Ministérios: Interesse público x Moeda de troca

Créditos: Gazeta do Povo
Créditos: Gazeta do Povo

A Presidente Dilma Rousseff está tentando salvar o seu mandato e, principalmente, recuperar a sua condição de governar de fato o país. Para isso, sua equipe, que já lhe falhou outras vezes, sugeriu uma estratégia que não tem nada de inovadora: distribuir os ministérios para políticos e, com isso, buscar garantir o apoio deles e de seus correligionários para as medidas que serão tomadas pelo governo nas próximas semanas, além de trazer o suporte destas lideranças para a continuidade de Dilma no poder.

 
Ocorre que esta estratégia, semelhante à que Fernando Collor utilizou sem sucesso quando seu governo entrou em crise e à que Lula utilizou com sucesso após o mensalão, expõe uma enorme mazela da administração pública nacional: a utilização de ministérios e secretarias estaduais ou municipais como moedas de troca política, o que perverte o foco desses órgãos, levando-os a deixar de lado o interesse público e a eficiência em benefício dos usufrutos políticos e eleitorais.
 
Além disso, Dilma leva esse tipo de estratégia a um novo patamar, com o toma lá dá cá escancarado à luz do dia, nos mostrando as cotas de participação exigidas por cada partido, os orçamentos desejados, as disputas pela indicação do nome específico para cada pasta, a vontade da Presidente de não desagradar A ou B, etc. Em nenhum momento se discutem projetos, políticas públicas, metas e coisas do gênero. Apenas cargos, recursos e poder.
 
Sem dúvida é natural na política que os governos busquem apoio parlamentar e, para isso, aceitem exigências de parceiros, destaquem espaços da administração para serem geridos por membros da aliança que dá suporte à gestão, entre outras medidas. É assim no mundo inteiro e não devemos demonizar o caráter negocial da política em si. Mas as nomeações são, necessariamente, acompanhadas de compromissos programáticos e feitas com base na capacidade gerencial e intelectual e no conhecimento sobre a área dos que serão eventualmente nomeados.
 
No Brasil petista de Dilma, o interesse público foi esquecido, a eficiência foi deixada de lado e a relação do nome do indicado com a pasta que irá gerir é tratada como algo menor. Só sobrou a política de sobrevivência, que na verdade tem um outro nome: politicagem.
Bruno Kazuhiro

Bruno Kazuhiro

Bruno Kazuhiro é Presidente Nacional da Juventude Democratas