fbpx

Joe Biden e a ideologia ambientalista

Reparem como a moderna ideologia ambientalista é absurda, hipócrita e sem qualquer preocupação com a realidade.

Um novo relatório divulgado pela administração do presidente Joe Biden na semana passada pede a demolição de várias barragens ao longo do rio Snake, afirmando que isso é “essencial” para ajudar a proteger e recuperar as populações ameaçadas de salmão no estado de Idaho.

“Essas ações são necessárias para fornecer a maior probabilidade de reverter declínios geracionais de curto prazo e reconstruir para corridas saudáveis e cultiváveis em face das mudanças climáticas”, afirmou o relatório.

Como era de se esperar, vários conservacionistas saudaram o relatório e disseram que suas descobertas confirmam a necessidade de tomar medidas agora para salvar o salmão ameaçado.

Como sempre, esses ecologistas olham apenas um dos lados da questão. Como bem salientou um senador republicano, “Em um momento de inflação recorde e preços de energia em alta, o governo Biden está endossando um plano para eliminar ativos de energia limpa, ao mesmo tempo em que afirma que a mudança climática é a maior ameaça existencial”. Bingo! Sem contar que o salmão já é criado em cativeiro há anos, e sua extinção é uma grande falácia.

Por outro lado, a remoção das barragens aumentaria as contas de energia e levaria a um aumento nas emissões de carbono, já que a energia limpa gerada pelas hidrelétricas teria de ser substituída por outras fontes, provavelmente mais poluentes ou menos confiáveis. Sem contar que também “significaria bilhões de dólares em custos para milhões de clientes de eletricidade em todo o noroeste”, como resumiu Kurt Miller, diretor executivo da Northwest River Partners.

Resumindo o busílis: quando você acha que essa gente já esgotou todo o estoque de absurdos, eles aparecem com alguma novidade mais absurda ainda…

Referências:

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad

João Luiz Mauad é administrador de empresas formado pela FGV-RJ, profissional liberal (consultor de empresas) e diretor do Instituto Liberal. Escreve para vários periódicos como os jornais O Globo, Zero Hora e Gazeta do Povo.