Doutrinados existem em todo o espectro ideológico

São os que defendem uma ideia fixa mesmo ela não sendo razoável.

São sofistas toscos que usam manobras contorcionistas, que dispensam os fatos e a lógica, substituindo-os por narrativas enviesadas e justificativas falaciosas.

Não admitem a crítica, nem mesmo quando o erro daqueles a quem apoiam é crasso, indisfarçável.

Quando são flagrados numa contradição, dizem que estão sendo irônicos.

Quando não entendem uma ironia, perdem as estribeiras e começam a gritaria, o xingamento, a desmoralização.

Doutrinados adoram bater no mensageiro, em vez de discutirem os argumentos.

Seus líderes são tratados como seres infalíveis, incriticáveis, mesmo quando agem como analfabetos funcionais ou arrogantes grosseiros.

Leia também:  Entre UDNs e “UDNs”

O que esse pessoal parece não querer saber é que a defesa incondicional, sem o reconhecimento dos erros de quem defendemos, faz sua posição perder legitimidade, mostrando-se apenas burra.

Um líder verdadeiro é aquele que faz de tudo para não errar, que quando erra, volta atrás, ou na impossibilidade de voltar atrás, reconhece que errou e promete se aprimorar.

Interessante ver aqueles que criticam seus adversários por determinadas práticas agindo da mesma maneira.

Esse pessoal tem um pensamento binário, não enxergam que a régua não precisa ser estabelecida pelo adversário.

Leia também:  O governo precisa urgentemente diminuir a regulação e a tributação

Quem usa as mesmas práticas do adversário para condená-las, não se diferencia, se iguala.

Ninguém está imune ao erro. Se você acha que o seu líder é onisciente e onipotente, lamento dizer, você faz parte de uma seita.

Gostou do texto? Ajude o Instituto Liberal no Patreon!
Leia também:  Folia e liberalismo: as polêmicas do Carnaval