Lições dos nazistas sobre o controle de armas

livro_gun_control_third_reichO Independent Institute* terá, na próxima semana, palestra de Stephen P. Halbrook autor do livro “Controle de Armas no Terceiro Reich: o desarmamento dos judeus e dos ‘inimigos do Estado'” [no original, Gun Control in the Third Reich – Disarming the Jews and “Enemies of the State”). O controle de armas é tema que não sai do noticiário da TV americana e, por diversas vezes, esteve em nossas manchetes.

Halbrook não vê um paralelo entre a situação hoje dos EUA e a da Alemanha nazista, que não tinha, à época, uma Constituição garantindo, explicitamente, o direito de portar armas, como a Segunda Emenda americana. Ainda assim, ele acha importante aprendermos com a História.

Cenário do livro:

Um ano antes de Adolf Hitler assumir o poder, em 1933, o ministro do Interior alemão determinou que os arquivos de registro de armas ficassem em total segurança para que não caíssem nas mãos de “elementos radicais”. Esforço inútil: os arquivos caíram nas mãos do governo nazista, que os usou para desarmar seus inimigos políticos e os judeus. Em 1938, os nazistas tiraram dos judeus o direito de cidadania e foram adotando medidas para tirar também seus bens – inclusive os meios para se defenderem. As terríveis consequências têm nomes: “A Noite dos Cristais” (Kristallnacht) e o Holocausto.

Muito já se escreveu sobre a ditadura de Hitler, mas nenhum livro chegou a mencionar o desarmamento dos judeus e dos tais “inimigos do Estado”.

Em “Controle de Armas no Terceiro Reich”, Stephen Halbrook mostra que sim, o regime nazista usou o controle de armas para reprimir e ter nas mãos seus inimigos – e, assim, consolidar poder. Ele se baseou em documentos recém-descobertos nos arquivos alemães, em diários e jornais da época.

Nenhum livro até hoje sobre o Terceiro Reich e o Holocausto chegou, se quer, a mencionar as leis que restringiam a propriedade de armas de fogo, o que deixou inteiramente sem defesa a oposição e os judeus. Um cético pode argumentar que uma população mais armada não teria feito a mínima diferença, mas com certeza não era assim que pensava o governo Nacional Socialista – que tratou de liquidar com qualquer propriedade de armas por parte dos segmentos sociais que não eram de sua confiança.

O autor de Gun Control in the Third Reich é advogado que defendeu e ganhou três casos de direito constitucional no Supremo Tribunal dos EUA. Ele escreveu oito livros, entre eles:

  • The Founders’ Second Amendment: Origins of the Right to Bear Arms [A Segunda Emenda dos Fundadores: as origens do direito de portar armas];
  • Securing Civil Rights: Freedmen, the Fourteenth Amendment, and the Right To Bear Arms [Protegendo os Direitos Civis: os Libertos, a Décima Quarta Emenda e o direito de portar armas];
  • That Every Man Be Armed: The Evolution of a Constitutional Right [Que todo homem seja armado: A Evolução de um Direito Constitucional];
  • A Right to Bear Arms: State and Federal Bills of Rights and Constitutional Guarantees [Direito de portar armas: Declarações de Direitos e Garantias Constitucionais Federais e Estaduais];
  • Target Switzerland [Alvo Suíça] – traduzido para o alemão, francês, italiano e polonês;
  • The Swiss and the Nazis: How the Alpine Republic Survived in the Shadow of the Third Reich (Os suíços e os nazistas: Como a República Alpina sobreviveu na sombra do Terceiro Reich).

Com o direito dos americanos de portarem armas cada vez mais combatido pela mídia, o livro de Stephen Halbrook entrou na berlinda dos comentários e levou o autor aos noticiários de TV. Veja a entrevista à CBN News [em inglês]:

 

* Think tank liberal com sede em Oakland, Califórnia, dedicado à análise de políticas públicas.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Déficit comercial dos EUA: para os que desconfiam das teorias, falemos de fatos