fbpx

Quando a sociedade não protege a propriedade privada

Se uma sociedade quer prosperidade e segurança, a primeira coisa a fazer é proteger a propriedade privada.

Um novo vídeo mostrando um homem roubando em uma loja Walgreens de São Francisco, enquanto um segurança apenas olha, gerou um debate furioso nas redes sociais americanas.

O vídeo, que foi postado no Twitter por Lyanne Melendez, repórter da KGO-TV em São Francisco, mostra um homem colocando vários itens em um saco de lixo preto dentro do Walgreens.

Conforme o vídeo continua, o homem pode ser visto subindo em sua bicicleta e andando pelo corredor com o saco de lixo nas costas. Enquanto ele pedala pelo corredor, um segurança, que também está registrando o incidente, pode ser visto tentando agarrar a sacola, mas ele não consegue.

De acordo com o San Francisco Chronicle, nos últimos cinco anos, a Walgreens fechou 17 locais em San Francisco. Entre os locais restantes da Walgreens na cidade, os incidentes de roubo são quatro vezes o número médio relatado em lojas semelhantes em todo o país.

Ainda mais chocante é o fato de que muitos ladrões de lojas vendem seus produtos roubados na rua – geralmente não muito longe da loja onde os roubaram.

O aumento de incidentes de furto em lojas surgiu quase imediatamente após a aprovação de uma lei local, em 2014, que rebaixou o roubo de mercadorias e propriedades, de valores inferiores a US$ 950, de uma acusação de crime para mera contravenção.

Aí, você poderia pensar que a população está furiosa com os ladrões ou com a polícia, mas a revolta de muitos é contra as lojas que vão embora.

Quando uma Walgreens que viu 18 incidentes de roubo em quatro meses anunciou que estava fechando, um grupo de cidadãos iniciou uma petição exigindo que ela permanecesse aberta. “A Walgreens Corp tem uma receita anual de cerca de US$ 139,5 bilhões”, escreveram os peticionários. “Achamos que eles podem manter abertas lojas necessárias como esta.” “No meio de uma pandemia e crise, não podemos permitir que Corporações gananciosas e voltadas para o lucro traumatizem ainda mais e abandonem sua responsabilidade para com a comunidade”, escreveu um signatário da petição . “Shame on Walgreens.”

É mole ou quer mais?

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad é administrador de empresas formado pela FGV-RJ, profissional liberal (consultor de empresas) e diretor do Instituto Liberal. Escreve para vários periódicos como os jornais O Globo, Zero Hora e Gazeta do Povo.