O monstro da CPMF e seus defensores ideológicos

monstro

Falar em mais imposto num país como o Brasil é simplesmente algo indecente. Mas há quem não esteja satisfeito com os mais de 70 tributos e com a carga de quase 40% do PIB. O governo perdulário não é capaz de entregar serviços minimamente satisfatórios, temos uma carga escandinava para serviços africanos, e mesmo assim tem gente que quer mais impostos ainda. O motivo? Ideológico.

São pessoas que odeiam os mais ricos antes de gostar dos pobres. São pessoas com verdadeira tara pelo estado. E claro, estão quase sempre do lado consumidor dos impostos, não do lado pagador. Ou seja, mais impostos significam, para eles, mais verbas para desviarem, mais tetas para mamarem, mais recursos para usufruírem. A ideologia a serviço dos interesses pessoais.

O editorial do GLOBO de hoje fala do monstro que criaram com a tentativa de resgate da CPMF, um dos piores tributos, pois incide em cascata sobre toda a cadeia produtiva. O termo “provisório” é claramente uma piada de mau gosto. Mas seus defensores alegam justamente que se trata de uma “contribuição” temporária. Diz o jornal:

As baixas alíquotas da CPMF são ilusórias, pois seu peso é crescente e exponencial no sistema produtivo. Mas os governos são atraídos pelo imposto devido ao seu dom de iludir o contribuinte — apenas “dois milésimos”, costuma dizer o ministro Joaquim Levy, na defesa da CPMF de 0,2% —, embora tenha enorme capacidade arrecadadora. Esse 0,2% transferiria pouco mais de R$ 30 bilhões por ano para o Erário.

Outro efeito deletério é o social: ao comprar bens de primeira necessidade, as pessoas de baixa renda também pagam o imposto, mas que para elas pesa proporcionalmente mais que nos extratos sociais mais altos. Entende-se por que raros países usam este tipo de imposto.

Há também a questão da carga tributária. Hoje, ela está mais de dez pontos de PIB acima daquela de 1993. É compreensível que haja resistências, considerando, ainda, que o governo propõe a volta do imposto embora tenha um gasto total de cerca de 40% do PIB, uma enormidade. É impossível que não haja margem para fazer redução de despesas. Há, mas o Planalto não quer contrariar aliados políticos. Prefere penalizar o já assoberbado contribuinte.

De fato, quem diz que não é possível cortar gastos em vez de aumentar impostos para fazer o “ajuste fiscal” é um brincalhão. Dizer que não dá para cortar nem um bilhão é humor negro, é escárnio com o povo brasileiro. Mas é justamente o que fazem os tarados por mais estado: eles nunca estão satisfeitos com a magnitude do confisco. Os pragmáticos, como Levy, unem-se aos ideológicos, como a maioria dos petistas. É o caso do deputado federal petista Vicente Cândido, que escreve, na outra opinião:

Leia também:  Série Heróis da Liberdade: George Washington

O debate em torno da justiça fiscal sempre terá uma conotação ideológica. Quando setores da oposição se manifestam contra a CPMF é porque têm lado: o lado daqueles que não querem mudanças, nem justiça econômica, nem distribuição de renda. Querem sim um Estado que promova cada vez mais a concentração de renda. Devemos conduzir o debate com equilíbrio e serenidade, sem perder a perspectiva de que, com uma carga tributária mais justa, vinda do resultado da CPMF, por exemplo, poderemos pensar mais na diminuição de tributos que tanto oneram a produção e o consumo. Dessa forma aproveitaremos o caráter provisório desse tributo.

A tentativa de monopolizar as virtudes é evidente: quem é contra a volta da CPMF só pode ser a favor da permanência do status quo e da concentração de renda. Curiosamente, é justamente o excesso de estado que mais concentra renda no país. O BNDES, por exemplo, é uma máquina de transferência de recursos dos pobres trabalhadores para os ricos empresários “amigos do rei”, especialmente sob o comando de Luciano Coutinho com sua seleção de “campeões nacionais”.

Leia também:  Qual seria a melhor solução para a crise na Venezuela?

Quando o deputado petista diz que o imposto “provisório” poderá servir para reduzir outros impostos, algo que nem está em pauta, ele está agredindo o bom senso e tratando todos como idiotas. Quando foi que o PT falou em redução de impostos? Nunca! O partido só fala em aumento do estado, em taxar mais ainda os “ricos”, em distribuição de renda via estado, nunca lembrando como se cria riqueza em primeiro lugar.

A máscara caiu. Por trás do argumento de “justiça social” está a ideologia defensora sempre de mais estado, que por sua vez é fruto de uma verdadeira tara por controle, uma fome insaciável de quem quer avançar sobre os recursos alheios. Uma postura típica de parasitas que enxergam o próximo como um hospedeiro em potencial.

Leia também:  BDS, um boicote à humanidade

Que Levy hoje seja apenas mais um petista desses, justificando o injustificável, lutando por mais impostos num país como o Brasil, isso é simplesmente vergonhoso para alguém que tem doutorado na Universidade de Chicago. O petismo e sua tara por mais impostos deve ser contagiante mesmo. Um monstro que invade o cérebro das pessoas e muda sua forma de ver o mundo, transformando-as em parasitas.

Rodrigo Constantino

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Rodrigo Constantino

Rodrigo Constantino

Presidente do Conselho do Instituto Liberal e membro-fundador do Instituto Millenium (IMIL). Rodrigo Constantino atua no setor financeiro desde 1997. Formado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ), com MBA de Finanças pelo IBMEC. Constantino foi colunista da Veja e é colunista de importantes meios de comunicação brasileiros como os jornais “Valor Econômico” e “O Globo”. Conquistou o Prêmio Libertas no XXII Fórum da Liberdade, realizado em 2009. Tem vários livros publicados, entre eles: "Privatize Já!" e "Esquerda Caviar".

5 comentários em “O monstro da CPMF e seus defensores ideológicos

  • Avatar
    14/10/2015 em 10:27 am
    Permalink

    olha só que beleza!!!Já que estamos falando aqui de inciativa privada e honestidade que tal o Rodrigão nos informar se pediu autorização a 20th Century-Fox por utilizar a imagem do filme de 1979?

    • Avatar
      19/10/2015 em 9:04 pm
      Permalink

      Já ouviu falar de “fair use”, ô petista? O articulista desenvolve toda uma idéia, com argumentos sólidos e opiniões embasadas, e você, petista, abre um comentário para falar de uma imagem inconseqüente e absolutamente tangencial ao tema? Não consegue atacar os argumentos do articulista?

      • Avatar
        23/10/2015 em 11:07 am
        Permalink

        não sou petista, mas é extremamente divertido, ver que todos sem
        excecao, a esquerda ou a direita, sempre defendem o mantra ja batido, de
        que “os fins justificam os meios”, vale tudo, lembrando que ainda não
        caiu o copyright do filme ja que foi produzido em 78/79. Como diria meu
        velho pai, um divertido e bem humorado ex-integralista “farinha pouca,
        meu pirao primeiro”. Com relação a imagem inconsequente, ela tem dono, e voce pode usa-la seja aqui ou nos EUA desde que cite a fonte, leia a Lei Lei 9.610/98 que define as limitações do direito autoral.

        • Avatar
          23/10/2015 em 11:09 am
          Permalink

          Olha, mesmo com tudo que está acontecendo no pais, eu ainda me dou ao
          direito de ser bem humorado, afinal nao vamos levar nada desta vida
          mesmo!!!!Os faraos bem que tentaram, mas sem sucesso. Boa tarde para
          todos, e que a Força esteja com voces, nao se esqueçam, dia 17/12 ,
          temos um encontro.

  • Avatar
    13/10/2015 em 11:29 am
    Permalink

    Em menor escala temos o exemplo da USP, que gasta 110% da receita anual com a folha… qual seria a solução? Um ser humano coerente (dotado de bom senso) diria que a solução imediata é cortar despesas com pessoal para se iniciar o ajuste necessário para sobreviver – o problema é que nossos gestores públicos pensam de forma contrária, para eles a solução é aumentar a receita através de mais impostos para melhor custear o monstrengo estatal (e com isso garantir mais corrupção, mais socialismo e mais sindicatos inúteis!).

Fechado para comentários.