O que esperar do segundo turno?

O primeiro turno é o turno da razão, das convicções ideológicas, das conveniências fisiológicas. É o turno das propostas verdadeiras e até das proposições utópicas. É o turno da política lúdica. Não interessa o candidato, interessa a ética pura. Não interessa se tem dinheiro ou se tem carisma, interessa ver o mundo por outro prisma. É o turno dos princípios ontológicos, dos valores morais, das ideias impossíveis e dos ideais inevitáveis.
 
O segundo turno é outra coisa. Muda tudo de repente. É a hora da força bruta, do confronto do puxa-puxa, do empurra-empurra, do embate frente-a-frente. É o turno do vai-ou-racha. O segundo turno é o turno da emoção, do vale-tudo, do dedo no olho, porque é mata-mata, não tem ferrolho.
 
No primeiro turno é o turno onde se defende até o último minuto o partido que te representa, não importa se ele tem um por cento, trinta ou cinquenta.
 
No segundo turno, esquece tudo. Será conversa de surdo-mudo, xiitas versus sunitas, colorados versus gremistas, conservadores, liberais e moderados versus marxistas.
 
No Brasil, infelizmente, colocam a carroça na frente dos bois, ou dos burros, no primeiro turno criaram cizânia onde deveria haver temperança. Disseram, “quem se importa estúpido, tem que votar no mito”, quando deveriam dizer “gostei-não-gostei da tua proposta, mas no segundo turno estaremos juntos”.
 
O que esperar de quem vive num país que já teve sete constituições, três golpes de estado? O que esperar de quem vive num país que prefere o estado em vez do mercado, que prefere privilégios em vez de direitos, que escolhe deliberadamente estagnar no tempo, afinal, conservadores conservam?
 
O Brasil honra o seu destino: somos politicamente trogloditas, não sabemos o que foi a revolução iluminista; que ela teve duas vertentes, a aristotélica e a platônica, a newtoniana e a kantiana, a lockeana e a rousseauniana, a burkeana e a robespierreana; achamos que revolução industrial é financiar fábricas obsoletas com o dinheiro do BNDES, é exaurir a população com impostos para instituir empresas estatais estratégicas, é proteger a população da concorrência dos estrangeiros porque produtos mais baratos e de melhor qualidade acostumam mal os brasileiros.
 
Vivemos ideologicamente no passado remoto, na idade das trevas, onde o mercantilismo nacionalista se juntou ao misticismo religioso, por isso se fala em pátria acima de tudo e Deus acima de todos.
 
Obviamente, tirando os psicopatas da esquerda e os analfabetos funcionais de todos os espectros, ninguém quer os petistas no governo.
 
Mas não se faz um país próspero voltando no tempo. Não fizemos nossa revolução gloriosa, não declaramos nossa independência da coroa, não implantamos uma república constitucional verdadeira. Vivemos numa democracia tosca, onde ser, fazer e ter é pecado, a não ser se for por concessão do estado.
 
Jamais seremos o país do futuro próspero aplicando pensamentos retrógrados.
 
Considerando o nível dos debates políticos, considerando os argumentos apresentados, sentados sobre mentiras e descortesias, sobre falta de tato, sobre falácias estatísticas e matemáticas, sobre aberrações cognitivas, seremos apenas o eterno país do futuro que nunca chega.
 
Os liberais precisam se convencer que o espectro político é um triângulo, existem pontos de encontro com a esquerda e com os conservadores e destes com aqueles.
 
Os conservadores e os esquerdistas se acham muito espertos querendo nos taxar como aqueles com os quais discordamos na essência para nos terem como aliados como prova de que estariam errados.
 
Na realidade, na realidade mesmo, lá no fundo, os conservadores não querem nos convencer de que devemos votar contra o projeto da esquerda de poder, querem que abandonemos a defesa das ideias liberais porque eles são o que são, conservadores.
 
O mesmo se passa com a esquerda, não querem nos convencer de que devemos lutar contra os fascistas da direita, querem que abandonemos nossos princípios e valores morais, ideias e ideais liberais.
 
É por isso que trouxeram o segundo turno para o primeiro. A política como conhecemos é uma guerra de trogloditas de Facebook, de WhatsApp, de Twitter. Parece a inquisição, onde ou se é cristão, ou se é judeu, ou se é sarraceno.
 
Querem ver como eu tenho razão? Leiam os comentários que se seguirão.
 
Vejo vocês no segundo turno, ou não.
Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  A trajetória pendular de Ciro Gomes