O dia 15 de Setembro passado foi uma data emblemática para a política gaúcha e nacional

Créditos: Veja Online
Créditos: Veja Online

Enquanto celebrava-se o Dia Internacional da Democracia, a Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul era calada por uma violenta ação de grupos corporativos a defender insustentáveis privilégios. Por outro lado, em Brasília, os liberais do Brasil ganhavam voz no cenário politico-partidário. O TSE aceitava o registro do Partido Novo, que usará na sua legenda o número 30, já nas próximas eleições.

É o trigésimo-terceiro partido a ser criado neste período pós-democratização. Diferentemente do que possam dizer ou imaginar, o Novo não é apenas mais um partido a se formar. É um partido totalmente diferente dos demais. É o partido que faltava.

Leia também:  Qual leitura Bolsonaro deveria fazer das manifestações de domingo?

O Novo defende idéias que podem levar nossa democracia a um outro patamar. Ao patamar galgado por aquelas sociedades que encontraram um nível de civilização e prosperidade que sempre sonhamos, mas nunca conseguimos implementar.

O Novo defende o capitalismo, sistema politico-econômico  baseado na ética que estabelece que cada indivíduo é um fim em si mesmo, sendo dono e responsável por sua própria vida, livre para agir de acordo com a sua própria consciência, criando valores intelectuais, materiais ou espirituais para poder florescer e prosperar.

O Novo defende o livre-mercado, onde os indivíduos podem interagir espontânea e voluntariamente com os demais, sem serem importunados por atos de violência ou coerção, inclusive aqueles promovidos pelo próprio governo.

Leia também:  "Brasil: A Última Cruzada" - A revalorização dos heróis da pátria Brasil

O Novo prega a redução do tamanho do Estado e a redefinição de suas funções, para que as pessoas possam, elas próprias, se governar, criando e usufruindo os frutos do seu esforço, cooperando e compartilhando com quem e como bem entenderem.

Nós liberais, não queremos uma democracia onde nossos políticos sejam calados ou corrompidos por grupos de pressão de qualquer espécie.

O tamanho e o poder do governo têm levado a sociedade a uma luta desigual. O indivíduo, que cria valor, vive e trabalha sustentado por seu próprio esforço, está exaurido. Não é mais possível sustentar, moral e economicamente, a faraônica estrutura governamental.

Leia também:  Era uma vez os nobres herois da Assembleia Legislativa do Mato Grosso...

Estamos cansados de governos que regulam e tributam para parasitar.

É na defesa destes indivíduos que o Novo foi criado e é pela força de suas idéias que ele veio para ficar.

Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Roberto Rachewsky

Roberto Rachewsky

Empresário e articulista.