O que causou a grande explosão de prosperidade nos últimos dois séculos e meio?

Apesar da revolta e do medo de alguns (como a jovem Greta Thumberg) em relação ao futuro, estamos vivendo numa época com os melhores padrões de vida humana da história. A pobreza extrema caiu abaixo de 10% da população mundial pela primeira vez (veja gráfico abaixo). A expectativa de vida mundial aumentou para níveis impensáveis há apenas dois séculos. A mortalidade infantil caiu para níveis mínimos e a fome, exceto por alguns poucos países africanos e raros rincões da Terra, praticamente se extinguiu; doenças que outrora dizimavam milhões, como malária, poliomielite e doenças cardíacas estão em declínio.

Essas são realizações admiráveis da espécie humana. Há muito o que fazer ainda, evidentemente, mas nada justifica o pessimismo de alguns em relação ao futuro.

Diante de tudo isso, a pergunta óbvia é: o que causou essa grande explosão de prosperidade nos últimos dois séculos e meio?

Leia também:  Medalhistas de Matemática podem ficar sem bolsa de estudos

A resposta mais comum é a tecnologia, mas, como nos lembra Don Boudreaux, esta resposta está no mínimo incompleta.

A tecnologia claramente avançou ao longo dos últimos séculos e, felizmente, continua a avançar, pois seus progressos são indispensáveis ao nosso modo de vida moderno; mas a causa mais profunda do enriquecimento generalizado não foi a tecnologia e sim a força que libera e direciona a energia humana necessária para produzir os avanços tecnológicos e seus frutos: o sistema de liberdade natural, de que falava Adam Smith*.

A evidência mais clara de que a liberdade e os mercados livres – além de instituições bem configuradas que protejam esta liberdade, a propriedade privada, a execução dos contratos e, last but not least, a vida e a integridade física dos indivíduos – são mais fundamentais que a tecnologia para a prosperidade está no fato de que centenas de milhões de pessoas, ainda hoje, permanecem desesperadamente pobres.

Leia também:  3,7 bilhões para o fundo público eleitoral, a orgia dos gastos públicos continua

Pessoas na África ou em outros países comunistas, onde não existe liberdade, estão morrendo de fome mesmo hoje, embora o conhecimento técnico para cultivar e distribuir alimentos básicos esteja prontamente disponível em todo o mundo. Além disso, inúmeras outras pessoas ainda vivem em cabanas de barro, não têm água encanada, morrem de malária e sofrem todo tipo de outras indignidades e perigos que seriam facilmente evitados com as tecnologias comuns existentes.

É errado sugerir que a tecnologia é a razão de nossa prosperidade. Claramente, algo mais deve estar presente – algo que promova o avanço tecnológico e, ainda mais importante, incentive o uso do conhecimento tecnológico para produzir e tornar amplamente disponíveis os bens e serviços que hoje muitos de nós temos como garantidos. E esse algo é o modelo de organização econômico e social que se convencionou chamar de capitalismo de mercado e que Adam Smith chamou de ‘Sistema de Liberdade Natural’, o único sistema que proporciona os incentivos para a divisão e especialização do trabalho em larga escala.

Leia também:  1ª Conferência IL: a celebração de uma história

Conforme descrito pelo Instituto Cato, “Os pilares da liberdade econômica são a escolha pessoal, o intercâmbio voluntário, a liberdade de competir e a segurança de propriedades particulares”. E, como mostrado repetidamente por pesquisadores que estudam a relação entre prosperidade e liberdade econômica, quanto maior a liberdade econômica, maior e mais difundida é a prosperidade.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
João Luiz Mauad

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad é administrador de empresas formado pela FGV-RJ, profissional liberal (consultor de empresas) e diretor do Instituto Liberal. Escreve para vários periódicos como os jornais O Globo, Zero Hora e Gazeta do Povo.