Economia brasileira: não dá para comer o bolo e tê-lo

Os americanos usam uma expressão engraçada para afirmar que algo viola o princípio axiomático da não-contradição, deduzida e descrita por Aristóteles há mais de 2300 anos: “you cannot eat your cake and have it.” “você não pode comer seu bolo e tê-lo”. Dificilmente se ouve isso no Brasil, é ou não é? Não somos muito […]

Os americanos usam uma expressão engraçada para afirmar que algo viola o princípio axiomático da não-contradição, deduzida e descrita por Aristóteles há mais de 2300 anos:

“you cannot eat your cake and have it.”

“você não pode comer seu bolo e tê-lo”.

Dificilmente se ouve isso no Brasil, é ou não é?

Não somos muito afeitos ao pensamento aristotélico no que diz respeito à Teoria da Realidade (metafísica) nem à Teoria do Conhecimento (epistemologia).

Prova disso é que a sociedade brasileira, através dos seus mal iluminados líderes, criou um sistema político-jurídico-econômico baseado na crença de que se pode comer o bolo e tê-lo.

Leia também:  Os eternos chorões: capitalismo de compadrio e a baixa produtividade no Brasil

Da constituição à mais específica das leis que afetam a produção de pastel, o princípio da não-contradição é violado.

Aqui, onde impera o princípio da contradição, queremos criar riqueza, criminalizando a sua produção. Queremos acabar com o problema da pobreza, valorizando o pobre e não quem cria a solução. Queremos inovação, pirateando invenções e quebrando patentes. Queremos segurança, protegendo bandidos. Queremos prosperidade, fechando o país para o mundo onde a prosperidade existe. Queremos um povo altaneiro sendo tutelado pelo governo. Queremos valorizar a educação, ensinando que estudar é obrigação e é de “graça”. Queremos estimular o empreendedorismo, premiando políticos, burocratas e fiscais que não correm riscos. Queremos defender os direitos individuais com uma instituição que foi criada violando-os.

Leia também:  Como o Estatuto do Desarmamento prejudicou os Clubes de Caça e Tiro

Gente, não dá para comer o bolo e tê-lo.

Não tem como dar certo.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal e Roberto Rachewsky no Patreon!