática, apenas um ataque odiento aos homens, transportando o conceito esquerdista de “luta de classes” para dentro dos lares das famílias.

27. Why the Jews? – Dennis Prager & Joseph Telushkin

Prager tenta explicar o motivo pelo qual o povo judeu é sempre alvo de perseguição. A leitura serve para mostrar como a judeofobia moderna surgiu na esquerda, pois os judeus têm representado um enorme obstáculo ao seu relativismo moral.

28. Pensadores da Nova Esquerda – Roger Scruton

Scruton disseca os principais nomes da esquerda moderna, mostrando como eles lutaram pelo niilismo, pelo relativismo, para subverter todos os valores básicos de nossa civilização.

29. The Professors – David Horowitz

O autor analisa o perfil de 101 professores de diferentes universidades americanas, e a conclusão salta aos olhos: os radicais tomaram mesmo o sistema! E pior: muitos sequer notaram…

30. The Silent Revolution – Barry Rubin

Esse livro explica o motivo: a esquerda radical fez uma revolução silenciosa, jogando o centro cada vez mais para a esquerda. O que era comunista ontem passou a ser a esquerda moderada de hoje, e o sujeito de centro virou um “ultraconservador”. Estratégia brilhante. JFK, do Partido Democrata, seria tido como um reacionário hoje pelo próprio partido. Era católico e anticomunista.

31. Por trás da mascara – Flavio Morgenstern

Meu amigo Flavio disseca os black blocs e mostra o que está por trás dessas “manifestações” que começam sempre pacíficas e, curiosamente, terminam invariavelmente em pancadaria e quebra-quebra. Os “anarquistas” ironicamente só aparecem para tumultuar “protestos” da esquerda!

32. Explaining Postmodernism – Stephen Hicks

O livro que resume muito do que foi dito até aqui, explicando como a esquerda fez de tudo para instalar o relativismo moral no mundo ocidental, derrubando qualquer crença na verdade, no que é certo ou errado.

33. End of Discussion – Mary Katharine Ham & Guy Benson

Mais um bom livro que mostra como a esquerda vem impedindo o debate, pois rotula os adversários com base em suas supostas intenções malignas, monopolizando assim as virtudes. A tática de intimidação é frequente.

Leia também:  “América Latina: dependência e integração” – O Marxismo de Ruy Marini

34. The Vision of the Anointed – Thomas Sowell

Sowell argumenta que os “ungidos” se sentem as almas mais puras e abnegadas do planeta só por defenderem as bandeiras de esquerda. A visão de mundo estética vale mais do que argumentos e fatos, ou resultados concretos. A arrogância moral dos esquerdistas salta aos olhos.

35. O outro lado do feminismo – Suzanne Venker & Phyllis Schlafly

Novamente Venker, dessa vez com sua tia famosa na luta contra o feminismo, vem mostrar como o movimento se tornou um ataque violento ao casamento, às mulheres conservadores e ao próprio direito de escolha delas. A apologia ao aborto entra aqui também.

36. White Girl Bleed a Lot – Colin Flaherty

O autor mergulha em inúmeros casos de ataques a brancos por negros com o claro componente racial presente, como nos “knockouts”, uma “brincadeira” em que os jovens negros têm que apagar num só golpe algum branco qualquer na rua. Coisas como o Black Lives Matter podem ser melhor compreendidas.

37. The War on Cops – Heather Mac Donald

Seguindo na mesma linha, a autora analisa a verdadeira “guerra contra os policiais” liderada pela esquerda, com a justificativa racial. O objetivo é enfraquecer a ordem, gerar anomia, caos, pintar toda a força policial como racista, o que só interessa aos marginais.

38. Leftism – Erik von Ritter

Um excelente resumo do que é o esquerdismo, essa “doença mental” para alguns, ou “seita fanática” para outros. Desde sempre essa esquerda vem lutando contra as liberdades individuais. O autor foca em Sade e Marcuse.

39. Defeating Jihad – Dr. Sebastian Gorka

O autor compara o terrorismo islâmico de hoje com o comunismo de ontem, mostrando o que pode ser feito para derrotá-lo. E começa pelo resgate da verdade objetiva, pela constatação de que a ameaça existe e tem a ver com o Islã, sempre protegido pela esquerda.

40. The New Vichy Syndrome – Theodore Dalrymple

Olha ele aí de novo! Nesse livro, Dalrymple mostra como o multiculturalismo se tornou uma praga, e que o próprio Ocidente está acuado, sem condições de se defender, de reagir. Os bárbaros não vêm só de fora; vêm de dentro dos portões também!

Com essas leituras, considero realmente impossível uma pessoa com honestidade intelectual continuar rejeitando como “paranoia de reacionário” a tese de que a esquerda trava uma “guerra cultural” que tem no Ocidente, na civilização judaico-cristão, sem principal alvo. São evidências demais, relatos demais, provas demais apontando nessa direção. Temos até muitas confissões nesse sentido!

É a única explicação para que tantas bandeiras aparentemente contraditórias se juntem, tendo um só alvo. Coisas que parecem tão desconexas acabam alimentando movimentos e passeatas pelo mundo todo, e isso é por acaso, pura coincidência? São as mesmas incoerências! Hoje em dia ficou bem fácil identificar um esquerdista típico desses: ele só fala de legalização de aborto e drogas, casamento gay e “minorias”, sempre atacando o Ocidente, o Cristianismo.

Muitos desses livros serviram de base para o meu Esquerda Caviar, mas vários foram lidos depois. Quem quiser se aprofundar mais no assunto, recomendo meu curso “Civilização em Declínio“, em que trato exatamente disso e já com base nesses livros todos.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!