Juros e inflação nas mínimas históricas, economia retomando crescimento, mas tudo insustentável sem reformas!

Ninguém gosta do Temer, mas alguém tem que ser sincero: o impeachment de Dilma não só salvou o Brasil – por enquanto – do destino venezuelano, como a gestão do atual presidente, com sua equipe técnica e mais ortodoxa, foi responsável por uma significativa melhoria do quadro geral. A sangria produzida pelo PT foi estancada, […]

Ninguém gosta do Temer, mas alguém tem que ser sincero: o impeachment de Dilma não só salvou o Brasil – por enquanto – do destino venezuelano, como a gestão do atual presidente, com sua equipe técnica e mais ortodoxa, foi responsável por uma significativa melhoria do quadro geral.

A sangria produzida pelo PT foi estancada, a atividade econômica ensaia uma retomada, como podemos ver em vários indicadores, incluindo a alta no comércio de 2% após dois anos em queda, a inflação acumulada em 12 meses está abaixo de 3% e, graças a isso, a taxa de juros atingiu o menor patamar em cinco décadas, abaixo de 7% ao ano. Não é pouca coisa.

Mas, infelizmente, tudo isso, que ainda está muito aquém do que precisamos para reduzir o desemprego e colocar o país na rota do desenvolvimento, é insustentável sem as reformas, principalmente a previdenciária, já que as aposentadorias representam o maior dreno de recursos públicos. Essa notícia dá o tom da coisa:

Principal indicador de solvência de um país observado pelo mercado internacional, a dívida bruta poderá atingir 100% do Produto Interno Bruto (PIB) a partir de 2023, subindo para 102,5% em 2024 e batendo em 116,4% em 2030, caso o governo não consiga aprovar a reforma da Previdência. Isso é o que mostra o novo relatório de acompanhamento das contas públicas preparado pela Instituição Fiscal Independente (IFI), do Senado Federal. O documento, ao qual o GLOBO teve acesso, classifica esse cenário como “alarmante” e “de insolvência”, pois a trajetória não indica um limite para o aumento da dívida bruta, mesmo a longo prazo. Esse indicador terminou 2017 em 74,5% do PIB.

Sim, são previsões realistas e alarmantes, sem dúvidas. Sem as reformas, esse cenário de recuperação será logo interrompido, a inflação voltará a subir, puxando também a taxa de juros, e seguiremos boiando sem sair do lugar, na melhor das hipóteses, ou afundando de vez, na mais provável delas. O editorial do GLOBO foi ao ponto hoje:

Leia também:  O STF é um paraíso para criminosos: veja os dados

Juros baixos são o objetivo de todas as correntes políticas. As divergências ocorrem sobre os meios de alcançá-los. O país testemunhou o voluntarismo lulopetista durante o governo de Dilma Rousseff, quando, por ato de vontade da presidente, sem que houvesse condições técnicas objetivas para a derrubada da taxa, a Selic saiu de pouco mais de 12% para 7,25%.

Não deu certo, por óbvio. A inflação saltou de patamar, ficou na faixa do limite superior da meta (6,25%) e terminou de volta aos dois dígitos. O BC da época, de Alexandre Tombini, foi forçado a puxar os juros até 14,25%.

Agora, há uma chance de ouro de que mais algum corte venha a ser feito ou, na pior hipótese, a Selic não se afaste muito deste nível — o mercado aposta em 8% no final do ano, segundo o relatório Focus, do BC, feito com base em previsões de analistas do mercado financeiro. Há a possibilidade rara de a recuperação da economia ocorrer em bases sustentáveis.

[…]

Poucas vezes ficou tão nítida a dependência da economia em relação à política. Houve avanços no governo Temer que ajudaram a construir este ensaio de recuperação da economia, com inflação baixa para os padrões brasileiros.

A reforma trabalhista, para flexibilizar as relações entre capital e trabalho, foi um deles. O teto dos gastos, para dar horizontes às contas públicas, outro. Mas, se não desarmar a bomba fiscal da Previdência, o Brasil não irá longe sem grave crise. Não chega a 2020.

A bomba-relógio continua ligada, fazendo tic-tac com frequência cada vez maior. Sem desarmar essa bomba, de fato teremos nova crise grave em breve. Quem não entendeu isso ainda? A quem interessa ir contra as reformas? Rogério Werneck, em sua coluna, trata do tema:

Leia também:  Os trunfos e os asteriscos: Geraldo Alckmin na corrida presidencial

Entre pessoas minimamente bem informadas, já há amplo entendimento de que as contas da Previdência se tornaram insustentáveis. Os números falam por si. Só na esfera federal, o déficit do sistema chegou a R$ 269 bilhões no ano passado. E a esta cifra tão absurda ainda têm de ser adicionados os assustadores déficits previdenciários dos governos subnacionais, cujos orçamentos vêm sendo inviabilizados pelo crescimento descontrolado das folhas de inativos. O Estado do Rio Janeiro é só o líder de uma longa fila de estados e municípios quebrados.

Tem também se disseminado a compreensão de que, sem a reforma da Previdência, não há como superar o quadro de descalabro fiscal que vem impedindo uma retomada sustentável do crescimento da economia e a eliminação do drama que hoje enfrentam 12 milhões de desempregados no país.

[…]

Entender por que uma reforma tão crucial — com resultados potenciais tão promissores e com custos mais significativos restritos a uma parcela relativamente pequena do eleitorado — continua a enfrentar tantas dificuldades para ser aprovada é tema para discussões intermináveis. Mas parcela importante da explicação tem a ver com a resistência ferrenha que as castas mais bem posicionadas de funcionários públicos vêm fazendo à reforma. Embora isso seja mais do que sabido, ainda falta compreensão clara de como tal resistência vem de fato bloqueando a formação da maioria requerida para aprovação da reforma no Congresso.

[…]

Com frequência, o parlamentar está irremediavelmente enredado pela teia de interesses de toda uma extensa parentela de funcionários públicos — quase sempre bem posicionados — tanto em Brasília quanto nos estados: cônjuge, pais, irmãos, cunhados, filhos, genros, noras, sobrinhos e netos.

Seria muito bom se evidências mais objetivas e sistemáticas das reais proporções desse enredamento pudessem ser levantadas tanto pela mídia como em pesquisas de mais fôlego.

Há, enfim, uma minoria que se beneficia desse modelo atual à custa da imensa maioria. Acontece que a minoria é barulhenta, organizada e está no poder, exerce muita influência. Os benefícios são concentrados, os custos dispersos. Mas os custos ficaram altos demais. O carrapato ficou maior do que o boi. A conta não fecha. Todos vamos pagar o pato se nada for feito. Mesmo os vencedores terão apenas uma vitória de Pirro, pois a crise vai se impor ao país inteiro, e não só na economia.

Leia também:  Eleições 2018: Michel Temer será candidato?

É hora de colocar o interesse geral acima dos privilégios, e ter um horizonte de mais longo prazo, deixando o imediatismo de lado. Insistir no status quo não é uma decisão racional, nem mesmo para os parasitas! Afinal, se o hospedeiro for a óbito por excessiva perda de sangue, morrem todos juntos. Na Venezuela, por exemplo, não há vencedores, nem mesmo os funcionários públicos. Só há perdedores.

Vamos traçar o mesmo destino para o Brasil? Vamos destruir de vez nossa economia, justo agora que temos visto alguma melhoria no quadro? Nas eleições deste ano, é fundamental que vença alguém reformista, de direita, comprometido com as mudanças necessárias para reduzir os gastos públicos. Ou isso, ou o caos!

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Rodrigo Constantino no Patreon!