O terrorismo vai à universidade: a educação salvará o mundo?

Dizem por aí que a educação salvará o mundo. Será? Esta semana o Le Monde publicou uma matéria que talvez contradiga essa afirmação. O jornal informa que os estrangeiros recrutados pelo Estado Islâmico são “significativamente mais educados que seus compatriotas”. Segundo uma pesquisa, 43,3% dos terroristas completaram os estudos secundários, 25,4% foram à universidade, 13,5% […]

estado-islamico-escola

Dizem por aí que a educação salvará o mundo. Será? Esta semana o Le Monde publicou uma matéria que talvez contradiga essa afirmação. O jornal informa que os estrangeiros recrutados pelo Estado Islâmico são “significativamente mais educados que seus compatriotas”. Segundo uma pesquisa, 43,3% dos terroristas completaram os estudos secundários, 25,4% foram à universidade, 13,5% não passaram da escola primária e apenas 1,3% se declararam iletrados. Os demais, 16,3%, não deram nenhuma informação a respeito.

Há poucos dias vi alguém enunciando que pessoas que estudam são boas. Isso é tão coerente quanto afirmar que sujeitos que não estudam são maus. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. João Pereira Coutinho já escreveu sobre o Hitler, o leitor. Se no século XVIII a educação auxiliou a prudência política inglesa, também serviu às guilhotinas francesas. Dito de outra maneira, se durante a Revolução Francesa a educação serviu aos escritos de Edmund Burke, também auxiliou Robespierre e Marat. E educação é uma entidade que pode trabalhar tanto para Deus quanto para o Diabo.

Voltando à matéria, ela aponta que “Os recrutas estrangeiros do grupo Estado Islâmico na Síria têm um nível de educação relativamente elevado.” E mesmo assim continuam bárbaros. Pior ainda, às vezes não é a instrução que separa a civilização da barbárie, mas ao contrário, às vezes é precisamente a instrução que molda os tiranos e faz verter sangue inocente. Foi depois de Mao Tsé-Tung conhecer o marxismo que se tornou um facínora; foi após estudar em Paris que Pol-Pot se converteu num déspota; Che Guevara era médico. Duvido que a leitura por si só cause tanto estrago, mas creio firmemente que ela seja capaz de potencializar anseios nefastos.

A pesquisa também ressalta que uma das causas da radicalização muçulmana seria o desemprego. Mas vale lembrar que a escolha é individual. Ninguém degola os ditos “infiéis” por estar desempregado. No Brasil, mesma coisa. Não é por estar desempregado que o jovem se torna traficante, tendo em vista a existência daquele que prefere catar papelão a comercializar entorpecentes. Isso é desculpa. Aliás, mesmo que o fosse, como diz o existencialismo de Sartre, “o importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós.” Isso serve de diversas maneiras.

De acordo com o Le Monde, a proporção de jihadistas que possui maior nível de educação aumenta entre aqueles que desejam executar tarefas administrativas e, pasmem, também entre os candidatos ao suicídio. Só ingênuos acreditam que leitura e estudos fazem as pessoas melhores. O gulag não foi criado por analfabetos.

Mas qual a importância disso tudo para os brasileiros? No momento penso em dois pontos. Primeiro: o terrorismo cresce exponencialmente e nada impede que de uma hora para outra um jihadista mande o Cristo Redentor pelos ares. Segundo: se adultos com diploma universitário podem se tornar homens-bombas, adolescentes rebeldes em formação podem muito bem aderirem a movimentos políticos sectários a partir do incentivo de professores. Por isso a educação liberal é impreterível.

Sorte nossa que os doutrinadores socialistas estão perdendo terreno e que ainda não temos doutrinadores jihadistas. Dada a sacralização do relativismo cultural, não é de se duvidar que o Escola Sem Partido ganhasse uma ramificação chamada Escola Sem Jihadismo. Dessa forma, tal como o Escola Sem Partido é acusado de querer cercear a liberdade de expressão e reflexão, o Escola Sem Jihadismo seria acusado de xenofobia.

Se a beleza salvará o mundo, como afirmou Dostoievsky, eu não sei, mas sei que a educação pode muito bem destruí-lo.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Thiago Kistenmacher no Patreon!